siga-nos | seja fã
PUB
 

A sexualidade é uma invenção social

A sexualidade é uma invenção social
Imprimir Partilhar por email
10-03-2015 - 23:00
Num tempo em que milhões de pessoas em todo o mundo acorre às salas de cinema para ver as “50 Sombras de Grey” e em que muito se discute a sexualidade na perspetiva do erostimo e da constante procura da novidade, um estudo e retrospetiva histórica, pode ajudar a compreender a evolução da intimidade ao longo dos tempos, as regras e os condicionalismos que, provavelmente ainda marcam mentalidades.
 
Se muitos entendidos afirmam que, os filmes despertam aquilo que já existe, são muitos os que acreditam que, não é através dos filmes que se dá lugar ao que não existe dentro de cada pessoa, isto porque todos os indivíduos são influenciados pela sua cultura, educação e pela informação que recebem do meio em que estão inseridos. 
 
Nesse sentido, “a sexualidade é uma invenção social, pois o termo surgiu com base numa discussão sobre o sexo. Nesses discursos, havia a intenção de se normalizarem as regras que, a partir daquele momento histórico, serviriam ao sexo.”
 
O termo sexualidade surgiu no século XIX, marcando algo diferente no uso dessa palavra e estabelecendo o desenvolvimento de campos de conhecimento diversos; a instauração de um conjunto de regras e de normas apoiadas em instituições religiosas, judiciais, pedagógicas e médicas. 
 
Mudanças do modo pelo qual os indivíduos são levados a dar sentido e valor à sua conduta, desejos, prazeres, sentimentos, sensações e sonhos. (Foucault, 1998, p.9)
 
Tendo por base este apontamento, reforça-se a ideia de que, a cada pessoa cabe ainda hoje a capacidade de desenvolver ou de vivenciar os seus próprios limites e imaginação. 
 
No fundo, a evolução quer precisamente “determinar” que cada sujeito seja capaz de experimentar e viver as sensações a seu modo, o que nem sempre é fácil quando se trata de um conhecimento adquirido pela sociedade e, “em que é necessário ajustá-lo a cada personalidade e realidade.”
 
A sexualidade está intimamente ligada à cultura, à educação, à personalidade e às circunstâncias emocionais do indivíduo; não envolvendo somente os órgãos genitais, mas também as zonas erógenas do corpo, os impulsos, desejos e fantasias. 
 
Dessa forma, não abrange somente o ato sexual, que pode ser visto como um meio de reprodução e também como meio de comunicação, utilizado pelo impulso primitivo da reprodução e do prazer. 
 
“É impossível falar em sexualidade sem recordar a herança cultural que recebemos dos antepassados, incluindo os aspectos morais que determinaram em cada época quais os padrões de sexualidade considerados normais.” (Telarolli, apud. Kupstas, 2000).
 
Neste sentido, para compreender a sexualidade, é necessário um olhar multidimensional sobre o ser humano, visto que cada indivíduo possui interesses próprios, sentimentos e atitudes que são influenciados pelas percepções particulares ou coletivas do período vivido.
 
É interessante recuperar que, ao longo da história da humanidade, a sexualidade ficou a cargo do Estado, da Igreja e das famílias. (Master’s e Johnsons’s, 1979.)
 
Na Grécia Antiga, o homem já tinha a sua esposa, as suas amantes e um jovem que o acompanhava nas guerras. A mulher era um bem de valor sexual e reprodutivo. 
 
A sexualidade estava voltada ao grande homem que era merecedor de um jovem companheiro. Essa relação era marcada pela amizade, gratidão, lealdade e fidelidade.
 
Com os romanos, houve uma transculturação dos gregos, foram feitas adaptações das leis gregas para unificar o povo conquistado. A orgia fazia parte desse quotidiano, não existiam regras nem limites ao prazer corpóreo. (Nunes, 1987.)
 
Com o cristianismo surgiu a castidade como símbolo máximo, que aparece para apagar da história o liberalismo sexual romano. José é casto, Maria é virgem e Jesus é o homem livre dos pecados humanos. Na era medieval, o corpo é o pecado. 
 
A sexualidade tinha de ser contida e controlada. No final do século VII, “tudo sobre sexo é proibido. Sexo é o próprio demónio e deveria ser punido. Todos aqueles que geravam tentação deveriam ser queimados”.
 
Como o Estado era subjugado às crenças religiosas, era a igreja quem praticava esses atos de tortura.
 
Foi na era vitoriana que surgiu a formalização do casamento e com ela, a exigência dos grandes proprietários, aqueles que detinham terras.
 
Os pais casavam os filhos com o objetivo de unir terras e aumentar o património. 
 
A partir desse momento histórico, os valores da burguesia foram emergindo, demonstrando, assim, que a grandeza da sociedade estava marcada pela produção e pelo trabalho. 
 
Devido a isso, a Igreja começou a estimular o sexo para procriação, pois o capitalismo necessitava de filhos.  (Foucault, 1984.)
 
Foi a partir de então que surgiu o amor cortês, no século XIX, em que o homem, pela primeira vez na história, respeita a mulher, sendo esta a inspiração para o amor. Há uma sublimação ao sexo pelo respeito e amor. (Foucault, 1984.)
 
No séc XX, a sexualidade passou a ser investigada, pelo que, muitos cientistas levantaram hipóteses sobre o assunto, o que culminou nas teorias de Sigmund Freud (1856-1939) que mudou o rumo da história e deu início a uma das grandes descobertas do século. Freud, um médico nascido em Freiberg, demonstrou a importância da sexualidade na vida humana. 
 
Embora as suas teses não tenham sido aceitas de imediato, a capacidade de Freud organizar ideias, numa síntese teórica e persuasiva, causou impacto no mundo. 
 
Juntamente com essas ideias, Freud elaborou uma teoria sobre o sujeito e um método clínico, com o nome de Psicanálise, praticado por meio da técnica de associação livre. 
 
É desta forma que, Freud faz a interpretação das significações inconscientes de vocábulos, atos e criações imaginárias de uma pessoa.
 
Freud marcou e surpreendeu o mundo com“Três ensaios sobre a teoria da sexualidade” (1905), mostrando tratar-se  de algo que não pode ser compreendido no modelo de instinto, já que este é tido como uma conduta animal fixada de modo hereditário, apresentando-se relativamente da mesma maneira em todos os que compõem tal espécie animal. 
 
Nesse sentido, a distinção entre o homem e os outros animais reside na imprevisibilidade do objeto e na flexibilidade dos modos de realização.
 
Para clarificar a sua teoria, Freud abordou a sexualidade infantil com afirmações que se repercutiram profundamente nas concepções da sociedade da época, que via a criança como um ser dotado de “inocências”.
 
Desta forma, Freud contrariou a tese de que a sexualidade estava somente ligada à reprodução e explicou que, desde o início da vida, há uma função sexual, que assume um papel importante, e que a libido é a energia das pulsões sexuais.
 
Freud frisou que, há erotização do corpo desde o princípio da vida existindo, dessa maneira, um desenvolvimento gradual no progresso referente às formas de bonificação e de relação com determinado objeto.
 
Para muitos “opositores à sua teoria”, Freud associou todos os comportamentos humanos à sexualidade.
 
Recorde-se a Fase oral (0 a 2 anos). A ação de ingestão do alimento e a excitação da mucosa dos lábios e da cavidade bucal como forma de  proporcionar o prazer nessa fase.
 
Não menos polémica, a fase anal (entre 2 a 4 anos aproximadamente) em que Freud refere o prazer no controle das fincteres (anal e uretral) e realça a zona erógena: o ânus e o modo de relação do objeto é de “ativo” e “passivo”.
 
A fase fálica (de 3 a 6 anos), representa a erotização no órgão sexual. A distinção que marca a oposição fálico-castrado, substituta do par atividade-passividade, é o interesse que o menino possui pelo próprio pénis em confronto à descoberta da ausência deste órgão na menina, para a qual tal verificação motiva o aparecimento da “inveja do pénis” e o consequente ressentimento em relação à mãe por esta não lhe ter dado esse órgão.
 
Logo após, é caracterizado o período de latência, que se estende até a puberdade e, nesse tempo, há sublimação total ou parcial das atividades das pulsões sexuais. (Freud, 1905, p. 102.) 
 
Por fim, a fase genital que se atinge na adolescência, em razão de o objeto desejado estar no outro e não mais no próprio corpo; existindo uma busca de satisfação erótica e interpessoal. (Freud, 1905, p. 103.)
 
Segundo Freud, num primeiro momento, a escolha do objeto sexual, é enfatizada por alvos sexuais de caráter infantil, acontecendo por volta dos 2 a 5 anos de idade.  Com a puberdade (segundo momento), as pulsões parciais são organizadas, fazendo com que as zonas erógenas se submetam à prioridade genital. 
 
Dessa forma, a libido, que era, principalmente, autoerótica, procura o objeto sexual em função da libido do objeto.
 
Essas mudanças ocorrem junto às alterações físicas da puberdade e todas as transformações ocorridas nesse período se direcionam a uma distinção sexual cada vez maior, visto que os dois sexos terão papéis diferentes. 
 
Relativamente à dificuldade em distinguir masculino e feminino, Freud define um e outro, como passividade (feminino) e atividade (masculino), havendo, portanto, a afirmação de que a libido é masculina, visto que a pulsão é sempre ativa.
 
Mesmo diante de tal dificuldade de diferenciação, é-nos mostrado que a puberdade do menino e a da menina são diferentes, sendo a sexualidade desta mais afetada pelo recalcamento (desvio das pulsões sexuais para outras finalidades), ocorrendo, assim, a transferência da excitabilidade clitoriana para a vagina, enquanto a zona de excitação do homem (glande) continua sendo a da infância.
 
Partindo dos desvios do objeto e do alvo sexuais, Freud relata que a crença na união entre o homem e a mulher é fruto da teoria popular sobre a pulsão sexual; teoria esta que se assemelha a uma fábula poética (divisão de duas metades, as quais serão unidas pelo amor). 
 
Portanto, homens e mulheres que não tenham, como objeto sexual, o sexo oposto causam estranhamento e surpresa na sociedade; assim, é iniciado um trabalho sobre a homossexualidade (denominada inversão sexual).
 
Também Freud incluiu o sadismo e o masoquismo nos seus trabalhos, mostrando que, existem diferentes formas de vivenciar o prazer e que, estas nem sempre são as mais adequadas para a satisfação, sobretudo se incluírem violência e sofrimento.
 
Foi a partir deste “corte” ideológico encetado por Sigmand Freud que surgiram as mais diversas e interessantes posições acerca da sexualidade, a ponto de se dar continuidade à luta pela igualdade de género, de se colocar o prazer feminino ao lado do masculino, de se incutir na mulher a noção de desejo e prazer sexual, sem esquecer a oçção de procriar que, igualmente está a cargo do casal e não da sociedade. 
 
Perante este resumo, verifica-se que, a sexualidade passou por diferentes fases ao longo da história, mas que efetivamente traços do tempo podem estar vincados em muitas mentalidades e funcionar como um condicionalismo para a libertação sexual, que será seguramente um desafio para a evolução que se pretende.
 
A sexualidade é uma invenção social, mas cada sujeito tem o direito de a transformar em algo pessoal e de viver o sexo da forma que mais lhe dá prazer, afinal o desejo nasce connosco!
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Melhore a sua personalidade e agarre a vida com confiança!



-

A dieta “infalível” para este verão!



-

Precisa de um “jeitinho”? Conheça outros hábitos (muito) portugueses!



-

Para avançar, é preciso “virar a página”!



-

Aprenda “a ser importante” para os outros



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Algarve vê novo hospital por um "canudo"

Algarve vê novo hospital por um "canudo"

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
São Brás de Alportel adere à Semana Europeia do Teste VIH-Hepatites

São Brás de Alportel adere à Semana Europeia do Teste VIH-Hepatites

ver mais
 
“Dias da Inovação e Partilha Pedagógica” na UAlg

“Dias da Inovação e Partilha Pedagógica” na UAlg

ver mais
 
CCDR Algarve promove dois eventos para "descobrir" o seu talento

CCDR Algarve promove dois eventos para "descobrir" o seu talento

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio