siga-nos | seja fã
PUB
 

Amor:Como saber se a relação já acabou?

Amor:Como saber se a relação já acabou?
Imprimir Partilhar por email
28-05-2015 - 23:18
Esta deve ser uma das perguntas mais difíceis de assumir, mas que qualquer um dentro de si sabe responder pelo menos em pensamento, tudo porque há sinais que nos mostram quando a relação está de “boa saúde” ou quando tudo se está a perder e sem solução à vista.
 
Em primeiro lugar é preciso ter em conta que, o direito à felicidade deve imperar em qualquer relacionamento e deve estar acima de qualquer sentido de culpa quando se percebe que o fim é iminente.
 
Depois, quando se termina uma relação “no tempo certo”, consegue-se preservar valores e algumas vezes, a amizade e o respeito pelo outro e por nós mesmos. Quando se deixa desgastar o erro, só se vai conseguir encontrar outros erros, sofrimento e muitos mais motivos para desenvolver sentimentos negativos.
 
O namoro é um tempo de experiência para que duas pessoas se conheçam e assumam se querem avançar ou não na relação. 
 
O casamento é um desafio aceite por ambas as partes com uma cláusula importante: quando não existe um projeto comum, sentimentos que motivem o casal e o desejo em estar juntos, pode-se assinar um papel que desfaz o compromisso com aquela pessoa. 
 
Não se trata de um contrato no sentido literal da palavra, mas pode ser entendido como tal quando a felicidade e o bem-estar pretendidos não aconteceu.
 
Não é fácil, mas é a realidade dos factos. Há vidas felizes e bem sucedidas e há situações de pessoas que escondem diariamente sofrimento, a apatia que a sua relação lhes acarreta, bem como o “ter de fingir que está tudo bem”, porque os amigos e familiares vão reparar. Há algo que justifique este esforço?
 
Para facilitar a tarefa e avaliar a saúde da sua relação, faça este pequeno exercício e responda com sinceridade, pois o casal vai agradecer essa tomada de consciência.
 
Deixou de fazer planos com o/a parceiro/a?
 
O fim-de-semana e as férias são uma dor de cabeça só de pensar no tempo que vão estar juntos, nas discussões e na falta de assunto?
 
Não conseguem conversar sem em pouco tempo estarem aos gritos, a falar de coisas completamente diferentes e num cenário de acusações mútuas?
 
Teme ter de falar com o/a parceiro/a sobre assuntos banais do quotidiano como dinheiro, filhos, casa, compras, etc.? Em vez disso, fala com um amigo/a?
 
As vossas conversas duram pouco tempo e acabam em discussão por vezes até violenta?
 
Deixaram de fazer planos em conjunto como noutros tempos?
 
Sente que a pessoa com quem divide a sua vida não está disponível para si, não é capaz de lhe dar carinho, conforto, apoio e amizade?
 
Sente que a pessoa com quem vive o/a “atira” para os braços de outra pessoa, fala num interesse por outra pessoa ou idealiza outro tipo de relação que não existe entre vós?
 
A vossa intimidade tem perdido a chama e é cada vez menos regular?
 
É comum optarem por ver televisão em silêncio ou estarem ligados ás redes sociais na cama em vez de conversar e trocar carinhos? Dormem na mesma cama?
 
É verdade que terminar um relacionamento não é uma decisão fácil, muito menos um ato individual, já que, quando a relação não está a preencher um dos parceiros, certamente que o outro também não está feliz, poderá é estar mais acomodado ou igualmente com medo de falar sobre o assunto.
 
A lista que apresentamos não traduz um “decreto” para terminar um namoro ou um casamento, mas sim um conjunto de sinais que podem alertar para algo que está mal no seio do casal. 
 
Ao não se fazer nada em tempo útil pela pessoa que (ainda) se ama, certamente que a relação não vai resistir e ambos vão sair dela muito abalados.
 
Os especialistas em relacionamentos alertam que, quando se deixa chegar um relacionamento a este ponto é porque já não há forças para fazer o inverso e que, esse estado de apatia pode facilmente fazer desencadear um interesse por outra pessoa numa situação qualquer.
 
A pessoa que se apercebe que a relação terminou, mas que nada faz ou propõe ao outro, está mais vulnerável a iniciar um novo romance, pelo que mais vale encurtar o sofrimento, já que ambos têm o direito de ser felizes noutro caminho.
 
Confiar na intuição é mesmo perceber que quando algo não nos preenche, que não se consegue colher o que se entrega na relação, é porque provavelmente não estamos com a pessoa mais acertada para dividir a vida connosco, por isso, temos o direito de respeitar a diferença e de dar a nós e ao outro essa liberdade para ser feliz, pois quando um está angustiado no casal, o outro à partida, também não pode estar feliz, pode estar apenas desligado da realidade.
 
 
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Aprenda a proteger-se dos “vampiros emocionais”!



-

Quando a ansiedade nos atrapalha os planos  



-

Mindfulness:Treino e principais benefícios



-

Diferenças entre empatia e contágio emocional



-

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Cláudia Vieira inaugura Designer Outlet Algarve

Cláudia Vieira inaugura Designer Outlet Algarve

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Taça de Portugal:Dragões bateram Portimonense

Taça de Portugal:Dragões bateram Portimonense

ver mais
 
Mafalda Ribeiro e Paulo Azevedo em Albufeira falam da dignidade da pessoa com deficiência

Mafalda Ribeiro e Paulo Azevedo em Albufeira falam da dignidade da pessoa com deficiência

ver mais
 
Ministério da Administração Interna alerta para risco de incêndio

Ministério da Administração Interna alerta para risco de incêndio

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio