siga-nos | seja fã
PUB
 

Celeste Martins (Moncarapacho)

Celeste Martins (Moncarapacho)
Imprimir Partilhar por email
06-12-2015 - 20:34
O Algarve Primeiro desafiou uma personalidade amplamente conhecida na nossa região para nos falar dos seus sonhos, projetos, percurso e as dificuldades com que se tem deparado num mundo competitivo e que tem de estar em constante mudança.
 
Está ligada à rádio há décadas. É uma voz inconfundível e uma referência no Algarve. 
 
É Celeste Martins, a mulher que nos brinda com a mensagem com que desperta diariamente para a vida: “Sorrir é contagiante, sem alegria a humanidade não compreende a simpatia nem o amor. Sorriam porque tanta coisa se pode modificar com um simples sorriso.”
 
Natural de Moncarapacho e a residir em S.Brás de Alportel, Celeste Martins possui um sorriso aberto e a alegria contagiante muito próprios de quem contacta diariamente com um infinito de ouvintes à procura dessa “energia positiva.”
 
Ligada à rádio desde 1990, “comecei a minha carreira na Radio Atlântico em Olhão, onde permaneci durante 8 anos. Mais tarde aceitei uma nova proposta de trabalho na Rádio Clube do Sul, onde um ano foi suficiente para considerar uma má experiência profissional.”
 
De regresso a Olhão, à RTVA “a rádio que comportou os melhores radialistas e jornalistas de sempre com projetos maravilhosos e gente dinâmica que se começava a afirmar”, Celeste Martins foi convidada para integrar a equipa da Cidade FM recém-chegada a S. Brás de Alportel.
 
“Não aceitei a proposta porque achei que ‘não tinha pernas para andar’ e que ‘era esmola a mais para um pobre’ no meu caso.”
 
Contudo, “continuava a escrever para o Região Sul, experiência que ainda hoje guardo como magnífica e muito enriquecedora.”
 
Vivia na altura “na bonita vila de São Brás de Alportel quando me surgiu da parte da direção da São Brás FM mais um forte e aliciante convite para ingressar nos quadros da empresa a tempo inteiro. Foram 5 anos muito gratificantes.”
 
Após as experiências reunidas, “fui convidada para dirigir a Estação. O convite acarretava aquilo a que ainda hoje chamo ‘uma montanha de responsabilidades’. Ao mesmo tempo, o desafio estendia-se ao facto de ser a única mulher no meio de uma vasta equipa constituída na altura por 16 colegas todos do sexo masculino.”
 
A S.Brás FM trabalhava 24horas por dia. “Foram mais 6 anos de intenso trabalho, onde onde eu mesma testei a minha capacidade de aprender e ensinar, de produzir e vender o próprio produto: a rádio e os seus conteúdos. Foi trabalhoso, mas também uma experiência inesquecível e fabulosa.”
 
Celeste Martins recorda com tristeza o momento em que a rádio encerrou as suas portas. “Assisti de pé à queda de um grande amor. A rádio não fechou as portas devido a falência, mas por questões que envolviam os seus cooperantes e o próprio Alvará, um problema com que a empresa se debatia há anos e que acabou na solução mais dolorosa.”
 
Sem cruzar os braços ás dificuldades e ao sonho que a orienta de “dar vida e voz” ao que acredita, Celeste Martins rumou a Tavira. “Passados 2 meses estava a trabalhar na Radio Gilão onde permaneço desde 2010.”
 
Ao longo do seu percurso tem marcado presença com o seu talento e profissionalismo em concertos, festivais, festas, concursos de fado, tertúlias e espetáculos de beneficência, o que no seu todo, “são oportunidades para estar mais perto das pessoas e para viver outro tipo de experiências.”
 
Com uma particular modéstia e simplicidade, Celeste Martins afasta a ideia de ser uma referência regional, mas sim “alguém que ama o que faz e que tem muito respeito por quem a escuta.”
 
Para a radialista, “não existe um segredo para o sucesso, mas sim sermos genuínos, amar o que fazemos ter alguma dinâmica e sobretudo muito respeito e carinho por quem valoriza o nosso trabalho.”
 
Nos tempos livres gosta de ler, escrever, tocar piano e estar com os amigos.
 
Uma sonhadora por excelência, Celeste Martins afirma sem reticências: “nunca desisto de um sonho independentemente do tempo que irei levar a concretizá-lo. Pois quem desiste na verdade nunca quis. A base de tudo é acreditar.”
 
Com 25 anos de ligação à comunicação social, a locutora assegura que, “esta profissão tem-me permitido passar por vivências que vão certamente marcar a minha história de vida.”
 
O auditório, o público as entrevistas os debates políticos o conhecer de perto os ‘backstages’ dos grandes artistas, envolve uma mística muito peculiar, sobre a qual sempre me debruço depois de um trabalho, afirma a conhecida voz da Rádio Gilão.
 
Sabendo que a rádio faz parte da história de vida das pessoas também, Celeste Martins acredita que, “nos dias de hoje e para além de todos os instrumentos utilizados tecnologicamente, a rádio continua a ser indispensável na vida de muita gente. A rádio não caiu nem nunca cairá em desuso, a rádio desenvolve por si só uma ponte de mistério soberana, que nem a televisão consegue vencer.”
 
E acrescenta: “por outro lado, é prioritário percorrer uma atualização. Não podemos parar no tempo, ‘a era das rádios piratas já foi’, há que manter o ouvinte informado e validar o precioso tempo para ‘dialogar’ com quem nos escuta e da forma a que os ouvintes já se habituaram. O mistério da rádio continua a ser essencial e único.”
 
Diariamente a radialista aposta num conjunto de mensagens para oferecer ao seu auditório. “Depois é muito gratificante colher o retorno desse trabalho que, mais não é que uma entrega, uma troca de momentos que se vive durante um programa e que nos fazem aguardar até à próxima emissão. É quase indescritível a relação que se estabelece com quem está do outro lado.”
 
O público “faz-nos chegar as mais variadas e curiosas reações ao que se diz. Claro que essa é a melhor recompensa. Frases como: ‘Devem pensar que estou louco por ir a conduzir sozinho e fartar-me de rir consigo’ ou ‘Você é o antídoto para a tristeza’, ‘Não imagino os meus dias sem a sua companhia’, “são alguns exemplos desta relação curiosa que se estabelece através de um recetor de rádio.”
 
E, é com ‘estes ingredientes’ que a locutora alimenta o sonho de desejar diariamente: “Seja feliz e se puder faça alguém feliz.” A mais conhecida frase com que termina os seus programas.
 
Não resistimos perguntar: quem se esconde atrás de Celeste Martins?
 
“Uma criança de nome Coragem que sempre brinca com o sol, a lua e as estrelas. E, por vezes o palhaço que sai por de trás da cortina.”
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Manuela Sabino



-

Patrícia Amado



-

Mário Centeno



-

António João Eusébio (Moncarapacho)



-

Manuel Cajuda



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Bolo-rei gigante de Olhão foi este ano oferecido "por opção"

Bolo-rei gigante de Olhão foi este ano oferecido "por opção"

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
PCP preocupado relativamente à atribuição de recursos para as Casas de Acolhimento de Crianças e Jovens em Perigo na região

PCP preocupado relativamente à atribuição de recursos para as Casas de Acolhimento de Crianças e Jovens em Perigo na região

ver mais
 
Câmara Municipal de Albufeira assinalou Dia Internacional do Voluntariado

Câmara Municipal de Albufeira assinalou Dia Internacional do Voluntariado

ver mais
 
José Mendes Bota recebeu Prémio "Maria Veleda" com promessa de mudar mentalidades

José Mendes Bota recebeu Prémio "Maria Veleda" com promessa de mudar mentalidades

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio