Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Como vive a geração que não estuda nem trabalha?
Imprimir Partilhar por email
De acordo com os dados do estudo Education at a Glance 2018, Portugal está em 10º lugar, no ranking de jovens nem-nem, numa lista de 31 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). A conclusão é que um em cada sete jovens, dos 15 aos 29 anos, é nem-nem, não trabalha, nem estuda.
 
São jovens que, por norma, são financiados pelos pais, uma vez que não possuem outra fonte de rendimento. Passam os seus dias em casa, ocupados com pequenas tarefas domesticas ou no café com amigos.
 
Na posição dos especialistas na matéria, muitas destas situações são marcadas pelo insucesso escolar, outras pela dificuldade em encontrar emprego e ainda outras em que a falta de esforço e de aceitação das dificuldades da vida, dá lugar a uma rejeição do trabalho e dos estudos. Muitos destes jovens dizem já ter passado, ainda que durante pouco tempo, pelo mercado de trabalho, mas que não gostaram da experiência ou que simplesmente foram despedidos. Por norma, são desmotivados e vêm nos pais o seu suporte de vida mesmo em idades em que assim já não o deveria ser.
 
As dificuldades socioeconómicas das famílias também são uma causa para esta situação de afastamento dos estudos, na medida em que muitos jovens não possuem recursos para poder ingressar por exemplo no ensino superior.
 
Ao Correio da Manhã, a psicóloga clínica Catarina Lucas diz que a maioria destes casos não acontecem por escolha própria. E acrescenta que é nos jovens com menos habilitações que se registam números mais elevados de inactividade. "Talvez isso aconteça porque quanto mais formação o jovem tiver, mais oportunidades surgirão."
 
A mesma psicóloga explica também que, a forma como os currículos são escritos ou enviados prejudica as hipóteses de o candidato ser chamado. "É importante que nos diferenciemos, e isso, às vezes, está nos pequenos detalhes. Quando o jovem não é chamado para um emprego, é importante que faça uma análise sobre os motivos para que isso esteja a acontecer e redefinir a estratégia ou empenhar-se no desenvolvimento de competências em falta e no que o mercado procura."
 
Catarina Lucas adiantou ainda ao CM que, se estes jovens não trabalham nem estudam, a pergunta mais comum será: como é que a geração NEEF se sustenta? Na maioria das vezes, o dinheiro vem dos pais e acrescenta que, perante as dificuldades, os jovens habituam-se à mesada, "Não sei se podemos falar em culpados, mas ao longo dos anos temos assistido a uma tendência para o excesso de protecção dos pais, para um facilitismo através do qual não se aprende a verdadeira dificuldade das coisas. Para a psicóloga, “foi ensinado a esta geração que podem ter tudo sem grande esforço, o que a tornou menos preparada para a adversidade”. Além disso, “foi vendida a ideia de que estudar garantia um bom trabalho, mas quando a altura chegou, não foi o que aconteceu, o que aumenta a frustração e a desmotivação."
 
Perante esta realidade, há muitos jovens que não têm possibilidades de prosseguir os estudos, sejam universitários ou outros que não são financiados pelo IEFP, acabam por terminar a escola quando a mesma deixa de ser obrigatória. Ao não terem um emprego no horizonte, acabam por passar os seus dias sem fazer nada, cada vez mais desmotivados e afastados do mercado de trabalho. Se os pais os continuarem a financiar, mais dificilmente irão ter “de se fazer à vida”, realçam muitos entendidos na matéria, pelo que um ponto importante é os pais os ajudarem não a financiar as suas saídas, mas a construir um projeto de vida que passe pelo seu sustento e autonomia. Aceitar um trabalho como ponto de partida para poder financiar um curso é a estratégia utilizada pelos jovens que não encontram outro tipo de alternativa e, segundo os especialistas, consiste numa excelente oportunidade para conhecer a realidade da vida, as dificuldades da vida real e até para ambicionar estudar e criar novas oportunidades.
 
Os jovens devem manter-se ativos e numa constante procura não só pelo “emprego de sonho”, mas pelo emprego possível para ganhar dinheiro, autonomia e experiência profissional, pois ingressar no mundo do trabalho é o primeiro passo para orientar a vida de qualquer pessoa e para a ajudar a ser mais motivada e confiante.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87370)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37125)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19142)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13964)

Não podemos viver sem amor

(11979)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10976)

A mentira: um mal necessário

(9140)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9033)

Idade não traduz maturidade

(8815)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8322)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8274)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7994)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6781)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5708)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5593)

É Demissexual?

(5336)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5287)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5127)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5093)

A “ciência” do aperto de mão

(4703)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4702)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4659)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4643)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4517)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4466)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4447)

O poder das ervas aromáticas

(4423)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4329)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4228)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4213)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4162)

A família é a base do sucesso escolar

(4117)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4046)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4039)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4037)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4014)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4013)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4003)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3984)

O que muda na mulher aos 40?

(3938)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3835)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3810)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3730)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3631)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3625)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3614)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3604)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3545)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3522)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3518)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Município de Lagoa aprova medidas especiais de apoio às famílias, às empresas e ao terceiro setor

Município de Lagoa aprova medidas especiais de apoio às famílias, às empresas e ao terceiro setor

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Espaços comerciais que funcionam em equipamentos da autarquia de Albufeira isentos de mensalidades

Espaços comerciais que funcionam em equipamentos da autarquia de Albufeira isentos de mensalidades

ver mais
 
Portimão:Toxicodependente detido por violência contra a mãe

Portimão:Toxicodependente detido por violência contra a mãe

ver mais
 
Orquestra Clássica do Sul decidiu que vai colocar músicos em lay-off mas PCP questiona Governo

Orquestra Clássica do Sul decidiu que vai colocar músicos em lay-off mas PCP questiona Governo

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio