Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 

PAN quer respostas do Ministério do Ambiente sobre as Alagoas Brancas de Lagoa

 PAN quer respostas do Ministério do Ambiente sobre as Alagoas Brancas de Lagoa
Imprimir Partilhar por email
09-07-2019 - 11:31
Em comunicado, o PAN faz saber que, "as Alagoas Brancas em Lagoa são neste momento a única zona restante de uma antiga zona húmida mais vasta que noutros tempos deu o nome à cidade de Lagoa, além de terem um forte valor histórico e identitário, apresentando um enorme valor natural, ao nível da flora e da fauna, em particular aves, mas também anfíbios e insetos".
 
No entanto, o PAN considera que "a Câmara Municipal de Lagoa, parece não ter olhado para a importância do local por este prisma, apesar de existir um forte movimento de contestação por parte de cidadãos e associações que estão contra desde o início à transformação desta zona húmida em mais um mero espaço urbano comercial".
 
O partido estranha que sabendo de antemão que estava a ser realizado um estudo profundo sobre as Alagoas por parte da associação Almargem, a autarquia tenha levado à Assembleia Municipal a aprovação do loteamento umas semanas antes.
 
Deste modo, o PAN diz que o caminho a seguir só pode ser um: "As Alagoas de Lagoa devem ser classificadas como zona protegida pela Câmara dada a comprovada relevância ecossistémica ao nível da diversidade e raridade da sua flora e fauna", e como reforço o partido aponta o novo parecer sobre a importância desta área por parte do ICNF, agora fundamentado com base num recente estudo da Associação Almargem, substituindo o documento incorreto de 2017, "que basicamente dizia que as Alagoas Brancas eram desprovidas de valor para a avifauna, e desconsiderava a sua classificação".
 
Com estas questões levadas ao Ministério do Ambiente e Transição Energética o PAN pretende que se inicie o processo classificação das Alagoas Brancas como um dos sítios “Ramsar” de proteção de zonas húmidas a nível global, com base no convénio assinado por Portugal em 1980; que se sigam as várias diretrizes europeias de proteção de aves migratórias como a “Diretiva Aves” e a “Diretiva Habitats”; que se acompanhe o sentido de outras convenções mundiais como a “Convenção de Berna” e “Convenção de Bona”; que se trabalhe no sentido de incluir as Alagoas Brancas como parte da rede IBA, (Important Bird Areas), umas das maiores redes globais para a proteção de aves e conservação dos seus habitats e que se utilizem os mecanismos ao dispor da Câmara, nomeadamente a alteração do Plano Diretor Municipal de zona urbana para Reserva Ecológica, criando um Perímetro de Proteção Local (PPL) e uma Zona de Proteção Especial (ZPE) que garanta a preservação e sustentabilidade das Alagoas a longo prazo.
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Descubra o que vai mudar na 38ª Concentração de Faro

Descubra o que vai mudar na 38ª Concentração de Faro

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Este domingo os veraneantes são convidados a limpar a Ria

Este domingo os veraneantes são convidados a limpar a Ria

ver mais
 
PAN questiona autarquia de Olhão acerca de gatos abandonados

PAN questiona autarquia de Olhão acerca de gatos abandonados

ver mais
 
 Famílias convidadas ao programa de Ciência Viva no Verão no Algarve. Saiba mais aqui

Famílias convidadas ao programa de Ciência Viva no Verão no Algarve. Saiba mais aqui

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio