Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
A cidadania não “passa de moda”
Imprimir Partilhar por email
À hora de ir levar os nossos filhos para a escola, percebemos a importância de validar a cidadania. Se de repente, todos os pais se lembrassem de estacionar o carro em frente à escola para lhes ser mais fácil depositar as crianças, o que aconteceria?
 
E se não tivéssemos consciência das regras de trânsito, como saberíamos que é proibido estacionar numa estrada?
 
Sabemos que o estacionamento é escasso e que é mais fácil “dar um jeitinho” uns minutos para depositar a criança, mas não teríamos todos o mesmo direito?
 
E se não existissem regras de bom funcionamento social, será que conseguiríamos fazer algo tão simples quanto ir a um supermercado às compras?
 
O leitor já está a pensar que, muitas pessoas não cumprem as regras e que, por isso, temos mais acidentes, um caos no trânsito, muito stress para ir levar os filhos à escola todas as manhãs e daí por diante.
 
Sabemos que, há quem não cumpra as orientações sociais, mas não podemos afirmar que se trata da maioria, pois se assim fosse, seria impossível viver numa sociedade, mas concordo que, há muitas pessoas afastadas dessa cidadania e que precisamos de exigir que as nossas autoridades as façam recordar de que, a sociedade é de todos e que as leias são para cumprir.
 
Acredito que, se pensarmos no que está mal e, se dermos o nosso contributo, podemos viver mais à semelhança de outros países cumpridores como é o exemplo dos nórdicos em que até se pensa no colega antes de ocupar dois lugares no parque de estacionamento…
 
Como é que cada um de nós pode fazer alguma coisa? Ligando para a PSP e dando a matrícula da viatura ou das viaturas que diariamente estacionam de forma indevida à porta da escola.
 
Quer queiramos quer não, só temos duas maneiras de aprender a cumprir, ou através da educação ou através da punição. Quando uma falha, temos a outra.
 
Digo muitas vezes que o nosso país anda à procura de um equilíbrio entre o medo que se viveu no passado e que não permitiu que muitas pessoas percebessem a importância das regras e das leis e a transição para a influência de outros países mais desenvolvidos que nos despertou mentalidades sem que tenhamos as regras bem dominadas. Só assim se explica esta dependência pelo carro, por exemplo. Se pensarmos bem, faz algum sentido estacionar os carros à porta da escola quando os demais precisam de passar? Temos algo que nos impeça de estacionar o carro uns metros antes e de nos despedirmos convenientemente dos nossos filhos antes de entrarem na escola?
 
Talvez não pensemos muitas vezes na ansiedade que geramos nos nossos filhos desde pequenos, pelo facto de andarmos tão acelerados e incumpridores das regras, pois o exemplo é fundamental. Se queremos que os nossos filhos sejam bons cidadãos, temos de fazer a nossa parte, mostrando a forma correta de fazer e não a exceção à regra.
 
Digo muitas vezes que, se pensarmos naquilo que queremos ensinar de melhor aos nossos filhos, somos muito mais zelosos e cumpridores e este é um bom exemplo disso, pois muito mais que repreender uma criança pelo que fez, é explicar-lhe onde é que está o erro para que ela o possa corrigir e, os pais assumem um papel muito importante, pois para além do exemplo, precisam de saber como é que se faz corretamente para poderem esclarecer as dúvidas dos mais novos.
 
Fico admirada quando percebo que é mais fácil publicar uma reclamação na rede social que está ligada em rede do que fazer um simples alerta à PSP ou à escola… Isto faz-me pensar se queremos resolver os problemas ou se gostamos de estar permanentemente a falar sobre eles e a receber “Gostos” acerca da nossa “falsa cidadania”, pois na prática, só irritamos os outros pais e nada fazemos de concreto para melhorar a situação.
 
O meu desafio de hoje é mesmo este: pensar na melhor forma de resolver os problemas para podermos validar a nossa cidadania e viver numa sociedade melhor.
 
Ao mesmo tempo, deixo a intenção de que é fundamental ajudar a tornar a nossa sociedade mais evoluída e, para isso, temos de dar o nosso contributo de forma exemplar.
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

O Escotismo é uma escola de cidadania



-

Devemos estar com pessoas que ajudem a sermos melhores



-

Os benefícios de viver “de consciência tranquila”



-

“Quem sofre com o pouco que lhe falta, não goza o muito que tem”



-

Ninguém consegue resolver tudo sozinho



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Golfinhos encurralados na Ria Formosa salvos a tempo

Golfinhos encurralados na Ria Formosa salvos a tempo

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Incêndios:Fuzileiros patrulham zonas rurais do Algarve

Incêndios:Fuzileiros patrulham zonas rurais do Algarve

ver mais
 
VRSA:Novo trabalho de Fernando Pessanha apresentado no Arquivo Histórico Municipal António Rosa Mendes

VRSA:Novo trabalho de Fernando Pessanha apresentado no Arquivo Histórico Municipal António Rosa Mendes

ver mais
 
Exposição em Loulé com “O Homem que só queria ser Tóssan”

Exposição em Loulé com “O Homem que só queria ser Tóssan”

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio