Curiosidades
A “ciência” do aperto de mão
Um aperto de mão é muito mais do que pode parecer nos simples instantes em que ocorre.

 
É usado em praticamente todos os momentos sociais, conhecendo diferentes apresentações, o que naturalmente dá lugar a muitas análises.
 
A linguagem corporal é um primeiro contacto com outra pessoa, razão pela qual assume tanta importância nas nossas sociedades.
 
No passado, o aperto de mão era usado praticamente só entre homens, situação que tem vindo a ganhar novos contornos nas sociedades modernas, já que, também as mulheres o usam como cumprimento nas mais variadas situações.
 
Desde que é conhecido que o aperto de mão está associado a situações amigáveis.
 
Nas tribos primitivas, os homens estendiam os braços com as mãos espalmadas para mostrar que não levavam nem ocultavam armas. Entre os antigos romanos, onde a prática de trazer um punhal escondido na manga era corriqueira, o aperto de antebraço desenvolveu-se como saudação rotineira que assegurava a proteção.
 
Desde o século XIX que o aperto de mão ganhou a versão moderna do antigo ritual de cumprimento. Passou a expressar-se num movimento das mãos encadeadas palma com palma, para cima e para baixo.
 
O aperto de mão, é uma forma de cumprimento que esteve sempre adstrita aos homens. de status semelhantes e servia como fortalecimento das transações comerciais. 
 
O negócio estava selado com um aperto de mão firme.
 
Desde há cerca de cem anos, o aperto de mão passou a ser amplamente difundido e adotado como marca de cumprimento e de despedida nas mais variadas ocasiões sociais.
 
Desde então, na maioria dos países europeus e ocidentais, o aperto de mão é uma forma de cumprimento usada em todos os contextos de negócios e, cada vez mais, em festas e acontecimentos sociais.
 
Com a crescente participação de mulheres no mundo dos negócios e momentos sociais, também elas passaram a substituir os “beijinhos” por um cordial aperto de mão.
 
Esta situação, tem vindo a ser cada vez mais aceite e manifesta uma igualdade de tratamento entre homens e mulheres.
 
O aperto de mão define-se pela firmeza com que é transmitido e pelo contacto visual que o acompanha.
 
Se alguém afasta o olhar nesse ato de cumprimento, é porque não está disponível para avançar nesse tipo de relação, seja ela qual for. Se o contacto visual acompanha o aperto de mão firme, é porque pode surgir uma relação de amizade e confiança entre as pessoas.
 
É de recordar que, o aperto de ,mão, para além de permitir o cumprimento de duas pessoas que se conhecem, é o primeiro contacto com um desconhecido, pelo que deve ter em conta alguns aspetos: se é mera casualidade, se existe um interesse verdadeiro em manter contacto com aquela pessoa, se o sujeito em causa nos desagrada, mas é preciso mostrar o contrário e daí por diante.
 
Segundo os entendidos, não é muito disfarçar aquilo que se demonstra num aperto de mão, pois a maior ou menor firmeza, o desvio do olhar, a mão transpirada ou trémola, tal como uma mão que se estica sem vigor, evidenciam a falta de entusiasmo e o pouco interesse em aprofundar uma relação de amizade, negócios ou outra.
 
Um “simples” aperto de mão, pode revelar muito acerca do caráter dos seus intervenientes, o que dá espaço a muitas interpretações.
 
É regra que, quem estabelece contato visual aberto e tranquilo, desperta a confiança dos seus interlocutores. Um olhar de cerca de três segundos certamente é notado, e um mais de quatro segundos é percebido como sinal claro de interesse. Todavia, os contactos visuais ainda mais longos podem ser recebidos como uma ameaça, pois o interlocutor pode sentir-se invadido.
 
Uma pessoa que estende a mão e afasta o olhar, provoca uma sensação de instabilidade e desconfiança no outro. 
 
Dá a sensação de que tem algo a esconder ou que tem medo de se aproximar. O mesmo se passa nas muitas posições em que algumas pessoas apresentam as mãos aos outros.
 
Se é dominadora ou enérgica, por exemplo, ou se é mais do tipo reservado e tímido, isso aparece espelhado na forma como se aperta a mão.
 
Para analisar o aperto de mão corretamente, deve-se levar em conta o todo da mão do observado, pois nessa situação há diversos fatores relevantes – como, por exemplo, a posição da mão. Ela é uma primeira e importante referência para interpretar um aperto de mão. Por isso, na próxima vez que apertar a mão de uma pessoa esteja atento à posição das mãos!
 
Se a palma da mão do outro fica voltada para baixo durante o cumprimento, ele quer estar no controle e assumir a liderança da relação. Como manda a etiqueta, são sobretudo os indivíduos em posição de liderança que não somente tomam a iniciativa de apertar a mão, mas ao fazê-lo frequentemente também assumem a posição dominante.
 
Se a palma da mão do cumprimentado fica voltada para cima, isso é um sinal de que ele o vê numa posição de superioridade, pelo que se está a submeter. Essa postura não deve ser necessariamente encarada de forma negativa, já que é um sinal de familiaridade, consideração e respeito, adotado, muitas vezes, por indivíduos que valorizam muito a boa convivência com os seus semelhantes e que desejam construir rapidamente um sentimento de familiaridade.
 
Como exemplos deste tipo de relação, temos os psicólogos, conselheiros espirituais, médicos e bons anfitriões.
 
Se a mão é estendida com a palma em posição vertical, o cumprimentado não deseja assumir posição dominante nem submissa, em vez disso, aspira a um relacionamento de igualdade.
 
Por detrás do aperto de mão, está também um conjunto de sensações.
 
Consegue-se perceber se é quente, húmido, frio, firme, frouxo, longo ou curto. 
 
Não sendo possível definir alguém através de uma situação rápida e pontual, é comum que, se fique a pensar no aperto de mão e que se queira mais esclarecimentos em futuras situações.
 
Além da posição da mão, é de ter em conta a intensidade do movimento e o maior ou menor grau de contacto visual estabelecido. 
 
Agora analise os diferentes apertos de mão…
 
Aperto de mão aberto
 
Se as mãos de ambos se seguram com vigor e firmeza, de forma a que as palmas fiquem totalmente em contacto, os dois indivíduos estão, no real sentido da palavra, prontos para “travar contacto” e demonstram abertura para o interlocutor.
 
O aperto de mão frouxo
 
Um aperto de mão fraco geralmente demonstra insegurança e baixa autoestima. Frequentemente vem acompanhado de um olhar de baixo para cima.
 
O aperto de mão hesitante
 
Quando o interlocutor só consegue segurar a ponta dos dedos do outro e a mão é puxada de volta rapidamente. Este cumprimento pode significar que o cumprimentado (ainda) não está pronto para se envolver com o outro. Um aperto de mão como esse frequentemente desperta a sensação de desconfiança e insegurança, mas é possível que até tenha a impressão de uma negação por parte do cumprimentado. Principalmente se o seu olhar também for lateral em vez de franco e frontal.
 
O aperto de mão apreciativo
 
Se o parceiro de cumprimento pousa a mão livre sobre a parte superior da mão que ele está segurando, com esse gesto emocional ele sinaliza respeito e simpatia sinceros pelo outro. Muitas vezes esse gesto é acompanhado de uma leve inclinação lateral de cabeça e um sorriso amigável.
 
O aperto de mão cavado
 
Se o cumprimentado deixa formar um vão entre as mãos dos dois, isso mostra que ele não deseja render-se totalmente. Este cumprimento revela cautela.
 
O aperto de mão distante
 
Quando o interlocutor estica o braço para cumprimentar, está a demonstrar a sua necessidade de afastamento. Cumprimenta por educação, mas mantêm-se distante e com os pés também afastados, mesmo que faça um pequeno gesto com o tronco.
 
O aperto de mão possessivo
 
Durante o cumprimento, aqueles que seguram o antebraço do outro com a mão livre e o puxam para si demonstram superioridade e domínio sobre o interlocutor.
 
O aperto de mão do líder
 
Se a palma da mão do interlocutor vem de cima ou aperta o pulso do outro com o polegar, o indivíduo deseja sinalizar o domínio sobre o outro. Apertos de mão como este, é geralmente acompanhado por um contato visual longo e frontal.
 
O aperto de mão companheiro
 
Neste aperto de mão, a zona de distância entre as duas pessoas que se cumprimentam é relativamente pequena. Se durante a saudação uma delas ainda tocar o braço ou o antebraço da outra com o cotovelo dobrado, isso revela que deseja estabelecer um bom nível de relacionamento com o seu interlocutor.
 
É fundamental ter em conta que, cada um cumprimenta como mais gosta e que, mediante estas interpretações, pode muito bem gerir os seus apertos de mão e postura. 
 
Nunca se esqueça de que, é importante não apresentar um aperto frouxo, muito menos fugir aos contacto visual. Igualmente não se deve invadir o território do outro, pelo que, um metro de distância faz de si um interessado em respeitar o outro e cumprimentar ao nível do outro. 
 
Uma mão firme, um leve sorriso e um contacto visual expressivo, podem fazer toda a diferença num negócio bem sucedido, numa entrevista de emprego, num compromisso e numa relação de amizade. Boa sorte!  
 
Fátima Fernandes