Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
A saúde mental é mais importante que o dinheiro - dizem cientistas
Imprimir Partilhar por email
Longe vão os tempos em que o dinheiro estava acima de tudo.
 
São cada vez mais os estudos que demonstram que o dinheiro é muito importante para o conforto, bem-estar e uma vida satisfatória, ainda assim, grande parte da felicidade perde-se a trabalhar e a não conseguir aproveitar os benefícios da riqueza.
 
Considerando alguns dos principais e mais recentes estudos que relacionam felicidade e dinheiro, podemos dizer que  o dinheiro traz felicidade até certo ponto, já que há outros fatores mais importantes do que os bens materiais nessa equação. Além disso, para efetivamente comprar felicidade, é preciso saber usar a conta bancária e decidir aquilo que realmente é essencial para cada pessoa.
  
É verdade que os países mais ricos apresentam níveis mais elevados de qualidade de vida e salários mais elevados, ainda assim, a população não se mostra mais feliz, apesar de ter melhores espaços culturais e de lazer ao seu dispor. A ciência explica que, para obter mais dinheiro é preciso trabalhar mais e, com essa falta de tempo, não se consegue aceder aos benefícios que os países mais industrializados proporcionam.
 
No topo das preferências dos inquiridos está a saúde que é mais facilitada em países mais desenvolvidos, ainda assim, esta só é valorizada quando as expetativas correspondem ao desejado. Se a pessoa sentir que é apoiada em termos de saúde como estava à espera, acaba por ver valorizado o seu esforço em trabalhar muito numa sociedade mais evoluída em termos financeiros, se a mesma não atinge esses níveis, também não constitui um ponto a favor de quem precisa, pelo que o dinheiro perde uma parte significativa do seu valor.
 
Se existe uma distância muito grande entre o que se consegue e o que se espera, mais insatisfação haverá – resume a psiquiatra e investigadora na área de bem-estar Luciane Cruz.
 
O psicólogo americano Ed Diener, da Universidade do Illinois, é uma das autoridades mundiais nos estudos sobre o conceito de bem-estar subjetivo, que é a maneira como as próprias pessoas avaliam as suas vidas. Este especialista investiga o impacto da personalidade, da cultura e, claro, do dinheiro para que um indivíduo se sinta satisfeito e feliz.
 
No livro Culture and Well-Being: The Collected Works of Ed Diener (Cultura e Bem-Estar: Coleção de Trabalhos de Ed Diener, em tradução livre), de 2009, o psicólogo mostra que nações que acumulam mais riqueza conseguem atingir menor índice de mortalidade infantil, garantir fundos para a ciência, investir em parques e locais públicos para lazer. Mas nessas sociedades mais ricas, segundo Diener, serviços e bens extras impactam muito pouco no nível de bem-estar subjetivo dos indivíduos. Ao mesmo tempo, as pessoas desses países sentem que têm pouco tempo e trabalham mais. Ou seja, se a pessoa tem o básico, como saúde, educação, oportunidade para seguir suas aspirações e boas relações sociais, talvez a procura incessante de bens materiais tenha mais impacto negativo do que positivo para a felicidade.
 
"As pessoas procuram um nível de riqueza material que era impensável nas gerações anteriores e sacrificam o seu tempo e os seus relacionamentos para obter isso. No entanto (…), deveriam reavaliar as suas prioridades. Essa procura é pouco provável que valha a pena", escreve.
 
Pedro Henrique de Morais Campetti, professor de economia do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), analisou a literatura e juntou dados de outros países, como Brasil, Argentina, Chile e México, sobre os fatores que impactam na felicidade. O investigador afirma que países com mais rendimentos têm maiores "taxas de felicidade", mas o crescimento não é proporcional ao aumento dos rendimentos. Mesmo com mais riqueza, o nível de felicidade permanece estagnado. Para este especialista, a saúde é o que mais importa e se o dinheiro se traduz em melhor qualidade de vida nesse aspeto, já vale a pena.
 
E quando o assunto é saúde mental, os rendimentos do paciente não influenciam a felicidade, afirma Luciane sustentando que, o que faz a diferença entre ricos e pobres no caso da depressão é o acesso ao tratamento, não se têm mais ou menos riqueza.
 
A mesma psiquiatra compara as idas ao shopping para ter satisfação a tomar um analgésico para a dor. Pode ser que haja uma alegria momentânea, mas isso não quer dizer que haverá mudança a longo prazo.
 
A mesma especialista afirma que, o consumo pode tornar-se patológico, uma vez que, se torna difícil parar. Para alimentar esse consumo, a pessoa trabalha cada vez mais, sofre mais problemas mentais e anda mais stressada, pelo que há uma perda do nível de vida, há uma diminuição na qualidade resultante do estilo que se está a desenvolver.
 
Perante estes dados, pergunta-se qual é a razão pela qual o dinheiro não compra a felicidade e, a resposta dos especialistas é que, “não o sabemos gastar”.
 
O dinheiro, se investido da maneira correta, pode aumentar o bem-estar. Pessoas extrovertidas, por exemplo, sentem-se mais felizes a gastar dinheiro com idas a um bar do que pessoas introvertidas. A forma como canalizamos o dinheiro para aquilo que queremos e de que gostamos é, afinal o que está na base da felicidade. Podemos ter muito e não saber onde gastar em prol da nossa felicidade e ter pouco e aproveitar bem as ocasiões em que o investimos.
 
É uma questão de autoconhecimento, de saber o que lhe faz realmente feliz – afirma a psiquiatra Luciane Cruz.
 
Depois, nunca é demais anotar que, pessoas felizes conseguem mais dinheiro e aproveitar melhor os seus benefícios. É também por essa razão que a saúde mental está no topo das prioridades. Conhcermo-nos bem, saber aquilo de que gostamos, conseguirmos aproveitar bem os momentos que o dinheiro pode pagar é, segundo a maioria dos inquiridos, a prioridade quando se diz que o dinheiro pode comprar a felicidade.
 
É verdade que o dinheiro pode comprar a felicidade, mas é preciso saber aquilo que se quer comprar para sermos mais felizes, sustentam os cientistas.
 
O italiano Eugenio Proto, professor de economia da Universidade de Warwick, no Reino Unido, é o responsável por um estudo que mostra que a felicidade surge antes do dinheiro: pessoas felizes tendem a serem mais produtivas. O economista afirma que a personalidade tem relação direta com a capacidade de ser feliz a partir do dinheiro. Esta tese vai ao encontro do apontamento anterior que coloca a saúde mental acima de tudo. Pessoas de bem com a vida sabem ganhar mais dinheiro e aproveitá-lo melhor. Também lidam melhor com menos dinheiro e procuram ter mais sem sacrificarem o seu bem-estar e felicidade. Quer isto dizer que, a forma como estamos na vida determina, em grande parte a nossa felicidade, o dinheiro ajuda a amplificar esta realidade dando mais oportunidades e liberdade de escolha.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88019)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37632)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21320)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15202)

Não podemos viver sem amor

(12352)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11538)

A mentira: um mal necessário

(9682)

Idade não traduz maturidade

(9509)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9463)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8953)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8688)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8665)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7348)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6362)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6042)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5800)

É Demissexual?

(5615)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5531)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5431)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5417)

A “ciência” do aperto de mão

(5275)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5044)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4955)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4919)

O poder das ervas aromáticas

(4889)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4836)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4830)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4720)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4636)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4581)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4556)

A família é a base do sucesso escolar

(4508)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4400)

O que muda na mulher aos 40?

(4375)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4373)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4346)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4300)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4293)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4270)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4234)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4155)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4111)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4071)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3992)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3968)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3904)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3899)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3859)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3844)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3824)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Covid.19:Novos casos são de Lagos e Portimão (contagem por concelho)

Covid.19:Novos casos são de Lagos e Portimão (contagem por concelho)

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
PSD Loulé exige demissão da vereadora do urbanismo

PSD Loulé exige demissão da vereadora do urbanismo

ver mais
 
Alexandra Gonçalves é madrinha da candidatura da Festa da Pinha nas 7 Maravilhas da Cultura Popular

Alexandra Gonçalves é madrinha da candidatura da Festa da Pinha nas 7 Maravilhas da Cultura Popular

ver mais
 
Air France com nova rota entre Faro e Paris Charles de Gaulle

Air France com nova rota entre Faro e Paris Charles de Gaulle

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio