Sociedade

Alunos e professores viajam "à descoberta do oceano sem molhar os pés"

Foto|D.R
Foto|D.R  
Alunos e professores de escolas e instituições de formação profissional ajudam a desenhar novas janelas digitais abertas para o conhecimento científico.

Informação avançada pela CCDR - Algarve, diz que a ideia é viajar à descoberta do oceano sem molhar os pés. De que é feito, como o exploramos e ocupamos, como nos protege e como o protegemos ou deveríamos proteger para que possamos aproveitar amanhã tudo o que o azul infinito ainda nos pode oferecer… são alguns dos 36 temas que compilam todo o conhecimento de que dispomos sobre essa massa de água salgada que cobre 71% da superfície do nosso planeta. E, para navegar por tudo o que a ciência já alcançou, vai bastar o embarque num qualquer dispositivo eletrónico.
 
As novas ferramentas digitais estão a ser desenvolvidas pelo Centro de Ciência Viva (CCV) do Algarve, em parceria com a Universidade do Algarve e com 10 escolas e instituições de formação profissional da região. Ao longo dos dois anos do projeto, alunos e professores, ajudam no desenho e na experimentação dos novos recursos didáticos digitais, que hão-de ficar disponíveis em plataformas abertas e acessíveis a todo o mundo lusófono.
 
O objetivo da operação Pr’Oceano é incrementar o nível de literacia científica e de competências de colaboração digital no ensino e na formação profissional, o que lhe vale a comparticipação do Fundo Social Europeu a 80% aos cerca de 260 mil euros que irá custar. A mesma entidade, confirma ainda, que o projeto integra a carteira de 1,2 milhões de euros mobilizada pelo Algarve CRESC 2020 para o mesmo objetivo, onde se incluiu o apoio à criação de 17 Clubes de Ciência Viva nas escolas da região e o desenvolvimento de outras ferramentas digitais dedicadas à Dieta Mediterrânica, pelo CCV de Tavira, e ao Turismo, pelo CCV de Lagos.