Economia

Algarve «multifacetado» desperta atenção de jornalistas e operadores internacionais

 
Enoturismo, incursões pelo interior algarvio, experiências gastronómicas e contacto com a natureza são motivações que despertam, cada vez mais, o interesse de jornalistas e de operadores turísticos internacionais em visitar a região.

Para o Turismo do Algarve, "a descoberta de uma oferta alternativa e complementar às praias está a ganhar expressão junto dos principais mercados da região". A curiosidade pelo interior algarvio é crescente e produtos como o enoturismo, as experiências gastronómicas e o turismo de natureza têm vindo a despertar o interesse junto de operadores turísticos e de jornalistas internacionais, que se mostram entusiasmados perante as novas perspetivas que o destino lhes oferece.
 
Este é o resultado da estratégia que o Turismo do Algarve tem vindo a implementar com o objetivo de promover a região como um destino versátil, com uma oferta diversificada, de qualidade e apelativa ao longo de todo o ano. 
 
Em comunicado, a Associação de Turismo do Algarve, (ATA) destaca que só no início do mês de setembro, foram já realizadas duas visitas de imprensa internacionais, com a presença de oito jornalistas do Reino Unido e da Irlanda, especificamente organizadas com o intuito de revelar o caráter "multifacetado" da região. A estas, irão seguir-se outras iniciativas semelhantes, que se encontram já em fase de preparação, assegura a ATA.
 
Uma das press trips foi exclusivamente dedicada à promoção dos vinhos e da gastronomia locais. Os jornalistas tiveram a oportunidade de conhecer as principais vinhas da região e de participar na experiência das vindimas (que, no Algarve, acontecem mais cedo do que nas outras regiões do país devido ao clima mais quente). Puderam também perceber o contraste gastronómico entre o litoral e o interior algarvios, através da degustação de produtos típicos da região como as ostras, apanhadas pelos próprios na Ria Formosa, ou o medronho e a melosa, provados na serra de Monchique. Esta visita permitiu ainda aos jornalistas notar a diversidade de registos que a gastronomia do Algarve consegue assumir, desde propostas de fine dining a outras mais tradicionais e autênticas, descreve a ATA.
 
A segunda press trip teve como principal motivação dar ênfase ao turismo de natureza e à beleza dos cenários naturais que o Algarve proporciona. Durante esta visita, os jornalistas puderam percorrer a Via Algarviana e a Rota Vicentina, combinando passeios à beira-mar com percursos no interior e descobrindo, desta forma, a diversidade das paisagens que é possível encontrar na região. Entre outros pontos, o programa foi também complementado com um passeio para observação de golfinhos, em Sagres.
 
Também como reforço desta estratégia, o Turismo do Algarve adianta que esteve presente na 5ª UNWTO Global Conference on Wine Tourism, iniciativa recentemente promovida no nosso país pela Organização Mundial do Turismo, dedicada ao enoturismo como fator essencial para o desenvolvimento de zonas rurais. Durante este evento, o Turismo do Algarve teve não só a a oportunidade de promover as principais referências da região no que diz respeito a esse tipo de oferta, mas também de assinar um memorando para a adesão ao Conselho Estratégico Nacional do Enoturismo. Este novo órgão, coordenado pelo Turismo de Portugal, terá como objetivo promover a reflexão, o debate e a concertação nacional em torno desta atividade.
 
"É com muita satisfação que registamos este entusiasmo crescente em torno da descoberta de novas valências do Algarve, para além do sol e mar. Este interesse reforça a procura e dá um sinal positivo aos empresários da região para a necessidade de investir, cada vez mais, em experiências autênticas e diferenciadoras e de criar ofertas estruturadas para além dos tradicionais circuitos turísticos", refere João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve. "Produtos como o enoturismo, as experiências gastronómicas ou as atividades de contacto com a natureza não só permitem reforçar o caráter único e autêntico da região, como também contribuem para um desenvolvimento mais sustentável do turismo no Algarve, na medida em que nos permitem trabalhar uma maior coesão territorial, uma procura regular ao longo de todo o ano e uma maior diversificação de mercados", explica.