Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Aprenda a proteger-se dos “vampiros emocionais”!
Imprimir Partilhar por email
O termo pode parecer forte, mas se entendermos em profundidade o que representa a ação de um “vampiro emocional”, na nossa vida, certamente que tentaremos imediatamente proteger-nos e refletir acerca da melhor forma de lidarmos com esse tipo de pessoas.
 
Existem indivíduos com uma energia tão baixa que, “só dá vontade de fugir a sete pés”, mas o problema é que, estas pessoas existem em todo o lado e, em muitos casos, são membros da família e muito próximos.
 
Naturalmente que, a primeira sugestão seria a fuga, mas atendendo a que não podemos passar o nosso tempo a evitar esse confronto, até porque existem pessoas tóxicas em todo o lado, a alternativa passa por aprender a lidar com essa realidade de forma preventiva.
 
Os “vampiros emocionais” são verdadeiras sugas de energia, acabando por nada fazerem de útil com aquilo que “roubam” dos outros. São indivíduos negativos por natureza; reclamam por tudo e por nada e, pouco fazem para melhorar essa condição.
 
Por norma, são a nossa mãe, o nosso pai, um primo ou um colega de trabalho, razão pela qual não podemos “descartar” e seguir em frente.
 
Assim, para evitar a sensação desagradável, acompanhada de dores de cabeça, mau-estar e, em muitos casos, dores por todo o corpo, o ideal é encarar a situação frontalmente e protegermo-nos o mais possível dessa pessoa que, mal chega começa logo a reclamar, que só encara a vida numa perspetiva destrutiva e que, quase que não encontra motivos para viver, mas que “descarrega” essas energias negativas em cima de quem as receber.
 
A melhor alternativa a adotar já, é mesmo cortar o tipo de relação emocional que estabelecemos com elas!
 
“Se alguém procura um lugar para jogar o próprio lixo, que não seja na sua mente.” Dalai Lama
 
Este é o pensamento de quem sabe e que pode ser o grande ponto de partida para a mudança de quem rejeita ser o “caixote de lixo” de gente mal amada, amargurada e pouco resolvida com o seu percurso. Não têm uma idade específica, muito menos atendem ao estatuto. São pessoas tóxicas pela forma como encaram a vida e ponto final!
 
Para além da energia negativa que transmitem, os “vampiros emocionais” são hábeis na tentativa de levar os outros a serem como eles. É quase como que uma missão, cujo resultado é uma família ou equipa de trabalho contaminada negativamente!
 
É bom compreender o que se passa no cérebro para avaliar a importância de um afastamento emocional de pessoas tóxicas.
 
Todos precisamos de pessoas e de nos relacionarmos com os outros, mas para nos sentirmos bem, para nos relacionarmos e criar vínculos significativos, é preciso que ocorra empatia e fluidez de emoções de parte a parte, sob pena de não conseguirmos encontrar essa harmonia.
 
Quando tal acontece, o nosso cérebro liberta ocitocina. Pelo contrário, quando somos confrontados com a negatividade persistente, quando o que recebemos é uma certa hostilidade ou desconfiança, o cérebro liberta cortisol, o hormónio do stress.
 
Neste sentido, na nossa mente surgirá uma sensação bastante específica: a sensação de ameaça.
 
Ao mesmo tempo, é preciso ter em conta, o impacto negativo na nossa rede de células interconectadas que constituem o sistema de neurónios espelho, destinados apenas a registar e processar cada expressão facial das pessoas ou a sua linguagem corporal. Isso, muitas vezes, faz com que nos contagiemos com os estados emocionais das pessoas à nossa volta.
 
O efeito químico do stress no nosso cérebro provocado por uma sensação de ameaça permanente, combinado com a contaminação das emoções negativas que recebemos dos outros, provoca um único e persistente desejo de fuga.
 
Como já referimos, perante algo tão negativo, escapar parece ser a única solução num determinado momento, ainda assim, não vale a pena passar a vida em torno de “escapes” quando nos podemos defender inteligentemente.
 
Tendo por base a obra: “Emotional Contagion, Studies in Emotion and Social Interaction”, o melhor a fazer nesses casos é aprender a ser “impermeável” a esse tipo de interação com o intuito de proteger o seu bem-estar físico e emocional.
 
Em suma, a melhor forma de proteger as suas energias dos “vampiros emocionais” é usar os mecanismos de defesa do organismo associados ao conhecimento que vai desenvolvendo acerca do assunto.
 
O primeiro passo é aprender a “desativar” o impacto que essas pessoas podem provocar em nós. Não hesite, por exemplo, em repetir para si mesmo, como se fosse um mantra, algo como: “esta pessoa só vai consumir a energia que eu permitir que ela consuma”.
 
Depois, é preciso racionalizar e perceber que, efetivamente existem pessoas que têm o insistente hábito de falar apenas sobre coisas negativas, de como a vida as trata mal, por exemplo. Uma maneira de impedi-las é racionalizando com assertividade: “em vez de reclamar, reaja contra tudo isso que não gosta”, “eu gostaria de que pelo menos uma vez, você fosse capaz de falar coisas positivas comigo”.
 
Um outro ponto não menos importante é aprender a dizer “não”. Essa estratégia é tão simples quanto eficiente. A partir de agora, mostre ao seu vampiro emocional que não tem tempo para ouvir as suas constantes críticas, que  se nega a ouvir essas fofocas e que, principalmente, se nega a ser maltratado.
 
Em pouco tempo, para além do bem-estar que vai sentir, quem se protege dos vampiros emocionais vão conquistar um importante estatuto de respeito, uma vez que, ao fazer uma barreira ao que estava instituído, rapidamente obriga a que todos se reorganizem. Na prática, ninguém consegue mudar uma pessoa negativa, mas é possível retirar-lhe a importância e o peso que assume na nossa vida.
 
É imperioso tomar consciência disso e tomar rédias no que se refere ao controla da nossa própria vida. Quem não gostar, paciência! Acima de tudo, temos de pensar no quanto vamos beneficiar sem o impacto dessas sugas na nossa vida e o maravilhoso que é ser feliz com quem nos alimenta essa positividade.
 
Anote como última nota que, os vampiros emocionais se servem (também) das redes sociais para se lamentarem e reclamarem e que o fazem de forma constante e, talvez até mais insistente do que no contacto presencial. O telefone também é um dos recursos, já que têm a facilidade de ser mais difícil calar o seu discurso negativo, por isso esteja muito atento á forma como se pode deixar dominar e envolver com estas sugas de energia!
 
Fátima Fernandes
 
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88032)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37641)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21359)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15230)

Não podemos viver sem amor

(12363)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11550)

A mentira: um mal necessário

(9689)

Idade não traduz maturidade

(9524)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9473)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8972)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8693)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8686)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7362)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6398)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6048)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5807)

É Demissexual?

(5624)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5536)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5458)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5421)

A “ciência” do aperto de mão

(5286)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5050)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4966)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4923)

O poder das ervas aromáticas

(4899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4856)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4835)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4724)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4647)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4591)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4561)

A família é a base do sucesso escolar

(4513)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4404)

O que muda na mulher aos 40?

(4388)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4380)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4351)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4308)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4300)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4275)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4238)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4160)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4117)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4075)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3997)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3973)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3925)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3908)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3865)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3853)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3830)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

ver mais
 
Câmara de Silves e Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines unidos no projeto "Somos Mesmo Inclusivos!"

Câmara de Silves e Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines unidos no projeto "Somos Mesmo Inclusivos!"

ver mais
 
Portimão junta várias entidades e cria núcleo de planeamento e intervenção para sem-abrigo

Portimão junta várias entidades e cria núcleo de planeamento e intervenção para sem-abrigo

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio