Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
As crenças pessoais são o maior impedimento da felicidade
Imprimir Partilhar por email
As crenças que vamos construindo ao longo do nosso percurso são aquilo que nos impede de sermos felizes e de alcançarmos níveis mais evoluídos de sucesso.
 
Muitas pessoas não se apercebem do impacto negativo daquilo que alimentam e que orienta as suas vidas, a que vulgarmente se dá o nome de “destino”. É o meu destino e pouco há a fazer, ouve-se com bastante regularidade, mas na prática, podemos mudar essas crenças e transformá-las em algo positivo para as nossas vidas, já o disse Joe Vitale, um ícone da metafísica e autor do livro Fator Atracão.
 
A melhor forma de percebermos até que ponto as crenças influenciam negativamente a nossa vida é colocarmos algumas questões a nós próprios, nomeadamente tentar perceber que respostas damos a nós mesmos para não fazermos determinada coisa. Dessa forma compreendemos que, desde a nossa infância, estamos programados para agir de uma determinada forma e,, para alterarmos esse padrão, precisamos de saber que argumentos reunimos para agir dessa forma; que orientações nos foram dadas para impedir que fizéssemos isto ou aquilo. Percebendo e localizando o problema, libertamo-nos dele mais facilmente e podemos encontrar um novo sentido para a nossa vida, sustenta o mesmo autor e jornalista na sua obra.
 
O essencial é darmos uma forma concreta ao nosso pensamento para que o possamos compreender. Por exemplo, quem cresceu a ter de pedir autorização à mãe para fazer tudo, naturalmente que se vai sentir incomodado quando não o fizer, mas na realidade, à medida em que nos vamos autonomizando, não temos de pedir autorização aos nossos pais para decidir a nossa vida. Existe também a crença de que, os familiares nos colocam um limite a partir do estatuto social que nos deram em pequenos, o que faz com que muitas pessoas não ultrapassem essa linha. Temos de compreender que, temos uma base inicial de vida que herdamos, mas que a podemos alterar quando percebemos que merecemos mais, que temos mais capacidades que os nossos pais, que estamos num tempo diferente e que temos direito de sonhar mais alto, é essa a convicção deste autor que a desvenda ao longo da sua obra com os seus próprios argumentos.
 
O problema das crenças é que mal iniciamos algo, já estamos a pensar que não vamos conseguir concretizar o que pretendemos por isto ou por aquilo. Vamos buscar sempre um exemplo de fracasso, um exemplo de outra pessoa, uma base errada que justifica a nossa apatia e incapacidade de concretizar algo novo. Sabemos que outras pessoas conseguem ter sucesso, mas agarramo-nos a essas crenças como limites para o que deveríamos fazer e entregamos o sucesso “aos iluminados”, enquanto que nós ficamos às escuras.
 
Joe Vitale mostra como se consegue ultrapassar esse limite. É preciso compreender o que está na base dessa crença. Ao identificarmos a resposta, estamos a tomar consciência do que se passa. Ao estarmos conscientes disso, podemos alterar. Terá de ser um passo de cada vez, é verdade, mas aos poucos, vamos modificando essas crenças que se alojaram no nosso domínio subconsciente e que nos impedem de pensar livremente. Ao tomarmos consciência disso, podemos escolher o que queremos fazer porque deixamos de funcionar como marionetas que acham que a vida lhes corre mal por culpa dos outros, quando o problema está dentro de nós, naquilo em que acreditamos e que nos impede de tentar algo novo e melhor.
 
Se pensarmos que somos responsáveis pela nossa vida, certamente que estaremos mais atentos ao que fazemos e ao que queremos, pois temos uma resposta a dar a nós mesmos. Se eu tiver de me sustentar, então eu vou procurar um emprego que me permita fazer face às minhas despesas, que me permita ter uma vida confortável, mesmo que tenha de acumular duas tarefas ou de mudar de profissão. Tenho de conseguir orientar a minha vida para o que pretendo. Nessa altura, tenho de alterar a crença do passado que me impedia de concretizar esse desejo. É esta a base para tudo. Conseguimos o que queremos quando sabemos o que queremos e identificamos o que nos impede de lá chegar. Dessa forma, podemos sair da nossa zona de conforto e mudar; alterar o que está mal e dar uma oportunidade a nós próprios de experimentar algo novo, algo mais interessante e livre. Vale a pena passar pela experiência de cortar com as crenças limitativas, assegura Joe Vitale.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88032)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37641)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21359)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15230)

Não podemos viver sem amor

(12363)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11550)

A mentira: um mal necessário

(9689)

Idade não traduz maturidade

(9524)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9473)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8972)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8693)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8686)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7362)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6398)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6048)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5807)

É Demissexual?

(5624)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5536)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5458)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5421)

A “ciência” do aperto de mão

(5286)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5050)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4966)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4923)

O poder das ervas aromáticas

(4899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4856)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4835)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4724)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4647)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4591)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4561)

A família é a base do sucesso escolar

(4513)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4404)

O que muda na mulher aos 40?

(4388)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4380)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4351)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4308)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4300)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4275)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4238)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4160)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4117)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4075)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3997)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3973)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3925)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3910)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3865)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3853)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3830)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

ver mais
 
Câmara de Silves e Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines unidos no projeto "Somos Mesmo Inclusivos!"

Câmara de Silves e Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines unidos no projeto "Somos Mesmo Inclusivos!"

ver mais
 
Portimão junta várias entidades e cria núcleo de planeamento e intervenção para sem-abrigo

Portimão junta várias entidades e cria núcleo de planeamento e intervenção para sem-abrigo

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio