Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
As redes sociais e a ansiedade
Imprimir Partilhar por email
Todos sabem que os amigos ajudam a combater diversos problemas de saúde, a ponto de se dizer que, os amigos ajudam a prevenir a depressão, que nos despertam para coisas novas, que a conversa ajuda a aliviar um conflito, então por que razão as redes sociais geram ansiedade?
 
Tomando por parte o que tem sido publicado acerca do assunto nos mais diversos meios de comunicação, parece unânime afirmar que, a falta de proximidade entre as pessoas, a necessidade de receber a aprovação de muita gente face às publicações efetuadas, bem como a descoberta do “outro lado” de um “amigo”, geram instabilidade e ansiedade.
 
Na prática, os utilizadores dizem que “se fartam de ver sempre as mesmas pessoas e o mesmo tipo de comentários”, pelo que “optam por procurar notícias e temas que motivem a reflexão através das redes, mas “ainda assim, em pouco tempo se esgota a novidade e, sendo as mesmas pessoas a publicar e a comentar, temos a sensação de entrarmos num círculo vicioso que nos causa ansiedade, pois queríamos uma surpresa; uma resposta diferente que nos acrescentasse e não se encontra”. Sabendo que nas relações de proximidade existe um conjunto de sensações que ajudam a manter a convivência, será isso o que falta nas redes sociais?
 
Será a forma linear com que se escreve e descrevem os acontecimentos que provocam essa ansiedade?
 
Cada um saberá a sua resposta, uma vez que este apontamento visa simplesmente refletir acerca do assunto, mas a novidade perde-se a partir do momento em que se apresentam quase que diariamente as mesmas publicações. Ou se muda a foto de perfil, ou se altera a capa, ou existe um tipo de publicação associado a uma determinada pessoa e, mal se recebe a notificação, já se sabe o que vai acontecer, são respostas dadas pelos utilizadores.
 
Os mais jovens dizem que as redes “tradicionais” só são frequentadas por “cotas” por isso refugiam-se nas alternativas para a sua idade, mas usam-nas mais para comunicarem entre si. Estabelecem uma rede de contactos e “vão falando” nos tempos livres. Os mais velhos mostram curiosidade em saber mais acerca da privacidade sem que se saiba que estão a observar outrem, mas cada vez mais as políticas de privacidade estão a comprometer esse gesto, já que, os utilizadores estão mais conscientes daquilo que devem publicar, pelo que essa reserva também diminui o interesse e a regularidade com que se visita a rede e os “amigos”.
 
Muitos estudos afirmam que a Internet torna as pessoas mais inteligentes devido à abertura que oferece, ao acesso à diversidade e, claro, a facilidade com que se comunica e aproximam as pessoas, mas não estará esse interesse comprometido com estas limitações?
 
Se por um lado nos dá segurança saber que os amigos “estão ali” na rede e que os podemos encontrar ou simplesmente ver as fotos para matar saudades, a ansiedade resulta da “espera de uma resposta, de uma apreciação ao que se publica e, muitas vezes, é um reflexo da desilusão”, já que, “havia como adquirido que @ amig@ X ou Y iria apreciar uma foto ou um texto, mas não aconteceu como era esperado”.
 
Ao mesmo tempo, o tipo de reação dos amigos também provoca ansiedade na medida em que, se esperava “um adoro e só foi colocado ‘um gosto’, pelo que, a tristeza obriga a que se façam mais e mais tentativas para receber aquele sentimento”.
 
De facto, torna-se complexa a tarefa de gerir tantas emoções quando “o tempo é escasso”, talvez, comentário ou publicação”, o que “nos rouba tempo para fazermos outras coisas e nos coloca em stress”.
 
Para o criador do Facebook, “a rede serve para aproximar quem está distante, razão pela qual discordo de quem diz que, esta rede social substitui o contacto presencial”, mas na prática, o que vai acontecendo é mesmo essa substituição, a ponto de “estarmos sentados à mesma mesa e a mandar mensagens uns para os outros, ou na mesma sala ou a poucos metros de distância”.
 
No fundo, a maioria dos utilizadores sabe que deveria estar mais tempo em família, com amigos ou a passear, mas… “acabamos por ter de estar sempre a responder ao sinal, a ponto de não desligarmos do aparelho durante a noite e de vermos o sono condicionado também”.
 
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87132)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36906)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(18507)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13604)

Não podemos viver sem amor

(11873)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10731)

A mentira: um mal necessário

(9009)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8877)

Idade não traduz maturidade

(8589)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8171)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8073)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7636)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5592)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5520)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(5516)

É Demissexual?

(5242)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5196)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4988)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4726)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4615)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4548)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4518)

A “ciência” do aperto de mão

(4499)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4381)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4367)

O poder das ervas aromáticas

(4315)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4249)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4155)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4089)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4082)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4069)

A família é a base do sucesso escolar

(3963)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3954)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3936)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3922)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3917)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3913)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3909)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3829)

O que muda na mulher aos 40?

(3822)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3744)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3715)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3634)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3526)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3518)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3506)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3501)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3444)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3432)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3426)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Mulher morre em despiste e outras duas ficam feridas em Loulé

Mulher morre em despiste e outras duas ficam feridas em Loulé

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
II Liga:Farense vence Vilafranquense e lidera à condição

II Liga:Farense vence Vilafranquense e lidera à condição

ver mais
 
“Pelo direito a uma sexualidade digna e adequada” foi tema de simpósio em Albufeira

“Pelo direito a uma sexualidade digna e adequada” foi tema de simpósio em Albufeira

ver mais
 
46.ª Volta ao Algarve Cofidis:Cees Bol vence categoricamente em Tavira

46.ª Volta ao Algarve Cofidis:Cees Bol vence categoricamente em Tavira

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio