Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Cada pessoa decide quando quer sair do sofrimento
Imprimir Partilhar por email
Desde pequenos, aprendemos a transformar a dor em algo sem importância e somos imediatamente incentivados a esquecer e a colocar para um segundo plano aquilo que sentimos.
 
Tal postura perante a realidade, faz com que nos habituemos a menosprezar aquilo que sentimos e que andemos sempre à procura de alternativas para fugir daquilo que nos inquieta.
 
Está provado que esta atitude não é a mais correta, já que essa dor se vai acumulando e que acaba por se soltar num qualquer momento de vida, muitas vezes sem que o esperemos e consigamos antecipar ou evitar.
 
Os especialistas recordam a importância de dar um tempo para fazer o luto, para que depois se possa entrar na fase de aceitação do que nos aconteceu.Muitas vezes, só é preciso ter alguém por perto que nos compreenda, que nos deixe chorar e passar por essas diferentes etapas até que se consiga superar uma situação dolorosa. O segredo é que precisamos desse tempo pessoal, pois a dor é intransmissível e, não é por alguém a querer desvalorizar que se vai sentir menos sofrimento, muito pelo contrário, quando fazemos um desabafo, procuramos compreensão, respeito e conforto, não que nos digam frases típicas de “deixa estar que isso vai passar”.
 
É importante fazer perguntas e assumir que nem todas têm uma resposta, por muito que quiséssemos compreender a razão para que algo nos tivesse acontecido de uma forma tão negativa. Faz parte do ser humano fazer a si mesmo essas questões, tal como é essencial aprender a respeitar o seu tempo emocional para gerir as perdas e os fracassos.
 
Há um tempo para estarmos tristes e, é bom que saibamos isso para minimizar o sentimento de culpa e a sensação de que somos os únicos a passar por algo mais doloroso. Depois, há um tempo para superar, tempo esse que é definido pelo próprio que sente.
 
A dor é uma experiência transversal a todos os indivíduos que, em algum momento das suas vidas a experimentam, mesmo sem a desejarem.
 
O sofrimento irá sempre acompanhar-nos enquanto habitarmos o solo da existência, e o problema não está nele, mas sim na forma como o compreendemos e reagimos.
 
Naturalmente que temos de ultrapassar e, muitas vezes podemos ter de recorrer a apoio psicológico para que o consigamos fazer. Em teoria, não devemos estar em sofrimento mais de 9 dias seguidos, pelo que, quando se ultrapassa essa barreira, é sinal de que estamos a precisar de ajuda para resolver algum problema que nos é doloroso.
 
Ao mesmo tempo, todos os especialistas sabem que, é o paciente quem decide como é que vai ultrapassar a dor e de que forma se irá sentir melhor nesse processo de superação. É por isso que temos esse compromisso para connosco próprios: decidir como e quando vamos sair dessa sensação negativa. É aí que os amigos e familiares podem assumir um papel importante no que se refere à compreensão. É mais fácil entender o motivo e mostrar que se é solidário com aquele momento do que fazer de conta que nada se passou e que o outro vai ter de superar esse drama facilmente, pois isso em nada ajuda e, em muitos casos, ainda é pior e mais desgastante para quem passa pelo sofrimento.
 
Há quem opte por querer acelerar aquilo que tem de passar por um ritmo natural, razão pela qual o otimismo fornecido por algumas pessoas, é encarado com rejeição e afastamento, já que não é desse tipo de apoio que se necessita num momento difícil. Quem sofre entende como gozo essa forma quase leviana de tratar aquilo que lhe causa sofrimento e que é muito sério e importante para si que se supere natural e calmamente.
 
Uma palavra de conforto e procurar entender o que está a afligir aquela pessoa é o mais adequado neste tipo de situações. Depois, é dar-lhe o tempo de que necessita para fazer o seu luto.
 
À medida em que melhora, o sujeito começa a encontrar as oportunidades e a delinear planos e formas de aceitar o que lhe aconteceu. No caso de uma perda de emprego, por exemplo, é comum que a pessoa invista mais em si e que encare essa perda como uma oportunidade para iniciar algo de novo e para se superar.
 
A perda de algo implica a aceitação e a natural transformação dessa dor. No caso da morte de alguém, o luto tem de passar por algumas fases até que se consolide, razão pela qual é tão importante a pessoa saber com quem pode contar para falar desse sentimento. Normalmente pessoas que passaram por situações comuns, conseguem compreender melhor o que se passa.
 
Seja qual for a situação dolorosa pela qual esteja a passar, é importante compreender-se mais e melhor a si mesmo e ter em mente que, ao seu ritmo e de acordo com a sua forma de encarar a realidade, irá ultrapassar essa situação, mas não faça de conta que superou só para agradar aos outros. Respeite o seu ritmo interior e os seus sentimentos e habitue as crianças a fazerem o mesmo processo de autoconhecimento e de respeito pessoal pelo que sentem. Essa é uma forma positiva de encarar a vida e de aprender a lidar com as dificuldades.
 
De nada nos serve fazer de conta que saímos da dor quando a estamos a sentir. Mais cedo ou mais tarde, essa curva que fazemos, vai obrigar-nos a repetir esse momento e, ás vezes, ainda com mais sofrimento. Se souber que sente quando é que está preparado para superar uma situação, terá a segurança necessária para enfrentar um novo desafio, acredite.
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

O que fazer quando as pessoas não se entendem?



-

Somos aquilo que queremos ser



-

Viver “um dia de cada vez” não é solução para os nossos problemas



-

Nem tudo “se paga” neste mundo



-

Tratamos bem quem nos trata bem!



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Eleições:Francisco Amaral quer «paz e tranquilidade» para fazer obra em Castro Marim

Eleições:Francisco Amaral quer «paz e tranquilidade» para fazer obra em Castro Marim

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Eleições:Francisco Amaral quer «paz e tranquilidade» para fazer obra em Castro Marim

Eleições:Francisco Amaral quer «paz e tranquilidade» para fazer obra em Castro Marim

ver mais
 
Alcoutim:Casal que agrediu idoso de 98 anos em assalto foi identificado

Alcoutim:Casal que agrediu idoso de 98 anos em assalto foi identificado

ver mais
 
Piloto algarvio lidera Rali de Portugal

Piloto algarvio lidera Rali de Portugal

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio