Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Cada pessoa decide quando quer sair do sofrimento
Imprimir Partilhar por email
Desde pequenos, aprendemos a transformar a dor em algo sem importância e somos imediatamente incentivados a esquecer e a colocar para um segundo plano aquilo que sentimos.
 
Tal postura perante a realidade, faz com que nos habituemos a menosprezar aquilo que sentimos e que andemos sempre à procura de alternativas para fugir daquilo que nos inquieta.
 
Está provado que esta atitude não é a mais correta, já que essa dor se vai acumulando e que acaba por se soltar num qualquer momento de vida, muitas vezes sem que o esperemos e consigamos antecipar ou evitar.
 
Os especialistas recordam a importância de dar um tempo para fazer o luto, para que depois se possa entrar na fase de aceitação do que nos aconteceu.Muitas vezes, só é preciso ter alguém por perto que nos compreenda, que nos deixe chorar e passar por essas diferentes etapas até que se consiga superar uma situação dolorosa. O segredo é que precisamos desse tempo pessoal, pois a dor é intransmissível e, não é por alguém a querer desvalorizar que se vai sentir menos sofrimento, muito pelo contrário, quando fazemos um desabafo, procuramos compreensão, respeito e conforto, não que nos digam frases típicas de “deixa estar que isso vai passar”.
 
É importante fazer perguntas e assumir que nem todas têm uma resposta, por muito que quiséssemos compreender a razão para que algo nos tivesse acontecido de uma forma tão negativa. Faz parte do ser humano fazer a si mesmo essas questões, tal como é essencial aprender a respeitar o seu tempo emocional para gerir as perdas e os fracassos.
 
Há um tempo para estarmos tristes e, é bom que saibamos isso para minimizar o sentimento de culpa e a sensação de que somos os únicos a passar por algo mais doloroso. Depois, há um tempo para superar, tempo esse que é definido pelo próprio que sente.
 
A dor é uma experiência transversal a todos os indivíduos que, em algum momento das suas vidas a experimentam, mesmo sem a desejarem.
 
O sofrimento irá sempre acompanhar-nos enquanto habitarmos o solo da existência, e o problema não está nele, mas sim na forma como o compreendemos e reagimos.
 
Naturalmente que temos de ultrapassar e, muitas vezes podemos ter de recorrer a apoio psicológico para que o consigamos fazer. Em teoria, não devemos estar em sofrimento mais de 9 dias seguidos, pelo que, quando se ultrapassa essa barreira, é sinal de que estamos a precisar de ajuda para resolver algum problema que nos é doloroso.
 
Ao mesmo tempo, todos os especialistas sabem que, é o paciente quem decide como é que vai ultrapassar a dor e de que forma se irá sentir melhor nesse processo de superação. É por isso que temos esse compromisso para connosco próprios: decidir como e quando vamos sair dessa sensação negativa. É aí que os amigos e familiares podem assumir um papel importante no que se refere à compreensão. É mais fácil entender o motivo e mostrar que se é solidário com aquele momento do que fazer de conta que nada se passou e que o outro vai ter de superar esse drama facilmente, pois isso em nada ajuda e, em muitos casos, ainda é pior e mais desgastante para quem passa pelo sofrimento.
 
Há quem opte por querer acelerar aquilo que tem de passar por um ritmo natural, razão pela qual o otimismo fornecido por algumas pessoas, é encarado com rejeição e afastamento, já que não é desse tipo de apoio que se necessita num momento difícil. Quem sofre entende como gozo essa forma quase leviana de tratar aquilo que lhe causa sofrimento e que é muito sério e importante para si que se supere natural e calmamente.
 
Uma palavra de conforto e procurar entender o que está a afligir aquela pessoa é o mais adequado neste tipo de situações. Depois, é dar-lhe o tempo de que necessita para fazer o seu luto.
 
À medida em que melhora, o sujeito começa a encontrar as oportunidades e a delinear planos e formas de aceitar o que lhe aconteceu. No caso de uma perda de emprego, por exemplo, é comum que a pessoa invista mais em si e que encare essa perda como uma oportunidade para iniciar algo de novo e para se superar.
 
A perda de algo implica a aceitação e a natural transformação dessa dor. No caso da morte de alguém, o luto tem de passar por algumas fases até que se consolide, razão pela qual é tão importante a pessoa saber com quem pode contar para falar desse sentimento. Normalmente pessoas que passaram por situações comuns, conseguem compreender melhor o que se passa.
 
Seja qual for a situação dolorosa pela qual esteja a passar, é importante compreender-se mais e melhor a si mesmo e ter em mente que, ao seu ritmo e de acordo com a sua forma de encarar a realidade, irá ultrapassar essa situação, mas não faça de conta que superou só para agradar aos outros. Respeite o seu ritmo interior e os seus sentimentos e habitue as crianças a fazerem o mesmo processo de autoconhecimento e de respeito pessoal pelo que sentem. Essa é uma forma positiva de encarar a vida e de aprender a lidar com as dificuldades.
 
De nada nos serve fazer de conta que saímos da dor quando a estamos a sentir. Mais cedo ou mais tarde, essa curva que fazemos, vai obrigar-nos a repetir esse momento e, ás vezes, ainda com mais sofrimento. Se souber que sente quando é que está preparado para superar uma situação, terá a segurança necessária para enfrentar um novo desafio, acredite.
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86609)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36447)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(16579)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(12984)

Não podemos viver sem amor

(11549)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(9994)

A mentira: um mal necessário

(8673)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8470)

Idade não traduz maturidade

(8084)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7768)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7735)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(6825)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5235)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5163)

É Demissexual?

(4946)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4920)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4720)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4330)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4245)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4226)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4148)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4067)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4066)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4042)

O poder das ervas aromáticas

(3984)

A “ciência” do aperto de mão

(3918)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3829)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3803)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3740)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3715)

A família é a base do sucesso escolar

(3684)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3681)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3672)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3658)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3641)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3633)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3627)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3597)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3537)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3489)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3445)

O que muda na mulher aos 40?

(3441)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3355)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3275)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3243)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3208)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3177)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3159)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3138)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3136)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Estudantes do Curso de Educação Social da Ualg participam em missão de voluntariado e precisam da sua ajuda!

Estudantes do Curso de Educação Social da Ualg participam em missão de voluntariado e precisam da sua ajuda!

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Em dezembro o 365 Algarve celebra 2020 com Novo Circo

Em dezembro o 365 Algarve celebra 2020 com Novo Circo

ver mais
 
Castro Marim acolhe reunião do Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais

Castro Marim acolhe reunião do Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais

ver mais
 
Câmara de Olhão destaca jovens do concelho que conquistaram a "excelência" em diversas áreas

Câmara de Olhão destaca jovens do concelho que conquistaram a "excelência" em diversas áreas

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio