Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Cafeína eficaz no combate à depressão
Imprimir Partilhar por email
Há muito que se fala nos benefícios da cafeína e um estudo recente vem acrescentá-los.
 
Um trabalho de investigação levado a cabo por uma equipa de cientistas internacionais concluiu que a cafeína é eficaz no combate à depressão.
 
A equipa de 14 investigadores que inclui nomes portugueses, alemães, norte-americanos e brasileiros, concluiu que o consumo de cafeína é eficaz no combate à depressão. 
 
O anúncio chegou da Universidade de Coimbra (UC) e demonstra que, "O consumo de cafeína é eficaz tanto na prevenção como no tratamento da depressão".
 
O estudo internacional publicado na revista da Academia Americana de Ciências 'Proceedings of the National Academy of Sciences' (PNAS), adianta que, a depressão é a doença com "maiores custos socioeconómicos do mundo ocidental".
 
Os animais que consumiram cafeína, em doses equivalentes a quatro/cinco chávenas de café por dia em humanos, "apesar de todas as situações negativas a que foram sujeitos", apresentaram "menos sintomas" de depressão do que aqueles aos quais não foi ministrada cafeína, que registaram "as cinco alterações comportamentais típicas da depressão", sublinha Rodrigo Cunha.
 
A equipa de especialistas dos quatro países, que foi coordenada por Rodrigo Cunha, investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e docente da Faculdade de Medicina da UC, chegou a esta conclusão depois de, durante seis anos, ter efetuado "estudos e experiências em modelos animais (ratinhos) para avaliar em que medida a cafeína interfere na depressão".
 
Os animais estiveram expostos a situações de Stress Crónico Imprevisível, isto é, a "sucessivas situações negativas e, por vezes, extremas (privação de água, exposição a baixas temperaturas, etc.), durante três semanas". Ao lhes ser administrada cafeína diariamente resistiram melhor.
 
Por oposição, os animais que não consumiram cafeína revelaram "imobilidade (os ratinhos deixaram de reagir), ansiedade, anedonia (perda de prazer), menos interações sociais e deterioração da memória", acrescenta o coordenador do estudo.
 
Na segunda fase da pesquisa, "os investigadores identificaram o alvo molecular responsável pelas modificações observadas", tendo concluído que "os recetores A2A para a adenosina (que detetam a presença de adenosina, uma molécula que sinaliza perigo no cérebro) são os protagonistas de todo o processo".
 
Considerando um estudo anterior realizado nos EUA, no qual Rodrigo Cunha participou como consultor científico, em que "doentes de Parkinson tratados com istradefilina - um novo fármaco da família da cafeína antagonista dos recetores A2A (fármaco que inibe a atuação dos A2A) - mostraram melhorias significativas, a equipa decidiu aplicar este medicamento nos ratinhos deprimidos", adianta a UC.
 
Em apenas três semanas de tratamento, "o fármaco foi capaz de inverter os efeitos provocados pela exposição inicial a Stress Crónico Imprevisível e os animais recuperam para níveis semelhantes aos do grupo de controlo (constituído por ratinhos saudáveis)", sublinha Rodrigo Cunha.
 
O estudo foi financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), Departamento de Defesa dos EUA e The Brain & Behavior Research Foundation (NARSAD).
 
 
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Homem atacado por cão na Praia de Faro

Homem atacado por cão na Praia de Faro

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
II Liga:Farense perde com o Académico de Viseu

II Liga:Farense perde com o Académico de Viseu

ver mais
 
Concerto inédito em Querença

Concerto inédito em Querença

ver mais
 
Bloco de Esquerda pede Declaração de Estado de Emergência Climática no Município de Faro

Bloco de Esquerda pede Declaração de Estado de Emergência Climática no Município de Faro

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio