Economia

Câmara de Lagoa incorpora saldo de gerência no valor de 12 milhões

 
Pela primeira vez na história da gestão da Câmara de Lagoa foi possível incorporar o saldo de gerência ainda em fevereiro.

Segundo realça o município em comunicado, esta deliberação permite "o apoio imediato às IPSS e às coletividades do concelho, bem como às pessoas mais vulneráveis, empresas e empresários em nome individual".
 
Apoiar o investimento no concelho, "com vista a estimular a economia e a retoma económica", não necessitando de aguardar pela aprovação dos documentos de prestação de contas do ano anterior, que anteriormente só eram aprovados no mês de abril, a alteração à lei permite que o saldo de gerência possa ser integrado no orçamento apenas com a aprovação dos fluxos de caixa.
 
A câmara fala de uma incorporação ou 12 198 934,22€ (doze milhões, cento e noventa e oito mil, novecentos e trintae quatro euros e vinte e dois cêntimos), após aprovação da Assembleia Municipal reunida ontem à noite, 24 de fevereiro.
 
«Torna-se assim possível implementar, desde já, uma resposta forte ao período pós pandemia no concelho de Lagoa. Este montante vem reforçar o apoio as famílias, às IPSS, às empresas e os nossos empresários, projetando a retoma económica. Apesar das enormes dificuldades que atravessamos, temos que olhar para o futuro com esperança, prepararmo-nos para ele, com a certeza que não deixaremos nenhuma Lagoense para trás», afirmou o presidente da Câmara, Luís Encarnação.
 
Conforme realça a autarquia, o montante de mais de doze milhões de euros, permite ao executivo camarário preparar "as grandes obras já projetadas, a iniciar ainda este ano de 2021 e a concluir durante os próximos anos, tais como a construção do passeio fluvial Parchal-Mexilhoeira da Carregação, requalificação do Jardim do Largo D. João II, na Mexilhoeira da Carregação, requalificação da zona envolvente à EM530 , na Bela Vista, o parque urbano de Lagoa,
requalificação do parque desportivo da ESPAMOL, o parque infantil e jardim da contemplação na Praia do Carvoeiro, entre outras".
 
Esta primeira revisão do orçamento para 2021 «insere-se numa lógica de continuidade que se pauta, uma vez mais, pelo rigor, pela transparência e pela seriedade que nos permite continuar a apresentar as finanças municipais equilibradas e sustentáveis, a médio e longo prazo» frisou ainda Luís Encarnação.