Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Como a auto-observação pode ajudar a melhorar a imagem que tem de si mesmo
Imprimir Partilhar por email
Como o próprio nome indica, a auto-observação é uma técnica utilizada para permitir ao indivíduo que se conheça melhor e que tenha uma imagem mais positiva acerca de si mesmo.
 
Segundo Philippa Pery, este processo pode ser efetuado com um psicoterapeuta, numa relação dois a dois, ou o sujeito pode elaborar sozinho o seu processo através por exemplo da escrita de um diário, da prática de exercício físico ou meditação.
 
Qualquer atividade que permita ao sujeito o encontro consigo mesmo é positiva para realizar este processo, em que se pretende precisamente que ocorra “a leitura” do pensamento.
 
A base da auto-observação é permitir que a pessoa se conheça, identifique as suas emoções e consiga sintonizar-se consigo mesma.
 
No seu livro Como manter a sanidade mental, Philippa Pery apresenta um conjunto de benefícios desta técnica que, apesar de já ser utilizada há muito tempo, continua a dar provas de ser muito importante para o desenvolvimento pessoal.
 
A escritora e psicoterapeuta sugere que se dedique um tempo diário a responder a questões tão simples como: O que é que eu estou a sentir agora? Por que é que me sinto assim? O que posso fazer para melhorar esta situação? Como é que me poderia sentir melhor? Uma vez que, na maioria dos casos, podemos estar desalinhados com o nosso próprio pensamento e a necessitar de nos organizarmos.
 
Estas questões permitem que saibamos se estamos bem numa determinada situação, já que as respostas nos ajudam a encontrar a nossa posição pessoal.
 
É preciso ter em conta que, a auto-observação é um caminho que capacita o ser humano a ter uma maior percepção do seu estado emocional. Para fazer esse movimento é preciso uma disposição interior, um desejo de avançar no autoconhecimento e a vontade de despertar uma autoimagem positiva de dentro de si mesmo e fazê-la florescer.
 
Para isso, temos de identificar o que estamos a pensar e a sentir. Temos de ir ao fundo de nós e permitir descodificar o que realmente achamos de uma determinada situação quando, muitas vezes só participamos nela porque fomos convidados ou porque as outras pessoas vão lá estar. Saber a razão pela qual gostamos mais de chá do que de café, por que preferimos um lugar a outro, uma companhia a outra, é fundamental para nos sentirmos mais seguros e confiantes, pois isso implica conhecimento de nós mesmos e uma maior capacidade de nos responsabilizarmos e de decidirmos.
 
É esta tomada de consciência daquilo que gostamos e do que não gostamos que dá sentido à nossa vida, ao nosso equilíbrio e bem-estar e, só sabemos o que se está a pssar connosco se nos reservarmos no direito de ler o nosso pensamento e os nossos sentimentos.
 
A prática da observação de si mesmo oferece muitos ganhos e, por meio dela, é possível conectar-se melhor com a sua essência, na medida em que, ao conhecermos as nossas emoções, torna-se mais fácil distinguir se estamos com raiva ou “raivosos”, sustenta a mesma autora, assegurando que, é muito diferente sentir raiva face a uma determinada situação ou estar raivoso face a tudo. É este exercício de esclarecimento que se pretende com a auto-observação.
 
À medida que construímos este hábito diário de nos auto observarmos, percebemos a facilidade com que nos posicionamos nas situações, o crescimento pessoal que possuímos e a enorme capacidade de darmos resposta aos nossos problemas. As relações com os outros melhoram significativamente, uma vez que não perdemos tempo e energia com conflitos, e encontramos com mais facilidade um estado de equilíbrio e de bem-estar.
 
Estar em sintonia com aquilo que somos na realidade, possibilita a conexão com o “eu maior” (que também podemos chamar de grandeza interior), pois quando reconhecemos que o único responsável por tudo o que acontece na vida somos nós próprios e que temos a responsabilidade de alterar aquilo que é possível e que nos é acessível, enfrentamos a realidade com outra força pessoal, determinação e apreço por nós próprios.
 
Philippa Pery reforça a importância de celebrarmos aquilo que conquistamos, já que essa é uma forma de nos reforçarmos e de sentirmos que efetivamente somos capazes. Ao mesmo tempo, essa celebração permite aumentar a autoconfiaça e dar-nos motivação para fazer melhor na fase seguinte.
 
A mesma especialista salienta ainda que a auto-observação nos afasta das obsessões na medida em que nos permite alargar horizontes e vermo-nos em várias perspetivas, o que também é um ganho. Em vez de andar sempre a repetir comportamentos e a não conseguir obter resultados, esta psicoterapeuta sugere que se ouça a nossa voz interior e que se interprete a diversidade de opções que temos ao nosso dispor. Podemos anotar algumas delas e explora-las no nosso diário ou fazendo pontos de interesse numa folha de papel, mas o importante é que partamos sempre de dentro para fora.
 
Ao mesmo tempo, importa salientar que, o caminho para edificar uma autoimagem positiva é construído com muito cuidado, amor-próprio, autoaceitação e mudança interior, aquela que se reflete no comportamento externo. Portanto, quando a pessoa reajusta a sua visão sobre si mesma, é quando um sentimento positivo em relação a ela própria se torna realmente aparente. É a partir daí que, o mesmo ganha uma forma sólida e consistente, ajudando a melhorar a imagem que temos de nós mesmos.
 
Este autodesenvolvimento ajuda a formular uma descrição confiante de si, aniquilando as crenças limitadoras e assumindo as ideias fortalecedoras que nos ajudam a reconhecer o melhor de nós próprios, a potencializar as nossas habilidades, competências, dons e talentos a florescer no seu melhor em todos os sentidos.
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86725)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36577)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(17199)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13160)

Não podemos viver sem amor

(11642)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10212)

A mentira: um mal necessário

(8778)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8582)

Idade não traduz maturidade

(8290)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7864)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7820)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7052)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5343)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5333)

É Demissexual?

(5025)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4994)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4794)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4407)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4353)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4310)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4307)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4154)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4149)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4133)

A “ciência” do aperto de mão

(4103)

O poder das ervas aromáticas

(4085)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3939)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3833)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3790)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3776)

A família é a base do sucesso escolar

(3772)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3771)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3727)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3715)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3711)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3708)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3686)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3613)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3562)

O que muda na mulher aos 40?

(3560)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3523)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3429)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3336)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3309)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3283)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3273)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3249)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3236)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3234)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

ver mais
 
Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

ver mais
 
"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio