Família
Como cozinhar pode melhorar a relação familiar
Um momento em que toda a família se reúne em torno de um mesmo objetivo dentro de casa é, para muitos entendidos, uma oportunidade para a aprendizagem, para descomprimir, para aproximar os membros da família, promover o diálogo e a interação que são essenciais para uma boa relação.

 
Cozinhar, fazer uma sobremesa, arrumar a cozinha após uma refeição, limpar a fundo esta divisão da casa em conjunto, são tarefas importantes para promover a manutenção dos laços familiares. Aproveitar essa ocasião para conversar descontraidamente, abordar temas mais complexos e aprender matérias mais difíceis da escola, é um ponto a favor de todos e, ao mesmo tempo, uma excelente forma de melhor aproveitar o tempo de qualidade em família.
 
Repare-se que, na cozinha se podem trocar impressões sobre o nosso dia, conversar acerca da atualidade e esclarecer dúvidas dos mais novos enquanto a mente também está ocupada com algo agradável que é produzir uma nova iguaria.
 
A “receita” não é nova, já que, no passado era habitual as pessoas se unirem nesta divisão da casa para conversar e até para discutir as suas diferenças, pelo que, o que estou a sugerir é apenas atribuir um novo significado, mais moderno e atualizado se quisermos, para fazer a mesma coisa com quem não conhece esses hábitos ancestrais como é o caso dos nossos filhos.
 
Na cozinha pode-se aprender as medidas, as contas, a interpretação de uma receita, fazer experiências como se de um laboratório se tratasse, pode-se aprender regras, aplicar conhecimentos, estimular a criatividade e tudo o que se quiser em prol de momentos agradáveis em conjunto.
 
É a família que decide o que vai confecionar, o que também estimula o respeito pela opinião do outro, o encontro de consensos e o planeamento, já que se passa todo um processo que passa pela lista de compras, pela aquisição dos produtos no supermercado, a divisão de tarefas e daí por diante, o que são atributos fabulosos para aprender a convivência social. A cozinha ajuda a aproximar as pessoas enquanto cria novos hábitos para a “geração do tabuleiro” que se fecha em si mesma, não conversa, não participa, não interage.
 
Ensinam-se as regras de gestão de recursos, enquanto se evita o desperdício, se separa o lixo, se aprendem novos utensílios e técnicas, se recorre às tecnologias para pesquisar uma nova receita, enfim, basta colocar a criatividade a funcionar e pensar que, é um momento muito importante para todos, mesmo que não tenham muitos mais ao longo do dia.
 
Naturalmente que, as crianças mais pequenas devem realizar tarefas adequadas à sua idade, mas que devem participar também nesta tarefa. Os adultos ensinam e dão a necessária autonomia para que os mais novos se expressem, os jovens já sabem aquilo que foram aprendendo e podem aplicar e ensinar aos mais novos. Em famílias numerosas será um ambiente de festa no final do dia, nas mais pequenas será um momento de encontro não menos importante.
 
Aceite as ideias dos seus filhos, envolva o marido e unam-se na cozinha! Quando estão todos em casa aos fins de semana, é um ótimo passatempo que ninguém vai querer dispensar.
 
Fátima Fernandes