Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Como é que as pessoas com deficiência encontram a felicidade?
Imprimir Partilhar por email
Nascer com uma limitação ou ter de se adaptar a um novo estilo de vida em virtude de uma deficiência não é uma tarefa fácil para ninguém, ainda assim, é surpreendente a forma como estas pessoas encaram as suas dificuldades acrescidas e encontram novos sentidos para a sua vida.
 
É inegável que o cérebro se adapta a tudo com relativa facilidade, mas também é de incluir o esforço de superação das dificuldades que uma pessoa que se sente limitada é capaz de fazer. Só por isso, vale a pena que a sociedade encare a deficiência cada vez com mais respeito e até uma possibilidade de aprendizagem.
 
Seja qual for a limitação, só a pessoa em causa é que sabe explicar como se sente e que recursos utiliza para se superar, mas de um modo geral, é o enorme apego e amor à vida que conduz as suas mentes para essa habituação diária. Há pessoas que se esquecem da sua limitação e que convivem com relativa naturalidade com ela. Sabem que essa é a forma mais fácil de se adaptarem ao mundo. Tudo seria mais fácil se a nossa sociedade já estivesse preparada a todos os níveis para acolher essas dificuldades, no entanto, é importante frisar que muito já se faz e que, é mais fácil a tarefa de viver uma limitação com respeito e compreensão por parte das maiorias.
 
Se é delicada a tarefa de viver com uma limitação, a mesma também exige esforços redobrados por parte de amigos e familiares que têm de ajudar a pessoa no seu percurso, seja de forma direta, ou através de apoio e compreensão que lhe dedicam. Este artigo é para todos, já que podemos sempre aprender algo de novo que nos ajude a melhorar a qualidade de vida.
 
Organizamos 10 pontos que podem ajudar a compreender melhor esta realidade e a respeitar mais cada deficiência, já que queremos uma sociedade cada vez mais inclusiva, justa e plural, onde todos tenham o seu lugar com dignidade.
 
1) É possível ser feliz em qualquer circunstância de vida
 
Para Tiffiny Carlson, que ficou paraplégica após um acidente, a felicidade veio algum tempo após a sua nova condição. Nos seus relatos percebe-se que, se sente feliz pelo simples fato de estar viva ao lado de sua família e amigos. Carlson ainda deseja poder andar novamente, mas afirma que isso não a impede de ser verdadeiramente feliz.
 
Com este exemplo inspirador, podemos incluir qualquer limitação e acreditar que, o ambiente familiar e social ajuda muito nesse encontro da felicidade, pelo que devemos ser todos ativos nesse sentido.
 
2) A paciência e persistência permitem que se realizem muitas mais tarefas e com entusiasmo
 
A pessoa portadora de deficiência adquire uma paciência acrescida, uma vez que, esta é uma grande aliada para executar até as atividades quotidianas mais simples, tais como conseguir comunicar, atravessar uma rua ou mudar de roupa. O facto de conseguir realizar essas tarefas é, por si só, um motivo de realização e de felicidade.
 
3) Desvaloriza coisas muito pequenas
 
Possuir uma deficiência pode envolver circunstâncias stressantes, já que tudo é um pouco mais difícil e limitado. Um segredo para manter a boa disposição é desvalorizar aquilo que não se consegue e enaltecer o que se consegue realizar. É nesse sentido que estas pessoas aprendem a focar a sua atenção no essencial e a colocar em segundo plano aquilo que não é assim tão importante e que poderia colocar em causa a sua felicidade sem motivo.
 
4) Ser diferente é uma oportunidade
 
São diversas as situações em que se abrem novas portas a novas oportunidades por se ser diferente. É tudo uma questão de sensibilidade, de estar na hora certa no local mais apropriado.
 
São muitas as vezes em que a diferença chama a atenção de uma forma positiva e nos remete para situações novas e mais interessantes.
 
5) Não se pode julgar uma pessoa pela sua aparência.
 
Por detrás de uma deficiência, está uma pessoa com as suas qualidades e potencialidades. São muitas as vezes em que nos deixamos surpreender com essa realidade, o que nos deve abrir mentalidades para, de forma alguma julgarmos alguém pela sua condição física, seja ela qual for. Isto aplica-se a pessoas com e sem deficiência naturalmente.
 
6) A vida é curta. Aproveite cada momento!
 
O segredo para se viver bem é aproveitar cada dia como se fosse o último! Muitos de nós até tentamos fazer isso, entretanto, as pessoas com deficiência vivem isso com muita naturalidade, aproveitando os raios de sol, o chá ou o café que desfrutam com alguém de quem gostam e daí por diante.
 
7) A fraqueza nem sempre é algo negativo.
 
Muitos de nós, às vezes por orgulho, tememos mostrar as nossas fraquezas e aceitar ajuda do próximo. Contudo, a pessoa que vive com uma deficiência aprende que não há problema algum em receber ajuda. Afinal, todos nós precisamos da ajuda dos outros de alguma forma. Os humanos relacionam-se com humanos e recebem a sua energia e apoio quando é necessário.
 
8) Não é preciso se adequar a um padrão de normalidade para se viver bem.
 
Quando se tem uma deficiência, tem-se “um passaporte para ser igual a si próprio”, pelo que não há necessidade de ter de seguir os padrões dos demais. Dar respeito em troca dele já é um ponto a favor da integração social.
 
9) Qualquer um pode vir a ter uma deficiência.
 
Esta é uma realidade que ninguém é capaz de antecipar e que não vale a pena pensar, mas ajuda muito a respeitar quem é diferente. Se nos colocarmos minimamente no lugar do outro, percebemos que, qualquer pessoa tem limitações e que algo de mais grave pode acontecer a qualquer um e, num qualquer momento de vida.
 
10) Viva uma vida sem máscaras.
 
Essa é talvez uma das lições mais valiosas que podemos aprender com as pessoas com deficiência. Muitos de nós ficamos tão preocupados em nos encaixarmos perfeitamente no padrão de normalidade imposto pela sociedade que passamos a mascarar sentimentos, vontades e até o nosso verdadeiro Eu. As pessoas com deficiência não possuem essa preocupação de se enquadrar na sociedade, elas simplesmente vivem a vida. E, talvez, seja isso que as torne mais livres e felizes.
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86725)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36577)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(17199)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13160)

Não podemos viver sem amor

(11641)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10212)

A mentira: um mal necessário

(8778)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8582)

Idade não traduz maturidade

(8290)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7864)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7820)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7052)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5343)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5333)

É Demissexual?

(5025)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4994)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4794)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4407)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4351)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4310)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4307)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4154)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4149)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4133)

A “ciência” do aperto de mão

(4103)

O poder das ervas aromáticas

(4085)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3939)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3833)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3790)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3776)

A família é a base do sucesso escolar

(3772)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3771)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3727)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3715)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3711)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3708)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3686)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3613)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3562)

O que muda na mulher aos 40?

(3560)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3523)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3429)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3336)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3309)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3283)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3273)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3249)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3236)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3234)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

ver mais
 
Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

ver mais
 
"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio