Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Como educar para o equilíbrio?
Imprimir Partilhar por email
Cada vez se fala mais em inteligência emocional e, não é por acaso, é porque muitos estudos mostram a importância de se educar para o equilíbrio, para a consciência e para o envolvimento da criança no seu processo educativo.
 
Neste sentido, a base de educar para o equilíbrio é explicar à criança a razão pela qual deve cumprir esta ou aquela regra. Para tal, é importante o tempo para fazer esse trabalho, tal como é fundamental que a criança possa libertar e expressar as suas emoções livremente através do diálogo e momentos afetivos. Os mais novos devem conseguir dizer o que pensam e o que sentem até para serem corrigidos. A criança tem direito a mostrar a sua discordância em relação às regras que lhe são propostas, tal como os pais se devem fazer entender e mostrar a razão da sua existência.
 
Quando a criança compreende a razão pela qual não pode estar sempre diante do televisor ou do computador, mais facilmente se responsabiliza pelo seu processo educativo. Deixa de o fazer exageradamente e mais facilmente cumpre as orientações dos pais. Esta base é importante para ser bem sucedida na escola também, pois quando se percebe a base das regras e da educação, torna-se mais fácil seguir essa linha de orientação.
 
Pais que explicam o que exigem, acabam por ser muito melhor compreendidos pelas crianças e facilmente mostram a sua autoridade. Os filhos sabem que os pais mandam e que lhes dizem a razão pela qual tem de ser assim.
 
Está provado que os mais novos adoram cumprir aquilo que os pais lhes pedem, pelo que se torna muito mais acessível a todos que os pais saibam o que pretendem com as regras.
 
Cortar com “o dizer por dizer” é a base para esta forma que aqui apresento. Conversar, mostrar o que se pretende, entender o lado da criança que tem dúvidas e direito a elas, são requisitos importantes para educar em harmonia.
 
É preciso ter em conta que passou de moda a imposição fácil e a incongruência. Atualmente os pais sabem o quanto é importante serem coerentes e mostrar claramente aos filhos o que se pretende com a educação. Os pais sabem mostrar aos mais novos a importância de respeitar os adultos para que eles se saibam comportar socialmente, tal como sabem que a sistematização é a base do sucesso, pois a criança aprende por repetição e pela compreensão do que lhe é pedido. Se a regra é ir dormir às 22horas, então a essa hora a criança está pronta para ir para a cama, o mesmo se passa com as refeições em família, com o tempo de lazer, com o desligar do telemóvel à refeição e daí por diante.
 
Quando existe um argumento forte, a regra ganha sentido e a criança ou jovem cumprem-na sem problemas. Não podemos é cair no erro de transformar as regras em exceções, uma vez que as crianças e jovens ficam baralhados e sem compreender o que se pretende.
 
Devemos assumir os nossos erros enquanto pais para podermos corrigi-los. O mesmo se passa com os mais novos que igualmente têm direito de errar e de não saber muito para além do que a sua idade lhes permite aceder.
 
É importante que os pais se permitam sentir a educação e, um segredo importante é mesmo recordarem-se de como foi consigo, o que foi bem ou mal sucedido para que possam corrigir e atualizar os conteúdos para os filhos. Os tempos mudaram, mas a base é a mesma. Temos de educar para o respeito de parte a parte, os pais são a autoridade e, por isso, estão num patamar acima dos filhos e estes têm de saber que os pais lhes transmitem os afetos, a educação, o cumprimento das regras e a exigência.
 
Podemos estar mais direcionados para o consumo e menos para os afetos, mas entre pais e filhos essa questão não se pode colocar, já que temos a responsabilidade sobre os nossos descendentes em se queremos amor e gratidão da parte deles, temos de lhes incutir o valor das emoções desde cedo.
 
Se atualizarmos o que queremos, não teremos quaisquer problemas em dizer “não” aos nossos filhos porque estamos seguros da nossa posição e, ao mesmo tempo, sabemos autorizar uma exceção quando assim se justifica e se explica que é um dia de festa ou de férias, mas que isso não traduz perder tudo o que já se aprendeu.
 
Educar é simples, é importante é saber o que se pretende com o que se transmite. É reservar algum tempo diário para pensar naquilo que fazemos e exigimos aos nossos filhos, saber se está a resultar ou se precisamos de desviar um pouco a nossa linha de orientação porque a criança cresceu, porque até já cumpre e pode aceder a novos desafios. Vamos exigindo aquilo que é preciso cumprir. Quando a criança já sabe, parte-se para outro desafio mais exigente e valoriza-se essa conquista para que se mantenha ativa. 
 
No fundo, educar para o equilíbrio é usar a razão, o coração e o bom-senso em tudo o que se faz com e para os nossos filhos. Os pais que mais recebem afeto e reconhecimento por parte dos filhos são aqueles que são justos e compreensivos cujos filhos percebem esse sentido sem perder de vista o rigor e a exigência para que se conheçam cada vez mais e melhor e para que sejam melhores pessoas e cidadãos ativos e de valor na nossa sociedade.
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86725)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36577)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(17199)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13160)

Não podemos viver sem amor

(11642)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10212)

A mentira: um mal necessário

(8778)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8582)

Idade não traduz maturidade

(8290)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7864)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7820)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7052)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5343)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5333)

É Demissexual?

(5025)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4994)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4794)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4407)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4353)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4310)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4307)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4154)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4149)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4133)

A “ciência” do aperto de mão

(4103)

O poder das ervas aromáticas

(4085)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3939)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3833)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3790)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3776)

A família é a base do sucesso escolar

(3772)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3771)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3727)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3715)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3711)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3708)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3686)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3613)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3562)

O que muda na mulher aos 40?

(3560)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3523)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3429)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3336)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3309)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3283)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3273)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3249)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3236)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3234)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

ver mais
 
Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

ver mais
 
"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio