Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Como está a sua autoestima? Psicóloga dá soluções para cada caso
Imprimir Partilhar por email
A autoestima determinam tudo na nossa vida, uma vez que, é ela quem nos ajuda a tomar as melhores decisões, a gostarmos mais de nós próprios e do que fazemos, a estimar-nos e a relacionar-nos melhor com os outros e, acima de tudo, a desfrutar de emoções positivas.
 
Não será exagerado dizer quem quanto mais nos conhecermos a nós próprios, melhor saberemos corrigir aquilo que nos angustia e mais escolhas inteligentes faremos, pois vamos ao fundo de nós próprios e procuramos compreender aquilo que se passa.
 
A autoestima começa a ser construída na infância com a imagem que os nossos pais e cuidadores nos dão a nosso respeito. São eles as primeiras pessoas a dizer quem somos, o que temos de melhor e o que fazemos de menos positivo. Se muitos pais investissem nisso, poucos teriam problemas de autoestimna, mas a verdade é que é mais fácil apontar um erro e um defeito a uma criança do que a evidenciar pelo que faz de melhor. É por essa razão que há tantas pessoas que não gostam de si mesmas, porque simplesmente não aprenderam a gostar desde pequenas.
 
Segundo Pamela Magalhães, apesar de isso ser um problema, podemos sempre melhorar-nos ao longo da vida fazendo exercícios específicos para melhorar a autoestima. O principal é sabermos onde é que estão os nossos pontos fracos e fortes para que os possamos trabalhar, realça esta psicóloga.
 
Reflita sobre como está a sua vida atualmente: as atitudes que toma são benéficas para si? A sua postura diante das situações é, no geral, positiva? Está contente consigo mesmo? Se as respostas forem negativas, o seu amor próprio está abalado e precisa de ser trabalhado através da autoajuda – ou seja, o tratamento depende somente de si e da melhor forma que encontrar para se sentir melhor.
 
Não se esqueça de que, seja qual for o tratamento que seguir, a ultima palavra será sempre a sua. Ninguém se conhece melhor do que você mesmo, logo, pode seguir as dicas, mas será sempre a própria pessoa a fazer as melhores escolhas e a tomar as decisões que mais se adequam a si. Todos somos responsáveis pelo nosso percurso, mesmo que tenhamos de enfrentar situações negativas. Temos é de resolver os nossos problemas e encontrar as melhores soluções no caminho que queremos seguir.
 
Pamela Magalhães recorda que, a autoestima baixa influencia absolutamente todos os campos da vida. "Uma pessoa sem autoestima não gosta dela mesma, por isso faz escolhas erradas para si. Nos relacionamentos amorosos, envolve-se com pessoas que a tratam mal ou que não estão disponíveis. Nas relações pessoais, procura amigos que não agregam nada e somente ‘sugam’. No campo profissional, não consegue evoluir, pois não tem confiança no seu próprio potencial e nem coragem para tentar algo novo, melhor. É comum que desista ao primeiro obstáculo. E no meio escolar, tem tanto medo do que os outros vão pensar que tem vergonha de tirar as suas dúvidas com o professor. A pessoa entra num esquema de vida em que se depara com tudo mal porque não consegue fazer escolhas acertadas e encontrar um caminho mais entusiasmante e motivador, por isso, é preciso pegar por partes e entender que ninguém consegue resolver os seus problemas sem os identificar, sem saber as suas consequências e o que lhe está a causar mau-estar. Comece por tentar saber aquilo que está mal para aos poucos, o poder melhorar e seguir outro sentido, realça Pamela Magalhães.
 
Confira os principais sinais de falta de autoestima:
 
Sentimento de insegurança. Geralmente, a pessoa tem muitas dúvidas e incertezas na tomada de decisões.
 
Pouca ou nenhuma autoconfiança. Mesmo quando tem um trabalho de que não gosta, não acredita que é capaz de procurar outro melhor e de ser bem sucedida, por isso nem se esforça para inverter a situação.
 
Excesso de autocrítica. O paciente só vê os seus próprios defeitos, e ignora as qualidades.
 
Intolerância à frustração. Segundo Pamela, esta característica fica evidente no ambiente de trabalho, e quando um chefe lhe chama a atenção. Por norma, a pessoa fica tão instável que é capaz de chorar só por ter recebido um reparo, algo que a iria ajudar a realizar melhor a tarefa.
 
Tendência a relacionamentos destrutivos. A pessoa pensa que não é merecedora de coisas boas e, portanto, só se relaciona com pessoas  que lhe fazem mal.
 
Permissividade. A pessoa sente uma grande dificuldade na imposição de limites. "Como tem medo de desagradar os outros, deixa que façam o que quiserem”. Faz de tudo para agradar os outros, sendo capaz até de se prejudicar a si mesma com isso.
 
Dificuldade em aceitar elogios. Como a pessoa não consegue encontrar valor no que faz, desconfia quando o outro encontra.
 
Vulnerabilidade emocional muito grande, o que leva à dependência afetiva, ou "carência".
 
Sentimento crónico de insatisfação. Nunca nada está bom. O indivíduo sente uma angústia e ansiedade constantes e tem pensamentos pessimistas e negativistas.
 
Sentimento de inferioridade. "Qualquer um é melhor do que eu."
 
Necessidade de aprovação. Estas pessoas estão sempre à espera que os outros lhes digam algo acerca da sua aparência ou do seu comportamento porque não acreditam na sua autoimagem.
 
Para melhorar a autoestima, o primeiro passo é começar da base e do mais pequeno. É não exigir resultados imediatos, é ir ao fundo de si mesmo e tentar compreender-se, tentar saber o que ficou para trás no seu passado que o impede de ter uma melhor imagem a seu respeito e, aos poucos, procurar modificar isso dando pequenos passos a seu favor.
 
A melhor forma é tentar o oposto daquilo que pensa. Se tem um registo mental de que não é capaz, prepara-se como pode para enfrentar novamente o desafio. Estude, leia mais sobre o assunto. Prepare-se como quem vai para uma competição e terá muitas mais probabilidades de ser bem-sucedido. Se não for à primeira, já aprendeu com a experiência e terá mais possibilidades de se sair melhor na próxima. Reprovou num exame? Estude melhor os pontos onde falhou, mas não desista de se superar e de se focar naquilo que pretende e que julga ser capaz. Com esta atitude de mudança, está a criar um ciclo positivo para si e para a sua vida. Está a procurar situações positivas e serão cada vez mais porque umas se seguem às outras. Pense antes de decidir e de agir. Pondere se a escolha é benéfica para si e qual será o benefício disso antes de fazer a sua opção. Habitue-se a fazer isso com tudo na sua vida e, aos poucos estará a dar mais valor à sua opinião, ao seu pensamento e às suas escolhas, com isso, sentir-se-á mais valorizado e com mais autoestima!
 
Analise a sua vida e responsabilize-se pelos seus atos. Evite criticar-se e querer as coisas demasiado depressa. Construa os resultados e não os queira pré-adquiridos. Seja realista nas suas opções. Procure aprender com bons exemplos dos outros. A partir do momento em que alguém o desperta, já está a seguir algo que lhe agrada. Procure saber mais e inspirar-se em boas pessoas e bons exemplos, pois só assim, já está a ter mais confiança no futuro e em si mesmo. Já está a acreditar que é sempre possível alterar e melhorar. Se os outros conseguem, também à sua maneira, você irá conseguir.
 
Evite criticar os outros, pois estará a perder boas oportunidades para aprender com eles, mesmo que seja aquilo que não quer. Aceite-se tal como é e respeite o seu tempo e os seus limites. Não tenha pressa, pois a vida é uma construção diária, sublinha Pamela Magalhães, acrescentando que, de vez em quando, é preciso fazer este exercício para avaliar como está a nossa autoestima e voltar a seguir o mesmo método que já resultou noutras vezes.
 
Aceite que ninguém consegue tudo o que quer ao mesmo tempo, tal como dificilmente irá agradar muitas pessoas de uma só vez, por isso, pense do pequeno para o maior. Se começar pela base, terá sempre uma referência pessoal bem sucedida, mas tente as vezes que forem necessárias. A autoestima é a base da nossa vida, sentirmo-nos bem faz parte do nosso direito à vida, por isso, invista em si e cuide-se com carinho!
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86613)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36452)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(16598)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(12989)

Não podemos viver sem amor

(11552)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10001)

A mentira: um mal necessário

(8676)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8477)

Idade não traduz maturidade

(8093)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7772)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7738)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(6837)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5237)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5167)

É Demissexual?

(4949)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4926)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4723)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4333)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4249)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4229)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4153)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4072)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4070)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4046)

O poder das ervas aromáticas

(3987)

A “ciência” do aperto de mão

(3928)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3834)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3806)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3743)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3718)

A família é a base do sucesso escolar

(3689)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3688)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3675)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3661)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3644)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3639)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3631)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3600)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3540)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3494)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3448)

O que muda na mulher aos 40?

(3445)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3360)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3279)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3246)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3211)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3180)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3163)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3141)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3139)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Frio e chuva chegam ao Algarve a partir de quinta-feira

Frio e chuva chegam ao Algarve a partir de quinta-feira

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Novo clube de andebol em Olhão quer mais meninas a praticar a modalidade

Novo clube de andebol em Olhão quer mais meninas a praticar a modalidade

ver mais
 
Projeto "Ler na Freguesia" vai ser lançado em Montenegro

Projeto "Ler na Freguesia" vai ser lançado em Montenegro

ver mais
 
Município de Loulé pioneiro com iniciativa amiga do ambiente e dos seus colaboradores

Município de Loulé pioneiro com iniciativa amiga do ambiente e dos seus colaboradores

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio