Economia

Covid.19:Teia D’Impulsos e Município de Portimão identificam dificuldades do movimento associativo local

Foto|CM Portimão
Foto|CM Portimão
Os reflexos negativos da Covid-19 junto do movimento associativo de Portimão motivaram a Teia D’Impulsos a lançar um projeto para avaliar a situação atual, no sentido da criação de respostas de apoio.

 
Conforme designa a autarquia de Portimão, "este projeto, inovador a nível nacional, intitula-se ReMAC-19 - Resposta do Movimento Associativo à Covid-19 e conta com o empenho do Município, preocupado pelo impacto direto que a pandemia está a ter junto das entidades que desenvolvem relevante trabalho nas áreas social, cultural e desportiva". 
 
Entre as medidas defendidas pela associação Teia D’Impulsos, figuram a elaboração de um manual de boas práticas para a retoma das atividades do movimento associativo local, ao mesmo tempo que serão estimuladas as sinergias entre associações. 
 
A primeira fase do ReMAC-19 constituiu-se pela elaboração de um questionário, enviado por correio eletrónico a todas as associações do concelho, para avaliação da forma como estão a "vivenciar" esta experiência pandémica, apurando qual a sua capacidade de resposta e os principais constrangimentos.  
 
De acordo com a mesma fonte, verificaram-se mais de 70 respostas, as quais, "após análise, foi enviado um relatório com os resultados e discutidas as suas conclusões com as associações participantes". 
 
A partir do estudo desse retrato, o objetivo passa por cria respostas de apoio "eficazes" perante as necessidades sociais e humanitárias detetadas, para que o papel do associativismo local "não esmoreça e a sua atividade seja potenciada, contribuindo para que a sociedade civil ultrapasse este desafio", defende o Município. 
 
Está atualmente em implementação a segunda fase do projeto, que engloba a elaboração de um manual de boas práticas em situação de contingência, que oriente as associações na retoma das suas atividades com orientações específicas.  
 
Também será disponibilizado um plano de formação, dirigido às necessidades identificadas nas respostas ao questionário, assim como a criação de uma estrutura de apoio e de fácil acesso, através do serviço de Apoio ao Movimento Associativo (AMA).  
 
A criação de uma Via Verde irá agilizar todo o processo de apreciação, autorização e apoio para a realização dos projetos que sejam considerados válidos, de forma a que a comunidade possa usufruir dos seus resultados o mais rapidamente possível.  
 
Quanto à elaboração de um manual de boas práticas dedicado ao associativismo e às atividades desenvolvidas pelas associações, a Teia D’Impulsos e a Câmara Municipal de Portimão pretendem que o mesmo seja utilizado pelas entidades para prepararem os próprios planos de contingência, adaptados à sua realidade e aos objetivos de funcionamento. 
 
Em relação ao plano de formação, da responsabilidade da Fundação Manuel Violante, decorrerá em formato virtual e será disponibilizado de forma gratuita a todas as associações interessadas, tendo a primeira decorrido em junho passado, sobre “Gestão Eficiente de Recursos”, enquanto a próxima terá lugar neste mês de julho, incidindo sobre “Comunicação Externa e Angariação de Fundos”. As próximas temáticas serão divulgadas oportunamente, prosseguindo este plano de formação em setembro próximo. 
 
Para a concretização de todo este plano, a Teia D’Impulsos identificou como parceiros primordiais para o projeto ReMAC-19 a Câmara Municipal de Portimão, através do AMA, bem como a Proteção Civil e a Autoridade Local de Saúde de Portimão, entre outros.