Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
É possível viver sem máscaras?
Imprimir Partilhar por email
Este tema tem servido de inspiração para inúmeras publicações, apontamentos e documentários, sobretudo pela dificuldade que encerra, e que faz despertar, para viver sem máscaras numa sociedade cada vez mais consumista e sem preocupações com a fragilidade humana.
 
Para a maior parte dos entendidos na matéria, é possível viver sem máscaras, mas é preciso aceitar o medo, a tristeza, a revolta, a alegria e a solidão como fases temporárias, como ingredientes da sensibilidade humana que dão lugar a valores elevados.
 
Viver sem máscaras implica uma aceitação pessoal muito profunda e uma seleção apurada das pessoas com quem se convive. Implica ser capaz de renunciar a algo em prol de um bem maior, tal como traduz ter menos e de maior qualidade.
 
Viver sem máscaras é o mesmo que dizer que se tem menos pessoas em seu redor, muitos menos bens materiais, mas muito melhores sensações e pessoas mais livres e felizes, pelo que, naturalmente que este modo de vida implica alterações profundas numa sociedade de todo apostada no prazer através do consumo, do poder, da supremacia face aos outros, da competição desenfreada e daí por diante.
 
Não é possível viver sem máscaras e querer dar resposta a tantas exigências sociais que implicam a sua utilização.
 
Viver sem máscaras é algo de simples, é a coragem de libertar o mais profundo que existe dentro de nós a quem é capaz de aceitar, respeitar e corresponder, pelo que, talvez não é por acaso que nos sentimos mais compatíveis com umas pessoas do que com outras; é porque sentimos que os seus sentimentos e valores vão ao encontro daquilo que pensamos e defendemos, enquanto que, com outras, ocorre precisamente o contrário.
 
Aos poucos, temo-nos habituado a silenciar a dor com fármacos, sendo que, as crianças e os idosos são os seus principais alvos, pois a geração ativa não tem tempo para as suas fragilidades, muito menos para pensar nas razões que conduzem à apatia, hiperatividade ou tristeza. Prescreve-se, toma-se e espera-se para ver os resultados, mas dentro de nós, sabemos que estamos a silenciar aquilo que é mais puro, que é legítimo e que nos caracteriza enquanto seres humanos, daí se procurar cada vez mais formas de distração que, não mais são do que fugas à realidade, “para esquecer” aquilo que nos angustia.
 
E continuamos “a viver uma vida dupla ou múltipla neste labirinto da modernidade, presos, constantemente confrontados com as escolhas, a necessidade de ousar agir ou de crer, de se desesperar ou deixar de acreditar”, como afirma o filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard.
 
O mesmo filósofo recorda que, ninguém consegue ser feliz com máscaras e que, até o uso destas tem por base mostrar uma felicidade que não existe, que não se sente, mas que nos aflige.
 
Perante esta realidade, cabe a cada um decidir o rumo que quer dar aos seus sentimentos e pensamentos, compete selecionar os grupos de pertença e se, efetivamente, a vida com máscaras lhe faz sentido e qual a melhor posição a tomar, pois apesar de integrarmos um todo que é a sociedade, cada um é um ser adulto, inteligente, maduro e responsável a ponto de poder fazer as suas escolhas em prol da sua felicidade.
 
Já dizia Ralph Waldo que, “a honestidade, sinceridade, verdade devem existir e ser uma constante nas nossas vidas, seja no confronto com os outros seja, sobretudo, connosco próprios. Este exercício de interioridade, de prospeção do eu até às águas freáticas do seu poço exige que estejamos conectados à verdade, à nossa responsabilidade, confrontando-nos com as nossas fragilidades, medos, crenças falsas, convicções erradas”.
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86925)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36741)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(17833)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13383)

Não podemos viver sem amor

(11746)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10502)

A mentira: um mal necessário

(8890)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8737)

Idade não traduz maturidade

(8443)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7967)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7935)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7352)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5476)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5431)

É Demissexual?

(5144)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5100)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4891)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4506)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4494)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4454)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4414)

A “ciência” do aperto de mão

(4309)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4273)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4272)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4261)

O poder das ervas aromáticas

(4191)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4102)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3998)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3987)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3982)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3947)

A família é a base do sucesso escolar

(3868)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3867)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3830)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3817)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3807)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3805)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3802)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3719)

O que muda na mulher aos 40?

(3692)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3656)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3625)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3530)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3431)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3430)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3415)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3387)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3351)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3346)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3332)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
António Raminhos apresenta Gala do Desporto em Lagos

António Raminhos apresenta Gala do Desporto em Lagos

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Festival F gerou retorno mediático que ultrapassou os 5 milhões de euros

Festival F gerou retorno mediático que ultrapassou os 5 milhões de euros

ver mais
 
Liga NOS:Portimonense sofre derrota com o Desportivo das Aves e António Folha "bate com a porta"

Liga NOS:Portimonense sofre derrota com o Desportivo das Aves e António Folha "bate com a porta"

ver mais
 
O que pensa Telmo Pinto sobre a exposição “Com os pés na terra e as mãos no mar – 6 mil anos de História de Quarteira”

O que pensa Telmo Pinto sobre a exposição “Com os pés na terra e as mãos no mar – 6 mil anos de História de Quarteira”

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio