Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
É uma pessoa coerente?
Imprimir Partilhar por email
“Quem é autêntico assume a responsabilidade pelo que é e se reconhece livre do que é”:Jean Paul Sartre.
 
É desta forma que damos o mote para o tema da coerência e da sua importância para o sujeito e para a sua relação com os outros.
 
Desde logo, é essencial ter em conta que, a incoerência gera muitos conflitos, seja no próprio, seja nas suas relações com os outros, isto porque a pessoa não age de acordo com aquilo que diz e não pensa em conformidade com aquilo que pretende. Acaba por viver em permanente estado de confusão e causar essa instabilidade aos outros.
 
Na educação, por exemplo, pais que dizem uma coisa e fazem outra, acabam por gerar muita instabilidade nos filhos que nunca sabem de que lado “está a verdade” e se podem ou não confiar nos pais.
 
Nas relações profissionais e sociais, as pessoas incoerentes acabam por causar muitos distúrbios e instabilidade precisamente porque se estão a comprometer com uma tarefa e a desenvolver outra ou de forma distinta daquela que foi acordada.
 
A coerência exige regras e disciplina. É fundamental que a pessoa aprenda a assumir-se tal como é e a responder pelos seus atos, já que esta é a única forma de se desenvolver nessa orientação e de dar confiança aos demais, confiando também em si mesma.
 
Basicamente a coerência é o equilíbrio que existe entre o estado mais intenso de alguém (o que a pessoa sente no seu interior) e a exteriorização que faz dela mesma no seu comportamento, tanto verbal quanto não verbal. Ou seja, quando a pessoa é coerente não existe uma falta de sincronia entre o que sente e o que exterioriza.
 
Um bom exemplo disso é viver sem máscaras, é saber distinguir aquilo que é correto daquilo que não é e, para isso, temos de ir sempre aos nossos valores. Quando alguém nos afeta por algum motivo, não temos de “fazer de conta” que nada se passou, mas sim encontrar a melhor forma de nos sentirmos bem connosco próprios. Se for necessário, podemos dizer à pessoa em causa o que aconteceu, ou simplesmente partir do pressuposto de que, se me fez aquilo é porque tem esses valores e, nem vale a pena dedicar muito tempo ao assunto.
 
A melhor forma de nos sentirmos bem e mantermos a nossa coerência é assumir que ficamos magoados com a situação e que não a queremos repetir. Para além de ficarmos alerta para outros cenários semelhantes, somos honestos para connosco mesmos e com os outros, pois não andamos a fazer de conta que nada se passou e que está tudo na mesma.
 
As pessoas coerentes costumam gerar confiança nos demais, já que não mostram uma cara diferente da que sentem, nem se esforçam para fingir ou dissimular o seu estado interno. Sabem ouvir o que sentem internamente e são capazes de aceitar, sem se enganar a si ou aos demais.
 
Estas pessoas não se permitem entrar “em filmes” cujas cenas são sempre as mesmas e ocultam a realidade. Vêm a verdade dos factos e, quando não dispõem de dados suficientes, são as primeiras a tentar encontrá-los para se poderem esclarecer. Naturalmente que causam incómodo às pessoas incoerentes na medida em que gostam de apurar o sucedido.
 
As pessoas coerentes não se conseguem relacionar com pessoas que utilizam máscaras para se esconderem e que geram conflitos e desconfiança nos outros, pelo que, pura e simplesmente se afastam.
 
Aprender a ser coerente:
 
1. Elimine os condicionais
 
Concentre-se no que pretende fazer com objetividade e afaste-se dos “se”. Analise os prós e os contras, ouça o seu “eu” interior e prepare-se para agir em conformidade com o que sente e o que pensa. Não aceite desvios da sua rota, dos seus valores e daquilo em que realmente acredita. Peça opinião a quem realmente defende os mesmos valores e se assume como uma pessoa de confiança.
 
2. Construa o seu plano de ação
 
Pondere de forma realista aquilo que pretende, como é que poderá atingir esse objetivo, que tempo vai necessitar para o conseguir, a quem deve pedir ajuda para chegar lá, que tipo de investimento é necessário e se possui os requisitos de que necessita para concretizar o seu plano.
 
3. Coloque o seu plano em prática
 
Já ponderou tudo o que lhe era possível analisar e prever? Então é tempo de colocar em marcha o seu plano. Faça-o de forma consciente, madura e responsável, sabendo que estará sempre a agir de acordo com os seus valores e linhas de orientação, porque fez um plano e analisou o que lhe era possível.
 
É tempo de agir e de provar a si mesmo que é capaz. Ao mesmo tempo, está pronto para lidar com os resultados e colher o sucesso que pretende, sem se esquecer de que, os erros são para corrigir e que, só sabemos a totalidade dos resultados se arriscarmos, por isso, avance em conformidade com o que sente e o que pensa. Vai dar tudo certo, acredite no seu esforço, empenho, sentimentos e inteligência.
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Jovem algarvia lança livro que denuncia erro médico

Jovem algarvia lança livro que denuncia erro médico

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Grandes êxitos de Elvis Presley ao som da Orquestra de Jazz do Algarve

Grandes êxitos de Elvis Presley ao som da Orquestra de Jazz do Algarve

ver mais
 
São Brás de Alportel apresenta ritmos do Japão, Colômbia e Eslováquia

São Brás de Alportel apresenta ritmos do Japão, Colômbia e Eslováquia

ver mais
 
Dia do Município de Albufeira homenageou funcionários e juntou em palco Bonny Tyler e Cliff Richard

Dia do Município de Albufeira homenageou funcionários e juntou em palco Bonny Tyler e Cliff Richard

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio