Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 

Escavações arqueológicas em Cacela Velha retomam em 2020 à procura de ermida "famosa"

Imprimir Partilhar por email
11-07-2019 - 20:39
A campanha de escavações arqueológicas em Cacela Velha caminha para a reta final e recebeu, esta quinta-feira, a visita da presidente da Câmara Municipal de VRSA, Conceição Cabrita, da Diretora Regional de Cultura do Algarve, Adriana Freire Nogueira, e da Vice-Reitora da Universidade do Algarve, Ana Freitas.
 
Denominado «Muçulmanos e cristãos em Cacela medieval: território e identidades em mudança», o Município explica em nota de imprensa, que o projeto de investigação resulta de um protocolo de colaboração entre as três entidades. Tem um horizonte de 4 anos e encontra-se a estudar o bairro medieval islâmico (séculos XII-XIII) e a necrópole da Ermida de N. S. dos Mártires (séculos XIII-XVI).
 
«Na campanha deste ano, já chegámos aos níveis islâmicos, pelo que, do ponto de vista científico, foi um sucesso. Em 2020, vamos abrir novas áreas em busca da famosa ermida de Nossa Senhora dos Mártires que, muito provavelmente, estaria a acompanhar a necrópole cristã. Vamos também tentar encontrar a necrópole paleo-cristã ou a necrópole islâmica», descreveu Maria João Valente (Universidade do Algarve) que, juntamente com Cristina Tété Garcia (DRCAlg), coordenou os trabalhos arqueológicos.
 
«Este ano, a maior novidade foi o elevado número de sepulturas humanas encontradas, muitas delas difíceis de escavar porque pertenceriam a bebés e crianças, o que revela que teríamos, à data, uma elevada prevalência de mortalidade infantil. Por outro lado, encontrámos restos cerâmicos com uma elevada qualidade, o que foi muito proveitoso do ponto de vista científico», prosseguiu Maria João Valente.
 
De acordo com a presidente da Câmara Municipal de VRSA, Conceição Cabrita, «o projeto continuará nos próximos dois anos e permitirá aprofundar o conhecimento sobre o passado de Cacela Velha e contribuir para a musealização deste território».
 
Para a Diretora Regional de Cultura, Adriana Freire Nogueira, «esta campanha é sinónimo da defesa e da salvaguarda do património, pelo que a instituição não poderia ficar fora deste protocolo e contribuir para a preservação deste importante sítio arqueológico».
 
Ao longo de quatro semanas, o Campo-Escola de Arqueologia de Cacela acolheu investigadores e alunos universitários, envolvendo cerca de 30 participantes nacionais e estrangeiros. Os trabalhos incluíram a escavação, registo e análise das diferentes camadas, recolha de sedimentos, bem como a identificação de materiais como cerâmicas, restos alimentares, peças de metal, entre outras.
 
Através destas medidas, pretende-se não só consolidar a informação histórico-arqueológica já adquirida, mas também obter novos dados que permitam alargar e detalhar o conhecimento sobre o território onde a povoação de Cacela se estabeleceu e sobre as comunidades humanas que o habitaram ao longo da Idade Média (séculos X-XV).
 
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Unidade de AVC do CHUA recebe prémio internacional

Unidade de AVC do CHUA recebe prémio internacional

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Marina de Vilamoura é a "Marina Internacional do Ano"

Marina de Vilamoura é a "Marina Internacional do Ano"

ver mais
 
Faro solidário com o “Setembro Dourado”

Faro solidário com o “Setembro Dourado”

ver mais
 
ICNF e GNR detetam 190 infrações no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

ICNF e GNR detetam 190 infrações no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio