Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Estamos cada vez com mais falta de atenção. Porquê?
Imprimir Partilhar por email
Cada vez se assiste mais a discussões inúteis e infundadas, comentários agressivos a coisas de menor importância, atitudes explosivas face a coisas muito pequenas… mas a quê que se deve tudo isto?
 
Essencialmente a uma enorme carência emocional e a uma extrema falta de atenção. As pessoas, de um modo geral, andam à procura de algo que as preencha e, como não o encontram, acabam por descarregar essas emoções negativas na primeira pessoa que lhes aparece à frente. Passa-se isto nas mais variadas situações, sendo muito evidentes no trânsito e nas redes sociais que são talvez os locais onde se juntam mais pessoas ao mesmo tempo num determinado momento do dia.
 
É verdade que o trânsito nas grandes cidades é caótico, tal como as relações estão cada vez mais exigentes e menos baseadas na compreensão e na tolerância pelo outro, o que aumenta os níveis de insatisfação das pessoas que, a todo o custo procuram essa satisfação e, quando não o conseguem da forma normal e natural, acabam por exigir e querer à força aquilo que não se pode exigir a ninguém, mas que terá de surgir com naturalidade: o respeito e a compreensão.
 
Dedicamos pouco tempo a nós próprios a às relações que nos dão prazer como são o nosso cônjuge e os nossos filhos e, a partir daí tudo parece tempestuoso. Se entendemos muito bem as causas, falta-nos agir para aprender a compensar tudo isso. Como é que se faz? Reservando um tempo diário para nós próprios nem que seja antes de dormir. Escrever, ler, pensar um pouco acerca do nosso dia. Conversar com quem vive connosco e desligar os ecrãs. Muitas vezes não nos damos conta de pequenos gestos que nos sufocam e irritam e dos quais somos responsáveis, como por exemplo estar ligado às redes sociais ou ter sempre a televisão de fundo à hora das refeições. Estes dois gestos podem fazer toda a diferença se forem utilizados para desligar os botões e dar espaço á conversa. Depois de um dia em que cada elemento do seio familiar andou de um lado para o outro, o que se espera é que as pessoas conversem, que se mimem que estejam juntas, logo não há espaço para os ecrãs que, nesses momentos são tudo menos ocupação do vazio e dos tempos livres.
 
Precisamos desse contacto humano para alimentarmos o nosso lado mais humano. Se alimentamos as tecnologias, agimos como se fossemos também máquinas. Os nossos filhos acabam por entrar rapidamente no mesmo vício e, aos poucos, o diálogo não existe dentro de casa. Só temos ecrãs, não temos espaço para estar uns com os outros e fazer algo tão simples quanto rir. Rir do nosso dia, rir de pequenas coisas, rir de nós próprios. Aos fins de semana, temos de aproveitar mais o tempo em família, estar mais em contacto com a natureza e menos com compromissos. Temos de dedicar a nossa atenção a atividades que nos possam dar prazer em vez de estarmos sempre ligados a obrigações. Devemos também preocupar-nos menos com o que pensam a nosso respeito e mais com o que sentimos e consideramos ser. Não são os outros que vivem a nossa vida, muito menos pagam as nossas contas, logo não temos de lhes prestar tantas obrigações.
 
Olhemo-nos alguns bons minutos ao espelho diariamente e tenhamos coragem de apreciar quem somos, o que fazemos e o que temos. Faz bem gostar da nossa imagem no espelho, escrever aquilo que conquistamos nas últimas semanas e fazermos planos para o que queremos a seguir e, porque não falar com quem ama acerca daquilo que o possa estar a incomodar? Uma boa conversa resolve muitos problemas pessoais, sociais e conjugais, enquanto que nos preenche. Conversar implica falar e ouvir, implica dar atenção em troca dela e claro, muito menos atos explosivos de quem precisa de um pouco de colo quando está com um problema.
 
É verdade que andamos cada vez com mais falta de atenção. Quanto mais assumirmos isto, menos acabaremos por explodir sem pensar, uma vez que sabemos exatamente o que se passa e temos de procurar uma solução. Se o leitor souber que anda ansioso porque está crente, em vez de fazer um comentário terrível nas redes sociais ou buzinar ferozmente no trânsito, conversa com a pessoa que vive consigo e fazem um programa a dois. É assumindo o que se passa que se supera e que se resolvem os conflitos.
 
Já pensou ma razão pela qual tantas pessoas se envolvem no futebol e de forma tão agressiva? Por que provavelmente não estão preenchidos com a sua vida familiar e acabam por ir para um estádio com os “nervos à flor da pele”. Aquilo que deveria ser um momento de distração, acaba por se tornar num ambiente de guerra. O mesmo se passa com os pais que não reservam um tempo diário para os seus filhos, que lhes oferecem prendas para os silenciar e depois se queixam do mau comportamento dos filhos ou dos maus resultados que estes obtiveram.
 
Temos de ver a vida como um todo. Está tudo interligado. A forma como eu dou o meu exemplo em casa, vai fazer com que os outros tenham um bom ou um mau comportamento, consoante aquilo que imitam do que observam.
 
Alguém que paga a amizade dos outros, certamente que está a ensinar os filhos a pagarem bebidas aos colegas de escola para ter atenção… é o mesmo que se passa com os pais que discutem e que não conversem e que estão a mostrar aos filhos que não sabem dialogar.
 
É de tudo isto que vem a falta de atenção: uma consequência da falta de tempo para nós próprios, para gostarmos de nós mesmos e dos outros. Mude algo na sua vida, hoje!
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86613)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36452)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(16598)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(12989)

Não podemos viver sem amor

(11552)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10001)

A mentira: um mal necessário

(8676)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8477)

Idade não traduz maturidade

(8093)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7772)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7738)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(6837)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5237)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5167)

É Demissexual?

(4949)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4926)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4723)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4333)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4249)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4229)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4153)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4072)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4070)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4046)

O poder das ervas aromáticas

(3987)

A “ciência” do aperto de mão

(3928)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3834)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3806)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3743)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3718)

A família é a base do sucesso escolar

(3689)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3688)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3675)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3661)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3644)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3639)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3631)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3600)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3540)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3493)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3448)

O que muda na mulher aos 40?

(3445)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3360)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3279)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3246)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3211)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3180)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3163)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3141)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3139)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Frio e chuva chegam ao Algarve a partir de quinta-feira

Frio e chuva chegam ao Algarve a partir de quinta-feira

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Biblioteca Municipal de Silves apresenta workshop de fotografia para jovens

Biblioteca Municipal de Silves apresenta workshop de fotografia para jovens

ver mais
 
Cresc Algarve 2020 disponibiliza apoio para sistemas de teleassistência que visem proteger vítimas de violência doméstica

Cresc Algarve 2020 disponibiliza apoio para sistemas de teleassistência que visem proteger vítimas de violência doméstica

ver mais
 
Executivo de São Brás de Alportel aprova moção que defende a construção de novas barragens no Algarve

Executivo de São Brás de Alportel aprova moção que defende a construção de novas barragens no Algarve

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio