Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 

Faro:João Pedro Matos Fernandes encerrou seminário sobre Economia Circular falando de "regeneração e servitização"

Faro:João Pedro Matos Fernandes encerrou seminário sobre Economia Circular falando de "regeneração e servitização"
Imprimir Partilhar por email
07-12-2018 - 09:57
O Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, encerrou esta quinta-feira, pelas 17 horas, o Seminário sobre Economia Circular, organizado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve), em Faro.
 
Com uma duração de dois dias, o Seminário inseriu-se no contexto da implementação da Agenda Regional de Transição para a Economia Circular do Algarve, enquadrada pelo Plano de Ação para Economia Circular.
 
Designado de “Economia Circular e sustentabilidade do Algarve”, o programa integrou duas mesas redondas sobre as questões dos resíduos, do uso da água, do voluntariado ambiental, do uso sustentável dos produtos fitofarmacêuticos, requisitos do espaço rural, plásticos e carvões ativados. 
 
Foram também apresentados alguns projetos em curso, com a participação de entidades e empresas com boas práticas registadas, nos termos do programa do evento.
 
Este seminário contou com o apoio do Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente e da Transição Energética e dos fundos da União Europeia, no âmbito do POCTEP – Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha – Portugal.
 
O Ministro do Ambiente encerrou os trabalhos, referindo que «estes 300 anos de economia linear trouxeram bem-estar, na lógica "extrair, transformar, usar, descartar", assumo que não sou agnóstico ao crescimento económico, num planeta com 7 mil milhões de habitantes, com 10 mil milhões no ano de 2050, temos necessariamente que crescer, mas regenerando recursos e ser hipocarbónico».
 
João Pedro Matos Fernandes defendeu que «se falamos hoje em eficiência energética, temos cada vez mais de incluir um discurso público e político nas nossas ações enquanto cidadãos, enquanto empresas e organizações, rumo à eficiência material», neste aspeto o responsável pela pasta da Transição Energética, adiantou «temos mesmo de usar poucos recursos».
 
E aí a Economia Circular, na óptica do Governante faz todo o sentido, «procura reutilizar os resíduos, em vez de os descartar e deitar fora e  comprar outros, no fundo é aproveitar os produtos que se encontram em fim de vida». Em conjunto, as cinco CCDR's do país e o Ministério do Ambiente e da Transição Energética, promovem agendas regionais com vista à neutralidade carbónica e à eficiência energética.
 
 
Para o Ministro, o que se pretende, é «agarrar em boas-práticas já usadas no país, de projetos ou empresas e fazê-las chegar ao consumidor num despertar para uma nova responsabilidade social».
 
Em conclusão o responsável lembrou que «num país que não vai ter mais habitantes nos próximos 20 a 30 anos, que tem mais fogos por habitante na Europa, não faz sentido ir buscar mais agregados a outro sítio, porque temos cá tudo, a grande massa já foi extraída e está aí para ser utilizada outra vez, falo por exemplo dos resíduos da construção civil, é inaceitável que se junte toneladas de inertes para fazer uma qualquer construção que não saibamos como ela vai acabar, devemos continuar a ter aquilo que temos, não devemos é ser donos dessas coisas, temos sim de partilhá-las ou partilhar serviços (servitização), isto é, deixar de vender bens, para passarmos a vender serviços com os bens lá dentro».
 
Em declarações ao Algarve Primeiro o Presidente da CCDR Algarve, Francisco Serra, explicou que o Governo através do Ministério do Ambiente e da Transição Energética, fez uma Agenda, com todas as CCDR's do país, «estamos a desenvolver trabalho em cada uma das regiões plano, em grande articulação, posso dizer que neste Seminário estiveram presentes duas CCDR's, a colaborar não só nos trabalhos mas também a apresentar boas práticas».
 
Francisco Serra, referiu contudo, que este tipo de projetos não são visíveis no imediato pelo cidadãos, «este tipo de projetos tem a ver com a mudança de atitudes, hábitos e até de práticas, semelhantes à da reciclagem ou tratamento do lixo, e aqui o Algarve tem uma taxa de reciclagem de tratamento de resíduos bastante superior à verificada no país, com o tempo já há resultados e na Economia Circular, temos de fazer o mesmo, como exemplo com os hotéis, foi apresentado como um caso de boa prática, o projeto de reaproveitamento de sabonetes».
 
Este tipo de "movimentos" de acordo com o responsável da CCDR, «é um processo de verdadeira mudança de mentalidade e envolve até aspetos do nosso dia a dia, sensibilizando para o uso mais intensivo dos mesmos equipamentos e materiais por mais pessoas, em vez de um uso particular muito sedentário, no fundo, é o que fizeram os nossos antepassados no tempos dos nossos avós, os recursos eram partilhados na comunidade, era o forno do pão da aldeia ou o lagar da aldeia, depois passou-se à ideia de prosperidade pelo facto de eu ter as minhas coisas, sendo claro, que o uso partilhado de recursos será sem dúvida uma disciplina diferente da que existe».    
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

CCDR revela projetos com declaração de impacte ambiental no Algarve sujeitos a auditorias



-

Cresc Algarve 2020 abre candidaturas ao ensino com prioridade à inclusão ativa



-

Câmara Municipal delibera iniciar procedimento de suspensão do PDM de Silves



-

Câmara de Albufeira lança concurso para adquirir 6 veículos ligeiros não poluentes



-

NERA, AMAL e CCDR Algarve lançam projeto que visa revitalizar áreas empresariais da região



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Golfinhos encurralados na Ria Formosa salvos a tempo

Golfinhos encurralados na Ria Formosa salvos a tempo

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Incêndios:Fuzileiros patrulham zonas rurais do Algarve

Incêndios:Fuzileiros patrulham zonas rurais do Algarve

ver mais
 
VRSA:Novo trabalho de Fernando Pessanha apresentado no Arquivo Histórico Municipal António Rosa Mendes

VRSA:Novo trabalho de Fernando Pessanha apresentado no Arquivo Histórico Municipal António Rosa Mendes

ver mais
 
Exposição em Loulé com “O Homem que só queria ser Tóssan”

Exposição em Loulé com “O Homem que só queria ser Tóssan”

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio