Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Ligamo-nos às pessoas que nos devolvem conteúdo
Imprimir Partilhar por email
Muito se tem falado acerca das relações humanas, sempre numa perspetiva de melhorar a qualidade dos relacionamentos e de tentar compreender o que está na base das relações duradouras.
 
Sabemos que a química entre duas pessoas é importante para que o nosso cérebro desperte por alguém e se envolva de alguma forma, mas cada vez mais a ciência está convencida de que só esse aspeto não chega, isto porque cada pessoa se constitui pela dimensão física, emocional e intelectual.
 
Por essa razão, conseguimos facilmente agarrar num papel e numa caneta e listar as pessoas pelas quais nos sentimos atraídas fisicamente, aquelas com quem gostamos de conversar e pessoas por quem nos sentimos emocionalmente ligados.
 
Pode dizer-se que nos ligamos às pessoas que nos devolvem conteúdo porque, por muito que possa querer parecer o contrário, é sempre o nosso cérebro quem autoriza que nos libertemos face a um determinado estímulo. O amor é mental e só depois passa a reunir as diferentes componentes.
 
Ninguém vai para um encontro com alguém sem minimamente saber o que pretende do outro, pelo que existe uma libertação prévia desse desejo e dessa necessidade, seja pelo que nos falaram acerca da pessoa, seja porque se trata de um encontro marcado, seja porque a pessoa já nos despertou algum interesse, nem que seja através de uma imagem ou foto.
 
Passada esta fase, perguntamos como é que se mantém esse interesse e, é aí que entram as emoções que só evoluem quando há um conteúdo no outro que nos interesse e que nos faça sentir algo especial.
 
Uma simples história de vida, um episódio caricato que nos faça rir, enfim, são muitas as emoções que se podem explicar através de um primeiro encontro, mas que só ganham expressão quando as assumimos; quando dizemos a nós mesmos que gostamos daquela pessoa porque nos fez emocionar, porque nos fez rir, porque nos fez recordar algo e daí por diante.
 
Ultrapassada essa fase, já existe alguma ligação entre duas pessoas e, é nessa etapa que o nosso cérebro vai libertando uma maior descontração para poder ir incluindo o outro no seu pensamento. É importante termos em conta que tudo funciona a partir do cérebro e do pensamento que é mais ou menos autorizado em cada situação.
 
Não é por acaso que os namoricos da adolescência pecam pela falta de racionalidade, uma vez que o cérebro ainda não está preparado para assumir um compromisso, o que só vem a acontecer um pouco mais tarde, mas essa experiência é importante para o indivíduo se conhecer a si mesmo.
 
Na idade adulta, já temos todos os requisitos para “aceitar” ou “rejeitar” uma pessoa na nossa vida, sendo que o processo resulta sempre a partir das experiências e vivências anteriores, mas acima de tudo, é importante tomar consciência dos nossos atos, pensar, ponderar e deixar de acreditar que o amor é algo que nos surge no vazio. Na realidade gostamos de quem está disponível para nós e, se o primeiro impacto visual pode ser importante, muito mais será a conversa, a partilha e o conhecimento entre duas pessoas.
 
O alimento da relação ocorre a partir da qualidade do conteúdo que é partilhado. Uma pessoa que se feche em si mesma e que pouco fale de si, naturalmente terá mais dificuldade em ser interessante num primeiro encontro, o que não quer dizer que não se vá libertando à medida em que se sente mais segura e confiante nos encontros seguintes.
 
A qualidade do conteúdo é a “ousadia” de conseguir falar sobre si mesmo e sobre um ou outro ponto pessoal, isso é fundamental para que a relação evolua. Dificilmente nos atraímos por alguém que não conhecemos, pelo que vamos exigir que a pessoa se liberte em função daquilo que lhe vamos dando também.
 
Não é preciso ler uma enciclopédia para ter conteúdos interessantes num encontro amoroso, ficou claro que o essencial é falar de si, mostrar-se e estar interessado nesse encontro e na pessoa, o resto vai surgindo através da conversa descontraída e daquilo que se consegue acrescentar encontro após encontro. Boa sorte!
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88013)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37624)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21288)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15188)

Não podemos viver sem amor

(12347)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11531)

A mentira: um mal necessário

(9677)

Idade não traduz maturidade

(9498)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9461)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8947)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8685)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8654)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7343)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6352)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6035)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5797)

É Demissexual?

(5610)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5527)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5414)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5393)

A “ciência” do aperto de mão

(5266)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5040)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4951)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4916)

O poder das ervas aromáticas

(4880)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4826)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4825)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4716)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4632)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4572)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4553)

A família é a base do sucesso escolar

(4504)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4397)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4370)

O que muda na mulher aos 40?

(4368)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4339)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4297)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4290)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4266)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4232)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4153)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4105)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4068)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3990)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3957)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3901)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3893)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3857)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3841)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3821)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Covid.19:Novos casos são de Lagos e Portimão (contagem por concelho)

Covid.19:Novos casos são de Lagos e Portimão (contagem por concelho)

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Teatro da Figuras de Faro já faz 15 anos

Teatro da Figuras de Faro já faz 15 anos

ver mais
 
Portimão aprova estratégia "robusta e ambiciosa" a 10 anos na defesa da floresta contra incêndios

Portimão aprova estratégia "robusta e ambiciosa" a 10 anos na defesa da floresta contra incêndios

ver mais
 
Portimão:Praticante de paraquedismo ficou preso em cabos elétricos

Portimão:Praticante de paraquedismo ficou preso em cabos elétricos

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio