Desporto

Mafra surpreende Portimonense e apura-se para meias-finais da Taça de Portugal

Foto|Portimonense
Foto|Portimonense  
O Mafra, da II Liga de futebol, assumiu esta quinta-feira, o papel de grande ‘tomba-gigantes’ da atual edição da Taça de Portugal, batendo o Portimonense (4-2) na casa do clube primodivisionário para atingir as meias-finais da prova.

No jogo dos ‘quartos’, a equipa orientada por Ricardo Sousa fez uma primeira parte de alto nível, saindo para o intervalo a vencer por 3-1, com golos de Rodrigo Martins (04 minutos), Gui Ferreira (16, de penálti) e Pedro Lucas (36) e resposta de Nakajima (31) pelo meio.
 
No segundo tempo, o central Bura, de grande penalidade (71), colocou definitivamente os forasteiros nas ‘meias’, enquanto Aylton Boa Morte reduziu já nos descontos (90+1).
 
Com o sonho do Jamor em aberto, o Mafra, único semifinalista da prova que não milita no principal escalão e cuja presença nos ‘quartos’ já era inédita, vai agora encontrar o Tondela, em dois jogos que vão definir o adversário de Sporting ou FC Porto na final da Taça. 
 
Os forasteiros surpreenderam o Portimonense com o golo inaugural logo aos quatro minutos, num contra-ataque de Rodrigo Martins, que pegou na bola quase junto à sua área e conduziu até ao lado contrário sem oposição até desferir um remate sem hipóteses para Payam.
 
Apesar de Nakajima ter respondido logo a seguir com um remate ao poste (seis minutos), a vantagem deu confiança ao Mafra, que mostrou atitude descomplexada e muita dinâmica, perante um Portimonense sobranceiro.
 
Aos 16 minutos, Gui Ferreira converteu uma grande penalidade para o 2-0, após falta de Pedrão sobre Aparício, e a primeira parte continuou a alto ritmo, com oportunidades desperdiçadas por Rodrigo Martins (22) e Aylton Boa Morte (24), antes de Nakajima reduzir, com um ‘tiro’ de fora da área após livre estudado (31).
 
O Portimonense tentou chegar-se mais à frente, mas continuou a mostrar permissividade defensiva: Angulo perdeu a bola para Tomás Domingos e o lateral cruzou a preceito para o cabeceamento de Pedro Lucas ‘nas costas’ de Willyan (36).
 
Paulo Sérgio operou duas mudanças ao intervalo, para tentar mudar o rumo dos acontecimentos, embora a segunda parte tenha arrancado com uma grande oportunidade desperdiçada por Gui Ferreira, que ‘sentou’ um adversário e rematou para defesa de Payam (46).
 
Apesar das alterações e de ter maior posse de bola, o Portimonense passou largos momentos do segundo tempo sem criar perigo, perante um Mafra mais confortável a guardar a vantagem e que, aos 71 minutos, ‘matou’ o jogo, por Bura, de penálti.
 
Até final, o Portimonense ainda reduziu, mas só nos descontos, por Aylton Boa Morte (90+1), sem tempo de evitar um resultado surpreendente.
 
Lusa