Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Mudamos quando sentimos que o novo caminho é mais aliciante
Imprimir Partilhar por email
Se há coisas que não podemos mudar, há outras que são da nossa total e inteira responsabilidade, como é o caso das formas de estar, de agir e de pensar.
 
É verdade que não podemos mudar a nossa herança genética, aquilo que já vivemos e sentimos num determinado momento, mas deixa-nos muito confortáveis e tranquilos o facto de saber que temos todas as oportunidades que quisermos para reformular, iniciar e pensar de outra forma quando decidimos mudar nem que seja um aspeto na nossa vida.
 
Uma simples mudança de visual pode oferecer-nos uma imagem mais agradável quando nos vemos ao espelho e, a partir daí sentirmo-nos mais confiantes para uma entrevista de emprego, para uma mudança de local para beber um café, para fazer novas amizades, travar novos conhecimentos. É essencial que nos demos oportunidade de inovar precisamente para que nos sintamos a evoluir e a descobrir novas potencialidades em nós mesmos e até em dar uma nova oportunidade a outra pessoa.
 
É imperioso ter em conta que, sempre que nos sentimos motivados e confiantes, arriscamos fazer algo diferente, por isso temos de nos dar oportunidade de participar e de sair da nossa zona de conforto e procurar um novo livro, uma nova música, uma nova companhia para almoçar e daí por diante. Quando tudo parece que está sabido e esgotado, percebemos que é sempre possível mudar o rumo de um sentimento, de uma forma de estar e de pensar, basta que mudemos uma crença tão simples quanto acreditar que “se perdermos um comboio já não podemos apanhar outro” ou que “não há amor como o primeiro” e ainda pior que consideremos que não há amor como o da nossa mãe quando sabemos que há boas mães e más progenitoras. Não podemos generalizar os factos e, isso só se consegue alterar conquistando mais conhecimentos, alargando os nossos horizontes, ouvindo outras pessoas e falando de nós mesmos também.
 
Temos de nos libertar de um conjunto de mitos e de crenças para que possamos avançar; sair de uma determinada situação dolorosa e isso só se consegue procurando alternativas e acreditando que podemos sempre mudar aquilo que quisermos. Tal como mudamos a cor de cabelo e dos olhos, podemos mudar o estilo de vestir, podemos integrar um novo grupo, participar num evento e descobrir novas sensações. Aos poucos, vamos abrindo as nossas portas emocionais para outras formas de criatividade e de estar na vida. É tudo uma questão de reformular aquilo em que já acreditamos e dar-lhe um sentido diferente. Dessa forma percebemos que, as mudanças se iniciam dentro de nós: acreditando que é possível alterar, descobrindo novos caminhos e possibilidades e, acima de tudo, percebendo que, o que nos torna livres e felizes é sermos capazes de aprender com os outros, de transformar, de adequar a nós mesmos e a criarmos algo e criativo; algo só nosso. Isso é que faz a diferença e valida a nossa identidade.
 
É tornando-nos mais abertos que respeitamos mais os outros, que pensamos melhor e que consideramos mais possibilidades. Se fizermos este pequeno exercício de pensar um pouco além, vamos perceber que não andamos atrás de modas e de tradições, apesar de sabermos que elas existem, o que fazem e o que pretendem e, passamos a criar o nosso próprio estilo e forma de estar na vida. Gostamos de ser como somos, gostamos de saber mais e de crescer interiormente e descobrimos a vida noutra perspetiva. Acredite que vale mesmo a pena fazer algo novo nem que seja uma vez por semana. Dar mais de si nas atividades que realiza e pensar nos outros de forma mais humana, pois afinal, cada um à sua maneira, todos vivemos para sermos mais felizes e para nos encontrarmos, para sabermos mais e descobrirmos novas formas de felicidade. Assusta-nos o desconhecido, mas se não pensarmos em nós e na nossa vida, acabamos por ser estrangeiros dentro de nós mesmos! O que nos leva mais ao desconhecido, almoçar num sítio diferente, ou não conseguirmos sequer identificar as nossas emoções face ao que estamos a fazer repetidamente?
 
Certamente que já chegou ao que pretendo… mude qualquer coisa em prol de si, do seu bem-estar e felicidade e isso passa por se conhecer mais a si mesmo e por olhar os outros como gostaria que olhassem para si: como pessoas, como humanos, como alguém que merece o seu lugar no mundo e o direito a ser capazes de tirar o melhor de si para ser feliz!
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86722)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36573)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(17175)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13155)

Não podemos viver sem amor

(11639)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10206)

A mentira: um mal necessário

(8775)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8579)

Idade não traduz maturidade

(8289)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7862)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7818)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7047)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5341)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5329)

É Demissexual?

(5024)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4993)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4793)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4406)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4342)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4308)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4304)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4152)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4146)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4132)

A “ciência” do aperto de mão

(4101)

O poder das ervas aromáticas

(4083)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3938)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3897)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3830)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3788)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3775)

A família é a base do sucesso escolar

(3770)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3769)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3725)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3714)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3710)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3705)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3684)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3610)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3561)

O que muda na mulher aos 40?

(3556)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3522)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3427)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3335)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3308)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3280)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3267)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3248)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3235)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3232)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
"Trilho dos pescadores" já chega a Lagos

"Trilho dos pescadores" já chega a Lagos

ver mais
 
Carreiras de barco entre Faro e a Ilha do Farol prolongadas para todo o ano

Carreiras de barco entre Faro e a Ilha do Farol prolongadas para todo o ano

ver mais
 
"Ópera Rocks" no Cine-Teatro Louletano com projeto musical "original"

"Ópera Rocks" no Cine-Teatro Louletano com projeto musical "original"

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio