Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Não podemos viver sem amor
Imprimir Partilhar por email
17-08-2013 - 23:05
Segundo alguns entendidos, o amor é a base do equilíbrio e da estabilidade humana, simplesmente é muitas vezes descurado, camuflado e desviado das atenções como forma de protecção.
 
Para esclarecer um pouco melhor esta dualidade entre o sentir e o não querer sentir ou assumir o que realmente nos envolve em termos emocionais, é importante ter em conta que, no cérebro humano funcionam um conjunto de conexões que ultrapassam a razão e que nos colocam ao nível dos demais mamíferos. 
 
Quer isto dizer que, apesar de sermos racionais, existe uma área do cérebro que se activa a partir das sensações que os outros nos transmitem. Perante este contacto em milésimos de segundo, o nosso cérebro desperta ou não interesse pela outra pessoa e sabe muito bem que tipo de relação quer desenvolver a partir dessa sensação. 
 
Perante esta realidade momentânea a que muitos chamam paixão, verificamos que se trata de algo inato e até mesmo controlável, uma vez que ultrapassa a dimensão racional e se projecta no domínio do subjectivo; do irracional e do afectivo. 
 
Perante o conjunto de memórias que nos ficam arquivadas desde o berço, verificamos que, ao nos ser proporcionado um momento semelhante, o nosso cérebro sabe diferenciar o positivo do negativo e o agradável do desagradável, a ponto de sentir um conjunto de emoções e de ser capaz de idealizar um percurso com uma pessoa que se viu em breves instantes, ou rejeitar alguém só porque o impacto inicial foi negativo. 
 
A partir desta constatação comprovada cientificamente, torna-se claro perceber que, se não nos envolvemos emocionalmente com outra pessoa é porque, a partir desse acto irracional, programamos o nosso cérebro para atitudes defensivas que acabam por controlar essas sensações. 
 
Nesta sequência, torna-se evidente que, naturalmente apaixonamo-nos, mas que racionalmente nos afastamos, seja por traumas, medos, outras preferências, falta de disponibilidade afectiva porque se está envolvido com outra pessoa, ou outros problemas de ordem psicológica. 
 
Recorde-se que, o facto de não amar alguém não é normal e que, quando nos apaixonamos por alguém que não nos corresponde, isso significa que temos essa disponibilidade alerta e que, mais cedo ou mais tarde, vamos encontrar essa correspondência. 
 
Claro que, se rejeitarmos os sentimentos permanentemente e sem uma razão concreta e explicável, devemos repensar no que se passa connosco e procurar apoio atempado, sob pena de perder grande parte da vida na solidão e a desesperar aquilo que não passa de um problema com solução desde que seja tratado. 
 
Em suma, o amor é algo inato; que deriva da espontaneidade afectiva e que requer alimento, por isso faz todo o sentido que o ser humano se enamore, se envolva e desfrute deste poder natural, mesmo que a paixão ocorra várias vezes ao longo da vida, pois até que encontremos aquela pessoa com quem possamos dividir o nosso mundo emocional, é possível que façamos várias tentativas, pois a par desta realidade, conhecemos a cumplicidade que se constrói a partir do tempo e do desenvolvimento afectivo, temos o prazer que se acrescenta a partir da troca e ainda a necessidade de partilhar algo com o outro, mas tudo isso surge de um primeiro contacto positivo que se deixa evoluir serenamente e com a energia emotiva do outro. 
 
Já sabe, amar não é difícil, o que pode complicar é o lado racional que, nem sempre aceita as coisas simples e os sentimentos verdadeiros e quer um estado tão superior que não existe em humanos.  
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

Anda com falta de desejo sexual? Confira a principal causa



-

Como é que se descobre o amor?



-

Sabia que a frustração ajuda-nos a crescer?



-

Qual é o valor das crenças na nossa vida?



-

Temos de ver a realidade como um todo



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Já conhece o cartaz da 38ª Concentração de Motos de Faro?

Já conhece o cartaz da 38ª Concentração de Motos de Faro?

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Ricardo Teodósio garante nos Açores novo pódio no Campeonato de Portugal de Ralis

Ricardo Teodósio garante nos Açores novo pódio no Campeonato de Portugal de Ralis

ver mais
 
Associativismo debatido em Lagos conclui que "pessoas vivem voltadas para si mesmas e não para a sociedade"

Associativismo debatido em Lagos conclui que "pessoas vivem voltadas para si mesmas e não para a sociedade"

ver mais
 
Karaté:Torneio Solidário Município de Olhão abre inscrições para atletas com deficiência motora

Karaté:Torneio Solidário Município de Olhão abre inscrições para atletas com deficiência motora

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio