Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
O amor não tem idade, mas tem (sempre) de ser partilhado!
Imprimir Partilhar por email
Incomoda-me muito ouvir as pessoas dizerem que dão algo sem receber nada em troca, que fizeram muito e nunca conseguiram receber igual, que amam e não conseguem ser correspondidas e que sofrem muito por causa daquela pessoa que não lhes liga. Este meu incómodo resulta da base de que, retribuímos aquilo que plantamos em tudo e com toda a gente, logo se alguém não nos retribui é porque não tem interesse e temos de respeitar e seguir em frente à espera de encontrar alguém mais disponível.
 
A minha tese fundamenta-se na ideia de que qualquer pessoa dá algo com o intuito de receber algo em troca. Entregamos afeto contanto que o outro nos retribua esse gesto, damos um presente em troca de um simples “obrigado”, fazemos uma boa ação para ver o brilho nos olhos de alguém. O que fazemos é dar um pouco de nós á espera que o outro saia do seu mundo e nos dê qualquer coisa em troca, a diferença é que nem sempre estamos à espera daquilo que nos é devolvido, tal como é verdade que há pessoas tão fechadas em si mesmas que nada sentem com os nossos gestos. Para essas também existe uma solução: é não lhes dar nada, uma vez que nada têm para partilhar. Para as outras, temos de ter a sensibilidade para analisar aquilo que nos devolveram. Nem sempre as pessoas nos dão a mesma medida daquilo que damos num determinado momento, mas fazem-no na situação a seguir; retribuem de outra forma, com outro tipo de atitude.
 
Penso que isto é que torna as relações humanas ricas e interessantes. Saber que o nosso desejo de dar se acrescenta com o alimento do outro. Quando esse alimento não existe, perdemos a nossa capacidade de dar algo àquela pessoa. Na realidade, não temos de carregar maus sentimentos dentro de nós, basta-nos aceitar que nem todas as pessoas estão disponíveis para nós, muito menos ao mesmo tempo. Não temos de dar insistentemente à espera que o outro acorde e desperte para nós, uma vez que isso nos coloca numa submissão e dependência difícil de suportar e ainda mais nos corta o prazer de dar algo a alguém. O que temos a fazer é dar o primeiro passo e ver o resultado da nossa ação. Se o outro devolver algo que nos motive para continuar, prosseguimos, caso contrário, aceitamos a sua indiferença e concentramo-nos noutro alvo.
 
Penso que se compreendermos as relações com esta simplicidade, não nos humilhamos, não perdemos tempo, energia e, acima de tudo, reunimo-nos com pessoas que estão em linha connosco e de boa fé.
 
Esta base estende-se a todas as relações humanas. Um funcionário que dá o seu melhor a uma empresa e o chefe não é capaz de lhe reconhecer esse empenho e valor, deve ponderar a sua saída para um local onde possa ser mais reconhecido. Não temos de suportar relações de maus-tratos de qualquer espécie. Temos autoestima, temos valor, temos o nosso empenho e conhecimento. Somos pessoas, não somos objetos. Não podemos ser tratados dessa forma desprezível.
 
O mesmo se passa num namoro ou num casamento. Temos de ser lúcidos e exigentes com as pessoas a quem damos o nosso amor. O nosso tempo, afeto e atenção são de tal forma preciosos que não se podem perder com quem não nos dá algo equivalente em troca. Eu dou o meu amor a quem mo alimenta e ponto final. Nas amizades passa-se exatemente a mesma coisa. Dou amizade a quem a merece, não perco tempo e energia com quem goza com os meus sentimentos. Temos de ter esta coragem de gostar muito de nós a ponto de não nos sujeitarmos a qualquer tipo de uso e de abuso. Se pensarmos tanto quanto sentimos, vamos ver que o amor se baseia na inteligência e nos sentimentos e que, essa fusão dá lugar a uma inteligência amorosa e a uma intuição particular. Se sentimos que alguém só recebe aquilo que lhe damos e que não dá nada em troca, nem vale a pena insistir, pois a pessoa não está em linha connosco.
 
Acredito que o amor partilhado é a melhor forma de nos relacionarmos com os outros para sermos mais seguros e confiantes, já que é fácil saber se o outro gosta de nós a partir das suas ações. Não nos podemos esquecer que, numa relação é tão importante o que a pessoa nos diz como aquilo que faz. Se houver coerência entre estas duas partes, a relação avança num bom sentido, se a pessoa diz uma coisa e faz outra isso deve constituir um motivo de alerta para não darmos demais.
 
Longe vão os tempos em que o amor tinha de ser sofrido, em que a mulher dava tudo em troca do desprezo do marido, em que o parceiro se refugiava na bebida e no futebol com os amigos para não discutirem, para não estarem em casa juntos… Se pensarmos bem, isto é amor? Claro que não, esta é uma forma de não estar sozinho na vida e de não abrir a porta a uma pessoa compatível connosco e capaz de nos corresponder afetivamente. Sem partilha não há amor, sem alimento a relação não cresce. Se deixarmos o nosso casamento à mercê dos amigos e das opiniões dos outros sem alimentarmos quem amamos, em poucos meses não temos uma relação, mas várias relações com todas as pessoas que nos aconselham e, quando damos por nós, o amor inicial desapareceu.
 
Sugiro que, uma vez sentido aquele sentimento muito especial, que se alimente de parte a parte, que tenhamos a certeza se estamos apaixonados por nós ou pela outra pessoa, pois isso também acontece; ficamos tão felizes por ter interesse em alguém que aumentamos a nossa autoestima e pensamos que amamos perdidamente alguém quando, no fundo, estamos é muito bem connosco próprios. Dê tempo a si mesmo, à sua relação, aos encontros, aos programas a dois e repare nos pequenos detalhes. É sempre você a pagar o jantar? Pondere muito bem se essa pessoa está mesmo interessada em si ou no seu dinheiro. Só se preocupa em estar consigo e com os amigos? Verifique se é mesmo em si que a pessoa está de olho. Tenha coragem de fazer estas perguntas antes de se entregar perdidamente a uma relação. Analise de fora e entre aos poucos. Coloque pé ante pé á medida em que o outro lhe devolve o que está a dar. Assim, terá sempre relações baseadas na verdade e nos sentimentos verdadeiros construídos em comum. Não arrisque dar passos à frente, pois corre o risco de não ser acompanhado.
 
Alguém dizia: Não caminhes à minha frente posso não seguir-te, não caminhes atrás de mim, posso não saber guiar-te. Caminha ao meu lado e ama-me como eu te amo!
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87401)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37159)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19231)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(14020)

Não podemos viver sem amor

(11996)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10998)

A mentira: um mal necessário

(9158)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9053)

Idade não traduz maturidade

(8840)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8343)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8288)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8031)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6814)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5720)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5599)

É Demissexual?

(5350)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5299)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5165)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5105)

A “ciência” do aperto de mão

(4722)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4713)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4673)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4653)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4533)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4478)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4471)

O poder das ervas aromáticas

(4436)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4348)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4247)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4230)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4173)

A família é a base do sucesso escolar

(4135)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4061)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4052)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4051)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4026)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4025)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4018)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4013)

O que muda na mulher aos 40?

(3952)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3847)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3822)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3744)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3646)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3640)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3625)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3617)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3556)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3535)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3532)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Caso de Covid-19 em Lagos está ligado a emigrante português

Caso de Covid-19 em Lagos está ligado a emigrante português

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Centro Nacional de Reprodução do Lince Ibérico de Silves assistiu ao nascimento de 3 crias

Centro Nacional de Reprodução do Lince Ibérico de Silves assistiu ao nascimento de 3 crias

ver mais
 
Câmara Municipal de Lagoa disponibiliza primeira tranche de apoio às IPSS do concelho de Lagoa

Câmara Municipal de Lagoa disponibiliza primeira tranche de apoio às IPSS do concelho de Lagoa

ver mais
 
Monchique interdita parques de merendas e acesso ao Alto da Fóia

Monchique interdita parques de merendas e acesso ao Alto da Fóia

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio