Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
O amor não tem idade, mas tem (sempre) de ser partilhado!
Imprimir Partilhar por email
Incomoda-me muito ouvir as pessoas dizerem que dão algo sem receber nada em troca, que fizeram muito e nunca conseguiram receber igual, que amam e não conseguem ser correspondidas e que sofrem muito por causa daquela pessoa que não lhes liga. Este meu incómodo resulta da base de que, retribuímos aquilo que plantamos em tudo e com toda a gente, logo se alguém não nos retribui é porque não tem interesse e temos de respeitar e seguir em frente à espera de encontrar alguém mais disponível.
 
A minha tese fundamenta-se na ideia de que qualquer pessoa dá algo com o intuito de receber algo em troca. Entregamos afeto contanto que o outro nos retribua esse gesto, damos um presente em troca de um simples “obrigado”, fazemos uma boa ação para ver o brilho nos olhos de alguém. O que fazemos é dar um pouco de nós á espera que o outro saia do seu mundo e nos dê qualquer coisa em troca, a diferença é que nem sempre estamos à espera daquilo que nos é devolvido, tal como é verdade que há pessoas tão fechadas em si mesmas que nada sentem com os nossos gestos. Para essas também existe uma solução: é não lhes dar nada, uma vez que nada têm para partilhar. Para as outras, temos de ter a sensibilidade para analisar aquilo que nos devolveram. Nem sempre as pessoas nos dão a mesma medida daquilo que damos num determinado momento, mas fazem-no na situação a seguir; retribuem de outra forma, com outro tipo de atitude.
 
Penso que isto é que torna as relações humanas ricas e interessantes. Saber que o nosso desejo de dar se acrescenta com o alimento do outro. Quando esse alimento não existe, perdemos a nossa capacidade de dar algo àquela pessoa. Na realidade, não temos de carregar maus sentimentos dentro de nós, basta-nos aceitar que nem todas as pessoas estão disponíveis para nós, muito menos ao mesmo tempo. Não temos de dar insistentemente à espera que o outro acorde e desperte para nós, uma vez que isso nos coloca numa submissão e dependência difícil de suportar e ainda mais nos corta o prazer de dar algo a alguém. O que temos a fazer é dar o primeiro passo e ver o resultado da nossa ação. Se o outro devolver algo que nos motive para continuar, prosseguimos, caso contrário, aceitamos a sua indiferença e concentramo-nos noutro alvo.
 
Penso que se compreendermos as relações com esta simplicidade, não nos humilhamos, não perdemos tempo, energia e, acima de tudo, reunimo-nos com pessoas que estão em linha connosco e de boa fé.
 
Esta base estende-se a todas as relações humanas. Um funcionário que dá o seu melhor a uma empresa e o chefe não é capaz de lhe reconhecer esse empenho e valor, deve ponderar a sua saída para um local onde possa ser mais reconhecido. Não temos de suportar relações de maus-tratos de qualquer espécie. Temos autoestima, temos valor, temos o nosso empenho e conhecimento. Somos pessoas, não somos objetos. Não podemos ser tratados dessa forma desprezível.
 
O mesmo se passa num namoro ou num casamento. Temos de ser lúcidos e exigentes com as pessoas a quem damos o nosso amor. O nosso tempo, afeto e atenção são de tal forma preciosos que não se podem perder com quem não nos dá algo equivalente em troca. Eu dou o meu amor a quem mo alimenta e ponto final. Nas amizades passa-se exatemente a mesma coisa. Dou amizade a quem a merece, não perco tempo e energia com quem goza com os meus sentimentos. Temos de ter esta coragem de gostar muito de nós a ponto de não nos sujeitarmos a qualquer tipo de uso e de abuso. Se pensarmos tanto quanto sentimos, vamos ver que o amor se baseia na inteligência e nos sentimentos e que, essa fusão dá lugar a uma inteligência amorosa e a uma intuição particular. Se sentimos que alguém só recebe aquilo que lhe damos e que não dá nada em troca, nem vale a pena insistir, pois a pessoa não está em linha connosco.
 
Acredito que o amor partilhado é a melhor forma de nos relacionarmos com os outros para sermos mais seguros e confiantes, já que é fácil saber se o outro gosta de nós a partir das suas ações. Não nos podemos esquecer que, numa relação é tão importante o que a pessoa nos diz como aquilo que faz. Se houver coerência entre estas duas partes, a relação avança num bom sentido, se a pessoa diz uma coisa e faz outra isso deve constituir um motivo de alerta para não darmos demais.
 
Longe vão os tempos em que o amor tinha de ser sofrido, em que a mulher dava tudo em troca do desprezo do marido, em que o parceiro se refugiava na bebida e no futebol com os amigos para não discutirem, para não estarem em casa juntos… Se pensarmos bem, isto é amor? Claro que não, esta é uma forma de não estar sozinho na vida e de não abrir a porta a uma pessoa compatível connosco e capaz de nos corresponder afetivamente. Sem partilha não há amor, sem alimento a relação não cresce. Se deixarmos o nosso casamento à mercê dos amigos e das opiniões dos outros sem alimentarmos quem amamos, em poucos meses não temos uma relação, mas várias relações com todas as pessoas que nos aconselham e, quando damos por nós, o amor inicial desapareceu.
 
Sugiro que, uma vez sentido aquele sentimento muito especial, que se alimente de parte a parte, que tenhamos a certeza se estamos apaixonados por nós ou pela outra pessoa, pois isso também acontece; ficamos tão felizes por ter interesse em alguém que aumentamos a nossa autoestima e pensamos que amamos perdidamente alguém quando, no fundo, estamos é muito bem connosco próprios. Dê tempo a si mesmo, à sua relação, aos encontros, aos programas a dois e repare nos pequenos detalhes. É sempre você a pagar o jantar? Pondere muito bem se essa pessoa está mesmo interessada em si ou no seu dinheiro. Só se preocupa em estar consigo e com os amigos? Verifique se é mesmo em si que a pessoa está de olho. Tenha coragem de fazer estas perguntas antes de se entregar perdidamente a uma relação. Analise de fora e entre aos poucos. Coloque pé ante pé á medida em que o outro lhe devolve o que está a dar. Assim, terá sempre relações baseadas na verdade e nos sentimentos verdadeiros construídos em comum. Não arrisque dar passos à frente, pois corre o risco de não ser acompanhado.
 
Alguém dizia: Não caminhes à minha frente posso não seguir-te, não caminhes atrás de mim, posso não saber guiar-te. Caminha ao meu lado e ama-me como eu te amo!
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86468)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36243)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(15976)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(12677)

Não podemos viver sem amor

(11414)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(9740)

A mentira: um mal necessário

(8594)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8373)

Idade não traduz maturidade

(7942)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7653)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7639)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(6581)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5159)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5071)

É Demissexual?

(4867)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4856)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4652)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4253)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4179)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4148)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(3996)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(3987)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(3969)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(3944)

O poder das ervas aromáticas

(3864)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3769)

A “ciência” do aperto de mão

(3741)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3657)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3647)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3645)

A família é a base do sucesso escolar

(3605)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3598)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3596)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3582)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3558)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3537)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3521)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3504)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3452)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3431)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3367)

O que muda na mulher aos 40?

(3329)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3292)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3214)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3180)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3128)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3118)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3077)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3068)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3062)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Comissão Nacional do Território e CCDR Algarve alinhadas quanto ao licenciamento de casas móveis

Comissão Nacional do Território e CCDR Algarve alinhadas quanto ao licenciamento de casas móveis

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
São Brás de Alportel informou sobre apoios existentes a emigrantes que regressem a Portugal

São Brás de Alportel informou sobre apoios existentes a emigrantes que regressem a Portugal

ver mais
 
Festival de Órgão do Algarve nas Igrejas de Faro, Portimão, Boliqueime e Tavira

Festival de Órgão do Algarve nas Igrejas de Faro, Portimão, Boliqueime e Tavira

ver mais
 
Autores algarvios apresentam "Lendas Alentejanas"

Autores algarvios apresentam "Lendas Alentejanas"

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio