Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
O amor verdadeiro não aceita dependência
Imprimir Partilhar por email
Os sentimentos são sempre um plano de vida que motiva muita curiosidade, especialmente porque, em cada tempo de vida, precisamos de atualizar a nossa forma de nos posicionarmos no mundo, nas relações com os outros e acima de tudo, compreendermo-nos melhor e saber o que sentimos.
 
Quando digo que o amor verdadeiro não aceita dependência, é porque ao longo da vida conhecemos diferentes tipos de sentimentos e também diversas formas de amar ou que julgamos ser amor.
 
Um indivíduo nasce no seio de uma família e desenvolve sentimentos pelos pais, aos poucos começa a despertar para outros familiares e, mais tarde para as amizades.
 
Quando vive o primeiro sentimento mais próximo do amor é, muitas vezes, já na idade adulta quando encontra alguém que reúna as características que foi conhecendo em diferentes pessoas. Não é por acaso que se diz que raramente casamos com aquela pessoa que nos despertou para o mundo afetivo na adolescência, uma vez que, não havia uma intenção clara de descobrir o amor, mas sim de nos conhecermos melhor a nós próprios.
 
Na idade adulta, já temos uma maior consciência de nós próprios e, com ela, um maior conhecimento daquilo que procuramos noutra pessoa que nos possa ajudar a devolver aquilo que sentimos.
 
O amor passa por diferentes fases até que se consolide, sendo essencial que nos vamos posicionando naquela que mais se aproxima com aquilo que somos e sentimos.
 
Muitas vezes, experimentamos relações com várias pessoas até que encontremos esse potencial de identificação com o outro. São muitos os casos em que o amor nasce e se desenvolve com a mesma pessoa inicial, o que permite uma maior e mais rápida clarificação do que pretendemos com esse relacionamento.
 
Como estamos sempre a evoluir mentalmente, é natural que o nosso conceito de amor também se altere ao longo dos tempos e que até possamos ver uma mesma pessoa “com outros olhos”.
 
A evolução ocorre em todos os sujeitos, razão pela qual, no seio de uma relação há altos e baixos, momentos de maior ou menor paixão e intensidade, mas perante os confrontos, sabemos que queremos estar com aquela pessoa, mesmo que não consigamos reunir muitas justificações: sentimos esse desejo.
 
À medida em que passamos por todas essas etapas, com a mesma pessoa ou com outra, sentimos que os nossos sentimentos se vão aperfeiçoando e que deixamos de falar em amor como algo abstrato. Sabemos descrever aquilo que sentimos e o que mais gostamos na outra pessoa, sabendo claramente separar as nossas características também. É nesse ponto de amadurecimento que se quebram as dependências.
 
É nessa fase que sabemos aquilo com que podemos contar em nós próprios e, muito melhor aquilo com que contamos com o outro. Amamos em liberdade. Quando parecia que o amor estava a acabar, é quando se constata que o amor nasceu e vingou, pois é quando conseguimos ver o outro de fora e sentir um conjunto de emoções concretas.
 
Já se pensou que o amor só pode ser sentido, mas eu defendo que o amor tem de “ser autorizado” pela nossa mente e corpo para que se consolide, logo não pode manter-se no domínio abstrato, mas sim concreto com direito a sonhos!
 
À medida em que amadurecemos os nossos sentimentos e a forma como vemos o mundo, sabemos muito melhor a importância que a outra pessoa assume na nossa vida e o quanto acrescenta aquilo que temos e somos. Isso é amor!
 
Isso é a vontade de ser feliz ao lado do outro e assumir que, juntos enfrentam muitos mais desafios do que em separado.
 
Assume-se que a companhia é tão importante como a intimidade, assume-se que se está com amigos, mas que se gosta de chegar a casa e estar com aquela pessoa, assume-se e afirma-se que, a nossa vida sem aquela pessoa não faria o mesmo sentido. Esquece-se o medo da perda e tira-se partido do que se tem.
 
Afastamo-nos do que os outros pensam a nosso respeito e assumimos que gostamos de agradar a quem amamos e, tudo faz um sentido diferente para a nossa vida.
 
Nessa fase também nos preocupamos muito menos com pormenores e em ter de agradar ao outro, já que isso passa a ser garantido pelo facto de existir uma boa relação e um bom entendimento no seio do casal. Essas preocupações passam para a criatividade de fazer planos em conjunto e dá-se mais solidez aos sentimentos.
 
Deixa de ser preciso falar tudo porque sabemos que o outro nos entende quase que só por gestos e despertamos para novas emoções no exterior, nomeadamente passeios, convívios, visitas culturais entre outros programas que abarcam os gostos de ambos. Existe um foco em ser feliz.
 
Só o tempo nos permite alcançar este estádio de amor. Antes desta construção, passamos por muitos medos, por uma grande necessidade de nos projetarmos no outro e por nos esquecermos de nós mesmos. Quando encontramos este estado de tranquilidade interior e que se divide com o outro, podemos dizer que encontramos o amor e, sem dependências de qualquer espécie!
 
É nesta fase que percebemos o valor do tempo, a necessidade de fazer mais planos em conjunto e de elogiarmos o outro para que seja cada vez mais feliz. Não existe uma idade para este encontro, existe uma maturidade que se constrói na relação e que precisa de tempo, dedicação e muita compreensão e respeito.
 
No fundo, só encontra o amor quem percebe que, por muitos planos materiais que tenhamos, é o amor que dá sentido à nossa existência. É o sermos capazes de nos assumirmos e mostrarmos a alguém tal como somos e sermos corajosos para ver o outro na sua plenitude sem julgamentos ou preconceitos que, esses sim, causam dependências porque estamos sempre a preparar o nosso cérebro para algo que no fundo, não aceitamos.
 
Amar em liberdade é mesmo usar a libertação no sentido literal da palavra!
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86725)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36577)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(17199)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13160)

Não podemos viver sem amor

(11641)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10212)

A mentira: um mal necessário

(8778)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8582)

Idade não traduz maturidade

(8290)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7864)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7820)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7052)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5343)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5333)

É Demissexual?

(5025)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4994)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4794)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4407)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4351)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4310)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(4307)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4154)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(4149)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4133)

A “ciência” do aperto de mão

(4103)

O poder das ervas aromáticas

(4085)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3939)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3833)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3790)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3776)

A família é a base do sucesso escolar

(3772)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3771)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3727)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3715)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3711)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3708)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3686)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3613)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3562)

O que muda na mulher aos 40?

(3560)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3523)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3429)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3336)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3309)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3283)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3273)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3249)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3236)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3234)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

António Miguel Pina responde a comunicado da União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

Réveillon de Faro ao som dos “Melomeno Rítmica” e dos DJs “Bubba Brothers”

ver mais
 
Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

Município de Loulé e ARS Algarve esclarecem utentes da Extensão de Saúde de Boliqueime

ver mais
 
"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

"Novo" Parque de Campismo da Praia de Faro já tem regulamento aprovado

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio