Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
O que está a tornar o nosso mundo tão acelerado?
Imprimir Partilhar por email
A pressa para chegar ao conhecimento, ao topo da carreira, ao investir muita da nossa saúde por dinheiro e depois gastá-lo para recuperar a saúde, a necessidade de estar na moda, de adquirir a ultima tecnologia que, apesar de ser parecida à anterior, nos dá a ilusão de que estamos atualizados, o excesso de oferta que nos coloca numa permanente sensação de incerteza e de necessidade de estar alinhados com os outros, sem que, muitas vezes tenhamos dinheiro para fazer face a esses gastos, são apenas a ponta do iceberg que está a tornar as nossas vidas aceleradas e que nos deve fazer pensar até que ponto vale a pena viver assim.
 
Na realidade, todos nascemos para nos tornarmos cada vez mais humanos, para mantermos relações saudáveis uns com os outros e para tirarmos mais partido do que somos e temos. Somos a civilização que mais recursos tem ao seu dispor, mas provavelmente a mais triste e infeliz de sempre. Todos recordamos o melhor que já fizemos nas etapas anteriores e encontramos momentos em família, com amigos, ao ar livre, em contacto com a natureza e, percebemos que éramos muito mais felizes com a simplicidade da vida do que com tanta exigência superficial e digital que temos hoje ao nosso dispor, mas não sabemos como travar esta aceleração.
 
Se é verdade que se trata de um sistema, também é um facto que cada um de nós pode optar pelo seu estilo de vida, pela forma como encontra a sua paz interior e a felicidade dentro da sua célula familiar. Todos podemos optar por fazer um uso inteligente dos recursos que temos ao nosso dispor, basta que, para isso, sejamos conscientes das nossas vontades, prioridades, valores e estilo de vida.
 
Não temos de seguir todos essa linha acelerada de ter tudo a qualquer preço, podemos utilizar as tecnologias para o nosso trabalho, para encurtar distâncias com quem está longe, mas recusar o vício de estar sempre ligado, de comprometer o nosso descanso e momentos em família. Não temos de imitar quem está a comunicar por mensagens estando no quarto ao lado do nosso. Podemos e devemos afirmar a nossa posição negando aquilo que não queremos. Não temos de mudar de carro de dois em dois anos quando até gostamos dele e não temos dinheiro para outro.
 
É importante que tenhamos em conta que, apesar de tudo estar em constante mudança e aceleração, cabe a cada um de nós encontrar o seu ponto de equilíbrio, decidir onde e como quer gastar o seu dinheiro e que pode imitar exemplos que melhor se encaixam na sua forma de vida.
 
É verdade que o marketing nos dá a ilusão de que “toda a gente vive assim”, mas trata-se de uma franja da sociedade. A maioria das pessoas não muda de computador e de smartphone todos os anos, muito menos faz assim as suas trocas de carro! Temos de perceber que, há quem siga a ultima tendência e há quem opte por se manter fiel aos seus princípios, pelo que tudo depende do rumo que queremos seguir, se estamos dispostos a abdicar da nossa qualidade de vida em prol do consumismo descartável ou se preferimos manter-nos como somos e, isso é um direito que nos assiste e que será tão respeitado quanto o soubermos afirmar para nós próprios.
 
Optar por um estilo de vida mais saudável, implica que cada um saiba muito bem aquilo que lhe dá prazer e que siga esse caminho sem se preocupar com as generalizações que não são mais do que um grupo de pessoas que gosta e, com todo o respeito também pela sua opção, de estar na linha da frente. Há pessoas que podem efetivamente seguir essas tendências e que gostam de viver assim, enquanto que há outras que nem podem, nem são mais felizes por viverem nessa corrida contra o tempo.
 
Já parou para pensar que todos queremos viver mais e apostamos nisso todos os dias, mas que não zelamos pela nossa saúde física, mental e emocional? Se queremos viver mais, que tenhamos mais qualidade de vida, mais momentos de prazer, menos obrigações e imposições tecnológicas. É importante que sejamos capazes de nos afirmar e de dizer a nós próprios que mantemos o nosso estilo de vida, as nossas prioridades e aquilo que nos faz bem. É fundamental que renovemos o nosso propósito no mundo, que sejamos importantes para nós próprios, para o nosso cônjuge, para os nossos filhos, que saibamos escolher as pessoas com quem gostamos de conviver porque nos acrescentam algo de novo e nos fazem bem.
 
Basicamente todos temos uma responsabilidade sobre as nossas escolhas e, é delas que depende viver de uma forma mais ou menos acelerada, mais ou menos descartável, mais ou menos livre e feliz.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87381)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37134)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19176)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13980)

Não podemos viver sem amor

(11986)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10986)

A mentira: um mal necessário

(9146)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9041)

Idade não traduz maturidade

(8825)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8328)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8277)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8005)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6795)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5713)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5595)

É Demissexual?

(5342)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5292)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5141)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5096)

A “ciência” do aperto de mão

(4711)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4705)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4664)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4647)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4522)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4471)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4456)

O poder das ervas aromáticas

(4426)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4337)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4236)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4222)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4166)

A família é a base do sucesso escolar

(4122)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4050)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4044)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4042)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4017)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4016)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4006)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3989)

O que muda na mulher aos 40?

(3942)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3841)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3815)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3735)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3635)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3631)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3617)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3608)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3549)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3526)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3524)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Covid.19: 4º óbito no Algarve registado no Hospital de Portimão

Covid.19: 4º óbito no Algarve registado no Hospital de Portimão

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Há 16 profissionais de saúde infetados no Algarve

Há 16 profissionais de saúde infetados no Algarve

ver mais
 
Município de Silves prorroga encerramento dos serviços e suspensão de prazos processuais

Município de Silves prorroga encerramento dos serviços e suspensão de prazos processuais

ver mais
 
Comércio de Albufeira não vai pagar taxas de publicidade nos próximos três meses

Comércio de Albufeira não vai pagar taxas de publicidade nos próximos três meses

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio