Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
O que fazer quando as pessoas não se entendem?
Imprimir Partilhar por email
Somos todos diferentes uns dos outros e, apesar de querermos agrupar-nos, nem sempre encontramos à primeira, à segunda ou à terceira tentativa, uma pessoa com quem construir um projeto de vida em comum.
 
São inúmeras as razões para que tal aconteça, de tal ordem que nem vale a pena dedicar muito tempo a tentar compreender esses motivos. Devemos confiar mais nos nossos sentimentos e colocar a razão a funcionar para tomar a decisão mais acertada em cada momento.
 
Nos dias de hoje, estamos “cheios” de teorias e tentativas para reconciliar as pessoas que não se entendem e, como resultado disso, temos uma sociedade mais ansiosa e menos capaz de procurar aquilo que o nosso cérebro realmente necessita: a tranquilidade.
 
Um dos grandes geradores da felicidade humana é aquele momento em que estamos em paz connosco próprios e com quem nos devolve boas energias e sensações. Não podemos fugir disto apesar de querermos “agarrar este mundo e o outro”. Todos queremos estar bem e ser felizes ou ter cada vez mais momentos de felicidade, nesse sentido, temos de procurar as melhores soluções para os nossos problemas e, a razão aliada à emoção são uma importante ajuda.
 
Não nascemos para andar em conflito uns com os outros. Nascemos para encontrar soluções para os nossos problemas e, quando alguém nos provoca mau-estar, tendemos a afastar-nos para nos sentirmos mais livres e longe dessa energia negativa.
 
Desde sempre que nos habituamos a proteger dos perigos e, cada vez mais sabemos que, “nem todas as batalhas se vencem lutando”. Há situações em que temos de nos distanciar para conseguirmos pensar e reformular. É nesse contexto que defendo que, devemos dar tempo e espaço a nós mesmos e aos outros pois a sobrecarga de tensões, nem sempre colhe bons resultados. Somos capazes de prever as situações em que vamos ficar mais inquietos e desconfortáveis, por isso, temos a obrigação de as evitar até que lhes retiremos essa importância.
 
Viver num mundo mais pacífico implica saber bem que o nosso cérebro quer paz e tranquilidade para ser feliz. Perante essa constatação, que sentido faz lidar com pessoas num ambiente de tensão e luta permanente? Estaremos certamente a lutar contra a nossa própria natureza e a adoecer.
 
Sou muito pragmática nesse sentido. Quando duas pessoas não se entendem, de nada serve a discussão para tentar mudar alguém. O diálogo é importante para encontrar os pontos em comum, quando este não é possível, mais vale “deixar ir”, que é como quem diz, procurar outro sentido para a nossa vida e permitir que a outra pessoa também o faça. Isso é respeito por nós próprios e pelos outros.
 
Naturalmente que me refiro a todas as relações em “beco sem saída”, sejam elas entre parceiros, amigos ou familiares. Não vale a pena arrastar problemas cuja solução apenas passa pelo distanciamento.
 
Neste contexto social, andamos todos muito mais empenhados em conseguir alcançar os nossos objetivos e os tais momentos de felicidade, pelo que vale a pena dedicar o nosso valioso tempo a quem nos faz felizes, ou com quem nos sentimos bem. Não percamos tempo e energia com “causas perdidas”. Acredito que esta será a melhor forma de evitar discussões e demais formas de violência, pois percebe-se que não vale a pena investir e desiste-se.
 
Não é vergonha alguma assumir que não se consegue um entendimento com algumas pessoas. 
 
“Vergonha” é saber disso e insistir tornando as relações cada vez mais insustentáveis.
 
As crenças levaram a arrastar relações sem futuro porque fomos habituados a insistir, a perdoar e a dar sucessivas oportunidades, mas qual é o resultado disso? 
 
Todos sabemos que só muda quem quer mudar e que, quando ocorre uma perda desse alimento tenso, se torna mais fácil analisar e tomar as decisões mais acertadas. Nesse sentido, afastemo-nos, pensemos e depois logo decidimos se vale ou não a pena reatar o relacionamento. Na maioria das situações esse afastamento possibilita uma tomada de consciência do erro e da necessidade de seguir outro caminho, por isso, treine as relações, melhore-se e verá que, afinal nem tudo tinha a importância que julgava à partida. Em nome do bem-estar e da tranquilidade que desejamos, vale a pena abdicar daquilo que nos causa sofrimento e ansiedade.
 
Precisamos de relações mais positivas entre as pessoas, tal como é necessário valorizarmos mais quem nos trata bem. Só conseguimos isso libertando-nos de quem nos alimenta as memórias negativas e as situações que queremos ultrapassar em nós mesmos.
 
As discussões são quase sempre baseadas nos nossos medos e nos problemas que temos para resolver dentro de nós, por isso, vale a pena resolver aquilo que nos inquieta e depois, aproveitar melhor as sensações positivas da vida. Ter tempo e liberdade para estar em contacto com a natureza, para namorar com quem amamos e nos ama, dar afetos aos nossos filhos, trabalhar com mais alegria e determinação e daí por diante. É tempo de dar um novo sentido à sua vida, acredite e cultive essa ideia, pois aos poucos, ela vai dar os seus frutos.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87385)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37140)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19189)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13990)

Não podemos viver sem amor

(11988)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10989)

A mentira: um mal necessário

(9147)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9046)

Idade não traduz maturidade

(8830)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8330)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8278)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8011)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6799)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5714)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5595)

É Demissexual?

(5344)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5294)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5145)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5097)

A “ciência” do aperto de mão

(4713)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4706)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4666)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4648)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4523)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4472)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4457)

O poder das ervas aromáticas

(4428)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4339)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4239)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4223)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4167)

A família é a base do sucesso escolar

(4126)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4052)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4045)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4045)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4019)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4018)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4008)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3990)

O que muda na mulher aos 40?

(3944)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3842)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3816)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3737)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3636)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3632)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3618)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3610)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3550)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3527)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3525)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Eram precisos 100 mil euros mas comunidade estrangeira da Quinta do Lago angariou mais de 350 mil

Eram precisos 100 mil euros mas comunidade estrangeira da Quinta do Lago angariou mais de 350 mil

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Idosa internada há algum tempo no Hospital de Faro também tem Covid.19

Idosa internada há algum tempo no Hospital de Faro também tem Covid.19

ver mais
 
Covid.19 - Albufeira supera Faro em número de casos

Covid.19 - Albufeira supera Faro em número de casos

ver mais
 
Covid.19 - Doentes algarvios que vão às urgências não são submetidos ao teste

Covid.19 - Doentes algarvios que vão às urgências não são submetidos ao teste

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio