siga-nos | seja fã
PUB
 

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo
Imprimir Partilhar por email
14-05-2015 - 15:56
De acordo com as declarações de Claudio Naranjo, psiquiatra chileno de 75 anos, a educação que estamos a dar ás nossas crianças e jovens, está a conduzir o mundo para um abismo.
 
Foi aos 60 anos que Claudio Naranjo despertou para o problema. Quando foi residir para os EUA e se tornou discípulo de Fritz Perls, um dos grandes terapeutas do século XX, e passou a integrar a equipa de terapeutas do Instituto Esalen da Califórnia. 
 
A partir deste momento passou a ter profundas experiências no mundo terapêutico e espiritual. Entrou em contato com o Sufismo e tornou-se um dos introdutores do Eneagrama no Ocidente. 
 
Aprofundou os seus estudos do budismo tibetano e do zen.
 
Claudio Naranjo tem dedicado a sua vida à pesquisa e ao ensino em universidades como Harvard e Berkeley. Fundou o programa SAT, uma integração de Gestalt-terapia, o Eneagrama e Meditação para enriquecer a formação de terapeutas e  professores.
 
Da sua vasta experiência surge um alerta: “ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar.”
 
O mesmo investigador adianta que, “para mudar o mundo é preciso mudar a educação.” Para que tal aconteça, é fundamental ter em conta que, “os alunos querem aprender, os conteúdos é que têm de ser mais relevantes.”
 
Para o psiquiatra, “a educação não está ao serviço da evolução humana, mas sim da produção ou da socialização. Esta educação serve para adestrar as pessoas de geração em geração, a fim de continuarem a ser manipulados como cordeiros do sistema. Este é um grande mal social; querer usar a educação como uma maneira de embutir na mente das pessoas um modo de ver as coisas que irá atender ao sistema e à burocracia.”
 
Assegurando que, “a nossa maior necessidade é evoluir na educação, para que as pessoas tenham liberdade para serem o que mais desejarem”, este especialista recorda que, 
“a crise da educação não é uma crise, entre as muitas crises que temos, uma vez que a educação é o cerne do problema. O mundo está em profunda crise por não termos uma educação voltada para a consciência.”
 
Claudio Naranjo reforça, “a nossa   educação está estruturada de uma forma que rouba a consciência ás pessoas,  que lhes retira o tempo e a própria vida”.
 
O modelo de desenvolvimento económico de hoje tem ofuscado o desenvolvimento da pessoa. Como tal, “a educação ensina as pessoas a passarem por exames, não a pensarem por si mesmas. É um tipo de exame em que não se mede a compreensão e sim a capacidade de repetir. É ridículo e faz-nos perder uma enorme quantidade de energia!”
 
Alertando que, em seu entender esta é uma das principais causas de falta de atenção dos alunos nas mais variadas idades, este autor acredita que bastava mudar a educação para termos um mundo melhor, mais saudável e consciente das coisas.
 
Defendendo uma educação para a informação, uma educação que aborde o aspecto emocional e uma educação da mente profunda, Claudio Navarro afirma “parece que estamos presos entre uma alternativa idiota, que é a educação secular e uma educação autoritária, que é a educação religiosa tradicional. Podemos separar o Estado e a Igreja mas, por exemplo, a Espanha, tem descartado o espírito, como se a religião e o espírito fossem a mesma coisa. Precisamos que a educação também atenda à mente profunda.”
 
Referindo-se “à própria consciência, onde reside o sentido da vida”, o psiquiatra e investigador realça que o modelo educativo atual   “tampouco é uma educação de valores, porque a educação de valores é demasiadamente retórica e intelectual. Os valores deveriam ser cultivados através de um processo de transformação pessoal e esta transformação está longe da educação atual.”
 
A educação deve também incluir um aspecto terapêutico. O desenvolvimento pessoal não pode ser separado do crescimento emocional. Os jovens estão muito danificados afetiva e emocionalmente devido a exigências sociais e profissionais que afastam os pais dos filhos. Essa falta de tempo e de qualidade relacional também está a dar sinais de problemas graves no desenvolvimento humano.
 
Claudio Naranjo questiona como podem as crianças e jovens aprender quando estão emocionalmente afetados?
 
Na perspetiva terapêutica, Naranjo sublinha, “tem muito a ver com a liberdade que se consegue oferecer ao indivíduo, com a espontaneidade e a capacidade de satisfazer os seus próprios desejos. O mundo civilizado é um mundo domesticado, tanto a formação, como a criança, são instrumentos desta domesticação. Temos uma civilização doente que os artistas perceberam há muito tempo e agora cada vez mais pensadores, percebem também.”
 
Clarificando a sua teoria, Naranjo explicita: “somos seres com três cérebros: temos cabeça (cérebro intelectual), coração (cérebro emocional) e intestino (cérebro visceral ou instintivo). A civilização está intimamente ligada à tomada do poder pelo cérebro racional. Desde que ocorreu o poder político há 6000 anos atrás, instaurou-se o que chamamos de civilização. E não é só o domínio masculino e nem só o domínio da razão, mas também a razão instrumental e prática, que se associa com a tecnologia; é este predomínio da razão instrumental sobre o afeto e a sabedoria instintiva, que nos tem empobrecido.”
 
Naranjo defende que, “a plenitude só pode existir numa pessoa que tem os três cérebros ordenados e coordenados” e que, no seu entender, “precisamos de uma educação para os seres com três cérebros. Uma educação que poderia ser chamada de holística ou integral. Se vamos educar a pessoa como um todo, devemos ter em mente que a pessoa não é apenas razão.”
 
Ao sistema convém que cada pessoa não esteja em contato consigo mesma e nem que pense por si mesma. Por mais que se levante a bandeira da democracia, ele tem muito medo que as pessoas tenham uma voz e estejam conscientes. “A classe política não está disposta a investir em educação”, sublinha o mesmo investigador chileno.
 
 
COMENTÁRIOS
 
MAIS NOTÍCIAS
-

A parentalidade começa na decisão de querer ter filhos!



-

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?



-

Educação parental influencia resultados escolares e relação com colegas



-

Vamos ajudar o nosso filho a ser mais confiante?



-

Relações: conheça os primeiros sinais de alerta para a separação



PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Bolo-rei gigante de Olhão foi este ano oferecido "por opção"

Bolo-rei gigante de Olhão foi este ano oferecido "por opção"

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
PCP preocupado relativamente à atribuição de recursos para as Casas de Acolhimento de Crianças e Jovens em Perigo na região

PCP preocupado relativamente à atribuição de recursos para as Casas de Acolhimento de Crianças e Jovens em Perigo na região

ver mais
 
Câmara Municipal de Albufeira assinalou Dia Internacional do Voluntariado

Câmara Municipal de Albufeira assinalou Dia Internacional do Voluntariado

ver mais
 
José Mendes Bota recebeu Prémio "Maria Veleda" com promessa de mudar mentalidades

José Mendes Bota recebeu Prémio "Maria Veleda" com promessa de mudar mentalidades

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio