Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Ouça a “voz” da sua consciência
Imprimir Partilhar por email
Numa sociedade cada vez mais agitada e sem tempo para parar, é natural que se pergunte, “o que é isso da voz da consciência?”.
 
Chegamos a um ponto em que, em vez de nos ouvirmos a nós mesmos, passamos a procurar ocupações para evitar escutar o nosso “eu”.
 
Se repararmos, passamos grande parte do nosso dia com a mente tão ocupada e preenchida que, tudo o que nos faça parar, até é mal interpretado. Ficamos com uma enorme sensação de vazio e, imediatamente tentamos procurar algo para o preencher e, de facto, não faltam interesses com um mundo cheio de estímulos como os telemóveis, a televisão, a internet e daí por diante.
 
O descanso acabou por se tornar como algo que nos impede de estarmos ligados ao mundo, sendo que, muitas pessoas quase que não dormem para poderem alimentar tudo o que querem fazer num dia…
 
Naturalmente que estamos em sentido inverso em relação à nossa própria natureza. Claro que precisamos de ter tudo um pouco, mas também temos necessidade de reservar um tempo diário para ouvir o nosso “Eu”, aquela voz que, quando está saudável, nos indica boas alternativas para esse estado de agitação em que vivemos. Essa voz que nos conforta e nos dá boas ideias para o dia seguinte. A voz a quem recorremos para perguntar como é que podemos surpreender alguém que amamos, ou como é que podemos resolver um conflito da melhor forma.
 
Mediante as crenças de cada um, essa voz pode ter outros nomes, eu como não sou crente e me suporto do conhecimento científico para explicar os fenómenos, não atribuo essa voz a nenhum ser divino, mas sim ao nosso cérebro e à nossa mente. Atribuo essa voz à necessidade e à capacidade de reorganização que o nosso sistema tem depois de um dia cheio de estímulos. Se repararmos, acordamos com o toque do despertador, quando seria mais agradável acordar naturalmente, tomamos banho e um pequeno-almoço a correr. Enfrentamos filas no trânsito. Quando chegamos ao trabalho, já temos uma boa parte da nossa energia consumida. Comemos uns doces e bebemos café para “arrebitar”. Depois, mais ou menos concentrados, cumprimos as nossas funções para irmos para o trânsito e para um final de dia igual a tantos outros. Onde é que temos tempo para pensar em nós mesmos neste entra e sai de atividades?
 
Depois, antes, durante ou depois do jantar, vamos para o computador ou smartphone à procura de novidades quando já temos a mente cheia de informação! Naturalmente que o sono parece que é um incómodo que impede que o dia tenha mais horas para fazermos o que queremos.
 
Claro que a minha sugestão não é lamentar que o dia não chegue para fazer tudo, mas sim precisar de menos!
 
Se ouvirmos o nosso “eu” interior, percebemos que não precisamos de saber tanto acerca dos outros nas redes sociais, percebemos que, uns minutos de Tv para distrair e para acompanhar as notícias bastam e que é muito bom conversar à mesa com a Tv desligada e sem telemóveis.
 
Sabemos que é maravilhoso cozinhar em família só ouvindo os intervenientes, tal como sabemos que, durante uns minutos, se pode fazer um pouco de silêncio para relaxar. Experimente colocar o filho que toma banho sozinho na banheira e deixá-lo relaxar com a água… ao mesmo tempo, fique em silêncio noutra divisão da casa… é muito bom estar nesse vazio rico em sensações interiores. Experimente!
 
Tranquilizar a mente no final do dia, é prepararmo-nos para dormir bem, para ter um sono reparador e para acordar com mais energia e uma nova forma de encarar o mundo no dia seguinte.
 
Experimente ficar em silêncio uns cinco minutos por dia. Deixe a sua mente fluir sem cortar nada que a impeça de seguir o seu curso natural e, verá que, afinal a vida é muito mais colorida e maravilhosa com os nossos valores e menos alicerçada nas orientações sociais que nos invadem por todos os lados.
 
É nesse momento de paz interior que irá encontrar a sua verdade pessoal, aquilo de que realmente gosta e que queria fazer sem as pressões consumistas. Pela sua beleza, muitos crentes designam por Deus, outros chamam-lhe anjos ou pessoas que já faleceram e que se mantêm vivas no nosso pensamento. Não é relevante o nome, mas sim o propósito e o efeito que nos produz.
 
Experimente fazer este exercício diariamente e incentive a sua família a experimentar esse tempo de vazio; sem máquinas ou quaisquer estímulos. Faz bem ter a casa em silêncio para ouvir o nosso “Eu” interior.
 
Quando se regressa à normalidade, certamente que se encara a realidade com uma nova forma de estar e de pensar. A refeição é mais apreciada, o sono reparador e daí por diante.
 
Não custa tentar e, terá melhores resultados a cada dia que passa e que, reserva cinco minutos para si! Aos poucos, terá um novo estilo de vida e uma nova forma de pensar, é preciso é deixar libertar esse “Eu” sedento de uma nova maneira de encarar a vida.
 
Fátima Fernandes
 
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Vítor Neto responsabiliza algarvios pelo estado a que chegou o SNS na região

Vítor Neto responsabiliza algarvios pelo estado a que chegou o SNS na região

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Aldeia do Azinhal vai ser "palco" do XXV Festival de Folclore

Aldeia do Azinhal vai ser "palco" do XXV Festival de Folclore

ver mais
 
Câmara de Lagos apoia entidades desportivas ligadas à Vela e ao Desporto Adaptado

Câmara de Lagos apoia entidades desportivas ligadas à Vela e ao Desporto Adaptado

ver mais
 
Câmara Municipal de Loulé e In Loco unidas na campanha "Produção e Consumo Local"

Câmara Municipal de Loulé e In Loco unidas na campanha "Produção e Consumo Local"

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio