Desporto

Paulo Sérgio acredita que Portimonense regressará à I Liga pela «força» da administração e o «caráter» dos jogadores

O treinador do Portimonense lamentou este domingo a descida da sua equipa à II Liga de futebol, salientando que "cair no último dia dói muito", depois de uma recuperação que o deixou a um ponto da manutenção.

 
"É um momento muito difícil, frustrante. Fizemos uma recuperação fantástica. Vínhamos muito de trás, praticamente condenados, e cair no último dia dói muito", referiu, na conferência de imprensa após a partida com o Desportivo das Aves (2-0).
 
A vitória sobre o último classificado revelou-se inconsequente, face aos resultados de Tondela e Vitória de Setúbal, e o Portimonense terminou no 17.º lugar, com 33 pontos, a um dos setubalenses.
 
O técnico disse que a equipa, que reiniciou o campeonato após a pausa devido à pandemia de covid-19, em junho, com seis pontos de atraso para a manutenção, se sentiu prejudicada por erros de arbitragem ao longo das últimas jornadas.
 
"Para quem vinha tão de trás, como nós viemos, houve um somatório de situações - umas aceitáveis, os erros cometidos por nós, mas as outras não, hoje em dia, com o VAR. Houve um conjunto de decisões [de arbitragem] que nos penalizaram bastante. Ficamos fora da I Liga por um ponto. Dizer qual o [erro] que me custou mais não consigo, todos nos custaram muito", salientou Paulo Sérgio.
 
O treinador do Portimonense manifestou-se crente no regresso do clube algarvio à I Liga, elogiando a "força" da administração da SAD que gere o futebol profissional e o "caráter" dos jogadores.
 
"Certamente que o Portimonense se irá reerguer ainda mais forte, porque proporciona excelentes condições aos seus profissionais. É um grito de esperança e de coragem para os portimonenses nessa caminhada de regresso ao escalão principal. Estou certo de que esta administração fará esse caminho com toda a dedicação", referiu.
 
Paulo Sérgio, que tinha assinado com o emblema de Portimão até ao final desta temporada, revelou que ainda não pensou no seu futuro.
 
"Estava só focado naquilo que tínhamos de fazer. Não pensei minimamente em mim, e aquilo que o futebol reservar, reservará. A única coisa que posso dizer é que me senti lindamente em Portimão. Foi um orgulho e um prazer trabalhar aqui e sinto uma grande tristeza por não ter atingido este objetivo", concluiu.