Política

PCP “aplaude” redução tarifária de transportes públicos no Algarve mas ainda falta fazer mais

O PCP diz "orgulhar-se da sua intervenção ao longo de anos, a par com a luta dos utentes, ter prosseguido este objectivo que agora se concretiza".

 
Em nota de imprensa, o PCP faz saber que, a consagração de um programa dirigido à redução tarifária (PART) na Lei do Orçamento do Estado para 2019 "constitui um avanço de inegável significado, não se tratando apenas de um passo na garantia do direito à mobilidade e ao uso do transporte público, mas também, uma medida de grande alcance e importância para os trabalhadores, e a população em geral, com repercussões directas nos seus rendimentos".
 
Para o PCP, a consagração do Programa de Apoio à Redução Tarifária aprovado esta quinta feira pela AMAL, "constitui também uma oportunidade para reduzir na região o valor dos passes sociais já a partir de Maio, ao mesmo tempo que é preciso reclamar junto do Governo as verbas necessárias para dar continuidade a esta medida durante os próximos anos, bem como, para alargar a oferta quer rodoviária, quer ferroviária".
 
Os comunistas entendem que, a partir dos municípios, quer a partir da Associação de Municípios do Algarve - AMAL (na qual os municípios delegaram as competências dos transportes), "será necessária uma intervenção que possa concretizar um preço máximo do Passe Social Intermodal, seja qual for a forma concreta deste título de transporte de 40 euros no âmbito da comunidade Intermunicipal, a que se deve adicionar o objectivo de assegurar a gratuitidade de uso para menores de 12 anos e estudantes, a redução em 50% para a população com mais de 65 anos e a implementação do Passe Família".
 
Neste sentido, o PCP considera que é necessário continuar a reivindicar junto da Administração Central, e do governo em particular, as medidas que visem a implementação dessas medidas.