Política

PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

Trabalhadores do Vila Nova Resort (foto Sindicato da Hotelaria do Algarve)
Trabalhadores do Vila Nova Resort (foto Sindicato da Hotelaria do Algarve)
O sindicato da Hotelaria do Algarve, através dos seus comunicados, denunciou publicamente a situação por que passam cerca cerca de 40 trabalhadores do Vila Nova Resort em Albufeira que, estão com salários em atraso, tendo apenas recebido metade do salário do mês de março.

 
Em comunicado, o PCP recorda que, o mesmo sindicato fez saber que, “existe da parte desta entidade patronal, a intenção de despedir alguns trabalhadores”, sendo mesmo que há funcionários que já receberam cartas a dispensá-los de se apresentar ao serviço, “sem qualquer explicação para tal decisão”.
 
Perante o tratamento de que estão a ser alvo, “muitos trabalhadores passam por muitas dificuldades sérias”, não tendo dinheiro para comprar comida, nem para pagar a renda de casa, empréstimos, entre outros compromissos e vivem-se impotentes perante o comportamento da entidade patronal, “numa clara violação dos seus direitos laborais” e pelo não pagamento de salários em atraso, sublinha o partido.
 
Segundo o PCP, a entidade patronal responsável pelo Vila Nova Resort recusa-se a receber os trabalhadores “numa atitude de completo abandono”, sem que ao menos justifique o porquê deste tratamento.
 
Refere a mesma publicação que, “os trabalhadores estão a exigir a regularização da situação”, em particular, o pagamento dos salários em atraso.
 
Com este enquadramento, o Grupo Parlamentar do PCP questionou o Ministério do Trabalhão, Solidariedade e Segurança Social para que prestasse os seguintes esclarecimentos:
 
1-Que conhecimento tem o Governo da situação por que passam os estes cerca de 40 trabalhadores?
 
2-Já solicitou o Governo a intervenção e apuramento por parte da Autoridade para as Condições de Trabalho, face ao comportamento da entidade patronal do Vila Nova Resort?
 
3-Que medidas vai o Governo tomar para que os direitos laborais destes trabalhadores sejam respeitados, principalmente no que respeita aos seus salários em atraso?