Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Por que é tão difícil fazer amizades a partir dos 30 anos?
Imprimir Partilhar por email
A maior dificuldade em fazer amizades a partir dos 30 anos prende-se, segundo diversos autores, com a entrada numa nova etapa de vida.
 
Por norma, é quando terminam os estudos, quando se constitui família, quando se tem de estar mais disponível para a parceria amorosa e dar mais atenção aos filhos. É a partir das três décadas de vida que se faz um balanço sobre o que se pretende também em termos profissionais e se procura uma maior estabilidade. Esta fase contrasta e muito, com as anteriores em que era interessante conhecer alguém novo, em que as relações fluíam sem qualquer interesse a não ser o prazer de estar ou de encontrar um futuro parceiro ou parceira.
 
Os estudos, os trabalhos de grupo, as saídas à noite marcam a adolescência e os anos que se lhe seguem. Nesse período há um conjunto de interesses e de características pessoais que se mostram livremente aos outros e que se quer comparar com os demais. A partir dos 30 anos, ocorre precisamente o oposto. Entramos mais dentro de nós próprios e do nosso mundo e sentimos uma maior necessidade de construir o nosso ninho; o nosso conforto. Percebemos que já passaram três décadas da nossa vida e que temos de construir algo que nos possa ajudar a enfrentar melhor a velhice, pelo que, naturalmente estamos menos disponíveis para os encontros, festas e concertos.
 
Isso não quer dizer que não façamos esses programas, mas estamos mais concentrados nos interesses da pessoa que está ao nosso lado, em caso de termos filhos, temos de ajustar as saídas aos mais pequenos e, no seu todo,  reduzimos a nossa disponibilidade para as relações exteriores.
 
Por norma, só quando ocorre um divórcio é que o sujeito regressa um pouco a esse modelo de vida porque precisa de conhecer novas pessoas para poder voltar a construir uma relação, um novo sentido para a sua vida.
 
Num artigo no New York Times, Alex Williams reforça que, à medida em que as condições externas mudam, torna-se mais difícil atender às três condições que os sociólogos – nos anos 1950 – consideram cruciais para fazer amigos íntimos: proximidade; interações repetidas e não planeadas; e um cenário que incentiva as pessoas a baixarem a guarda e a confiarem umas nas outras. De acordo com Williams, «é por isso que tantas pessoas conhecem os seus amigos de toda a vida na faculdade».
 
Segundo o mesmo escritor, à medida que as pessoas vão ficando mais velhas, os dias de exploração e liberdade social intensa naturalmente vão ficando para trás. “Os horários vão ficando apertados, as prioridades mudam e as pessoas muitas vezes tornam-se mais seletivas no que desejam dos seus amigos”.
 
São muitos os trabalhos científicos que têm vindo a comprovar esta realidade.
 
Para a investigadora Laura L. Carstensen, professora de psicologia e diretora do Centro de Longevidade de Stanford, na Califórnia,  «as pessoas passam a interagir com menos gente à medida que chegam à meia-idade”. Nas suas observações, a mesma investigadora percebeu que, os contactos da maior parte das pessoas, eram os mesmos do passado», pelo que, a interação com desconhecidos e «semiconhecidos» diminuiu.
 
De acordo com a mesma especialista, «o ser humano dispõe de um despertador interno que apita em eventos importantes, como fazer 30 anos». Nessa altura, percebemos que «o nosso tempo de vida está a reduzir-se e que,  precisamos de parar de explorar o mundo por aí e de nos concentrar no que é mais emocionalmente importante aqui e agora».
 
Para Laura L. Carstensen, passa a ser menos importante ir a um concerto ou a uma festa porque preferimos estar com a nossa cara-metade e/ou com os nossos filhos, as piadas deixam de ter a mesma graça porque preferimos conversar sobre assuntos mais sérios e que nos estão ligados diretamente. Por tudo isso, conversamos nas redes sociais, podemos até alimentar alguns tempos de conversa, mas quando se aproxima a hora de marcar um encontro presencial, este vai sendo adiado até que caia no esquecimento. Não há muita disponibilidade para iniciar uma nova relação de amizade quando se tem uma vida tão preenchida e exigente. Quem consegue, mantém as amizades do passado e cumpre um ou outro encontro pontual, quem não o consegue, acaba por se focar mais no trabalho e na família.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88032)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37641)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21359)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15230)

Não podemos viver sem amor

(12363)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11550)

A mentira: um mal necessário

(9689)

Idade não traduz maturidade

(9524)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9473)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8972)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8693)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8686)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7362)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6398)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6048)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5807)

É Demissexual?

(5624)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5536)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5458)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5421)

A “ciência” do aperto de mão

(5286)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5050)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4966)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4923)

O poder das ervas aromáticas

(4899)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4856)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4835)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4724)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4647)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4591)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4561)

A família é a base do sucesso escolar

(4513)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4404)

O que muda na mulher aos 40?

(4388)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4380)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4351)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4308)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4300)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4275)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4238)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4160)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4117)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4075)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3997)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3973)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3925)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3910)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3865)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3853)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3830)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

PCP questiona Governo sobre salários em atraso no Vila Nova Resort

ver mais
 
Câmara de Silves e Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines unidos no projeto "Somos Mesmo Inclusivos!"

Câmara de Silves e Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines unidos no projeto "Somos Mesmo Inclusivos!"

ver mais
 
Portimão junta várias entidades e cria núcleo de planeamento e intervenção para sem-abrigo

Portimão junta várias entidades e cria núcleo de planeamento e intervenção para sem-abrigo

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio