Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Portugal “usa e abusa” dos títulos académicos
Imprimir Partilhar por email
É muito comum a utilização de títulos académicos, mesmo em situações em que assim não se justificam.
 
O nosso país é amplamente conhecido por essa tradição, de tal forma que, mesmo em momentos descontraídos e fora dos locais onde se exerce a profissão de “Dr. ou Eng.” se mantém a tendência para usar os títulos académicos.
 
O uso de títulos (Dr., Eng.) é certamente mais praticado em algumas organizações do que noutras, mas, na comparação com outros países da União Europeia (UE), os portugueses são pródigos no uso de títulos. É aliás frequente, nas situações em que se conhece menos bem o interlocutor, colocar um cauteloso Dr. antes do nome. Na dúvida, antes a mais que a menos.
 
Uma das explicações para este facto passa pela necessidade de criar um afastamento hierárquico. Naturalmente a utilização do título académico confere essa imagem de distância, criando um afastamento entre superior hierárquico e subordinado.
 
A distância hierárquica reflecte o grau de deferência que os indivíduos projectam sobre os seus superiores hierárquicos, assim como a necessidade de manter e respeitar um certo afastamento (social) entre um líder e os seus subordinados.
 
Esta “marca” é de tal forma evidente que, é praticamente impossível deixar de cumprimentar o chefe na rua sem o recurso ao seu título académico. Casos raros são pois, aqueles em que se designa por “Sr. ou Sra.”, mesmo que, o encontro ocorra fora do gabinete ou do consultório.
 
Tornou-se recorrente e “já parece falta de respeito” não tratar o médico por Doutor até nas redes sociais! O mesmo acontece com o Sr. Eng.º que o passa a ser nas mais variadas situações.
 
Por norma, é nos países de maior distância entre superiores e subordinados que se verifica uma maior utilização dos “Drs”. Exemplos disso são Portugal, Espanha, América Latina, Ásia e África.
 
Os líderes destacam-se por natureza e criam uma elevada desigualdade face aos demais.
 
Detecta-se uma grande reverência pelas figuras de autoridade, e atribui-se grande importância aos títulos e ao status. 
 
Ao contrário, em países com baixa distância hierárquica como é o caso dos EUA, Grã-Bretanha e países não latinos da Europa, a dependência dos subordinados relativamente aos chefes é limitada. 
 
Os primeiros não sentem desconforto considerável por contradizer os segundos. Uns e outros consideram-se iguais por natureza.
 
Nos países com distância hierárquica tendencialmente mais elevada, o uso de símbolos de status representa portanto uma forma de explicitar e de assinalar o reconhecimento das distâncias entre pessoas pertencentes a diferentes escalões sociais ou organizacionais. 
 
A distância tende a aumentar a dificuldade de comunicação franca entre líder e equipa.  Não é de admirar que, no nosso país exista um “medo aterrador” de enfrentar um chefe, de contrariar uma posição ou de simplesmente explicar a nossa opinião. Estes aspectos podem. De alguma forma, condicionar a produtividade, a qualidade do desempenho, na medida em quem, na base do medo ninguém é livre para criar e para mostrar potencialidades.
 
Ao mesmo tempo, esta ideia de distância entre chefes e subordinados tem-se estendido às mais variadas relações, sendo comum esta forma de tratamento entre amigos ou mesmo em locais fora do trabalho, tal é a “obediência!”
 
Há pessoas que se sentem tão inferiorizadas socialmente que, precisam de recorrer a esses títulos para se sentirem próximas de “alguém importante”, o que não deixa de ser também muito curioso. 
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Homem atacado por cão na Praia de Faro

Homem atacado por cão na Praia de Faro

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Concerto inédito em Querença

Concerto inédito em Querença

ver mais
 
Bloco de Esquerda pede Declaração de Estado de Emergência Climática no Município de Faro

Bloco de Esquerda pede Declaração de Estado de Emergência Climática no Município de Faro

ver mais
 
Serviço Municipal de Proteção Civil de Albufeira sensibilizou cerca de 10 mil pessoas sobre os perigos das arribas

Serviço Municipal de Proteção Civil de Albufeira sensibilizou cerca de 10 mil pessoas sobre os perigos das arribas

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio