Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Portugal “usa e abusa” dos títulos académicos
Imprimir Partilhar por email
É muito comum a utilização de títulos académicos, mesmo em situações em que assim não se justificam.
 
O nosso país é amplamente conhecido por essa tradição, de tal forma que, mesmo em momentos descontraídos e fora dos locais onde se exerce a profissão de “Dr. ou Eng.” se mantém a tendência para usar os títulos académicos.
 
O uso de títulos (Dr., Eng.) é certamente mais praticado em algumas organizações do que noutras, mas, na comparação com outros países da União Europeia (UE), os portugueses são pródigos no uso de títulos. É aliás frequente, nas situações em que se conhece menos bem o interlocutor, colocar um cauteloso Dr. antes do nome. Na dúvida, antes a mais que a menos.
 
Uma das explicações para este facto passa pela necessidade de criar um afastamento hierárquico. Naturalmente a utilização do título académico confere essa imagem de distância, criando um afastamento entre superior hierárquico e subordinado.
 
A distância hierárquica reflecte o grau de deferência que os indivíduos projectam sobre os seus superiores hierárquicos, assim como a necessidade de manter e respeitar um certo afastamento (social) entre um líder e os seus subordinados.
 
Esta “marca” é de tal forma evidente que, é praticamente impossível deixar de cumprimentar o chefe na rua sem o recurso ao seu título académico. Casos raros são pois, aqueles em que se designa por “Sr. ou Sra.”, mesmo que, o encontro ocorra fora do gabinete ou do consultório.
 
Tornou-se recorrente e “já parece falta de respeito” não tratar o médico por Doutor até nas redes sociais! O mesmo acontece com o Sr. Eng.º que o passa a ser nas mais variadas situações.
 
Por norma, é nos países de maior distância entre superiores e subordinados que se verifica uma maior utilização dos “Drs”. Exemplos disso são Portugal, Espanha, América Latina, Ásia e África.
 
Os líderes destacam-se por natureza e criam uma elevada desigualdade face aos demais.
 
Detecta-se uma grande reverência pelas figuras de autoridade, e atribui-se grande importância aos títulos e ao status. 
 
Ao contrário, em países com baixa distância hierárquica como é o caso dos EUA, Grã-Bretanha e países não latinos da Europa, a dependência dos subordinados relativamente aos chefes é limitada. 
 
Os primeiros não sentem desconforto considerável por contradizer os segundos. Uns e outros consideram-se iguais por natureza.
 
Nos países com distância hierárquica tendencialmente mais elevada, o uso de símbolos de status representa portanto uma forma de explicitar e de assinalar o reconhecimento das distâncias entre pessoas pertencentes a diferentes escalões sociais ou organizacionais. 
 
A distância tende a aumentar a dificuldade de comunicação franca entre líder e equipa.  Não é de admirar que, no nosso país exista um “medo aterrador” de enfrentar um chefe, de contrariar uma posição ou de simplesmente explicar a nossa opinião. Estes aspectos podem. De alguma forma, condicionar a produtividade, a qualidade do desempenho, na medida em quem, na base do medo ninguém é livre para criar e para mostrar potencialidades.
 
Ao mesmo tempo, esta ideia de distância entre chefes e subordinados tem-se estendido às mais variadas relações, sendo comum esta forma de tratamento entre amigos ou mesmo em locais fora do trabalho, tal é a “obediência!”
 
Há pessoas que se sentem tão inferiorizadas socialmente que, precisam de recorrer a esses títulos para se sentirem próximas de “alguém importante”, o que não deixa de ser também muito curioso. 
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88042)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37651)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21445)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15269)

Não podemos viver sem amor

(12375)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11560)

A mentira: um mal necessário

(9703)

Idade não traduz maturidade

(9545)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9487)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8990)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8696)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8696)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7370)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6439)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6057)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5816)

É Demissexual?

(5631)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5540)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5474)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5427)

A “ciência” do aperto de mão

(5303)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5055)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4968)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4928)

O poder das ervas aromáticas

(4904)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4876)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4841)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4728)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4657)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4598)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4568)

A família é a base do sucesso escolar

(4519)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4407)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4400)

O que muda na mulher aos 40?

(4395)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4356)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4314)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4304)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4279)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4241)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4164)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4122)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4080)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(4003)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3978)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3937)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3914)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3869)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3855)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3834)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

Vídeo que promove Algarve nestas férias é "sucesso" nas redes sociais

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
No Dia Mundial dos Avós, o Município de Lagos lança desafio digital

No Dia Mundial dos Avós, o Município de Lagos lança desafio digital

ver mais
 
Empresários algarvios exigem que Governo “intensifique ação política” junto dos países que obrigam a quarentena

Empresários algarvios exigem que Governo “intensifique ação política” junto dos países que obrigam a quarentena

ver mais
 
Programa 365 Algarve retoma programação a 15 de julho

Programa 365 Algarve retoma programação a 15 de julho

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio