Política

PSD de São Brás de Alportel vota contra a “prestação de contas de 2019”

Em comunicado, o PSD de São Brás de Alportel “lamenta a falta de estratégia a médio e longo prazo por parte do executivo camarário” que, em seu entender, “não tem tido a capacidade de ajustar os seus investimentos e prioridades a uma estratégia de futuro”.

 
Avança o mesmo documento que , “o executivo foi alertado para o facto de que a estratégia não pode estar assente em alocar os recursos disponíveis à gestão corrente”.
 
O PSD regista que os munícipes não se mostram agradados, “ao constatarem que empresas de referência continuam a fechar e a deslocalizar operações para outras regiões, devido à inexistência de um plano definitivo que salvaguarde e privilegie o desenvolvimento socioeconómico no concelho”. Além deste aspeto, o partido mostra preocupação com “os jovens e filhos da terra” com formação e qualificação, “são obrigados a procurar alternativa fora do concelho, não por opção, mas por exclusiva necessidade, fruto da falta de estratégia dos sucessivos executivos socialistas”.
 
Para os sociais-democratas de São Brás de Alportel, o resultado da falta de estratégia faz com que o concelho apresente “um ciclo vicioso de resultados negativos nas contas do Município”. A prestação de contas de 2019 demonstra um resultado negativo de 1,2 milhões de euros, 2,8 milhões de euros se for considerado o triénio 2017-2019 do atual mandato, realça o mesmo partido, acrescentando que, os “os défices têm vindo a crescer de forma significativa”.
 
Segundo o PSD, é a rúbrica de gastos com pessoal aquela que demonstrou “maiores aumentos”, designadamente 33% desde 2017.
 
Segundo o mesmo comunicado, esta forma de gestão do Partido Socialista de São Brás de Alportel está a traduzir-se “numa redução considerável de eficiência dos recursos financeiros e físicos ao dispor do Município” e começa a ser visível que os investimentos necessários para atrair empresas e melhorar as condições dos seus habitantes estão “completamente hipotecados no futuro e, os destinos do concelho estão cada vez mais limitados”.
 
Para a mesma força partidária, o Município não consegue ter margem financeira que lhe permita assumir investimentos necessários e prioritários, estando refém da obtenção de financiamentos para executar qualquer investimento, independentemente do seu grau de necessidade, sublinha.
 
Na mesma publicação, os sociais-democratas dizem ter identificadas as necessidades, dando como exemplo a zona da Mesquita, dos Machados e outros que, em pleno 2020, ainda não estão abrangidas por uma rede de saneamento básico. Outro exemplo é o facto de apenas agora se estar a proceder à remoção do amianto das escolas, quando há mais de 4 anos o PSD de São Brás de Alportel ter defendido publicamente a sua remoção imediata, lembram.
 
Com base nestes pressupostos, o PSD diz “demarcar-se totalmente” da gestão que o Partido Socialista tem levado a cabo no concelho, votando contra a “prestação de contas de 2019”, apresentada na ultima Assembleia Municipal, de 29 de junho de 2020.