Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Quando a carreira está acima do amor
Imprimir Partilhar por email
É cada vez mais comum assistirmos a cenários de troca do amor pela carreira, a ponto de muitas mulheres optarem pela profissão e por uma carreira de sucesso e deixarem para trás a vida familiar.
 
Em número menor, há muitos homens que também abdicam da constituição da família  para se dedicarem a um sonho profissional. Sabendo que a felicidade humana requer evolução e não substituição, faz sentido refletir acerca desta nova realidade.
 
Não será possível conjugar amor com a carreira e o sucesso profissional?
 
Na posição de Alina Dizik da BBC Capital, “a tarefa não é fácil, uma vez que o mundo atual é exigente e requer muito tempo e entrega como bases para o sucesso, no entanto, é preciso encontrar o equilíbrio entre as partes para conquistar o todo.”
 
Um modelo que parecia estar a surtir efeitos positivos é o casal ter a mesma profissão. “Dessa forma, existe um maior entendimento, uma entrega conjunta ao mesmo objetivo e uma maior compreensão face ao tempo dedicado, no entanto, nem todos os casais ultrapassam facilmente a competição, o facto de um chegar mais facilmente a um determinado patamar ou ter uma oportunidade melhor.”
 
Quer isto dizer que, apesar de não existirem “fórmulas de sucesso”, é possível encontrar alguns pontos de equilíbrio, nomeadamente tentar colocar os sentimentos acima da carreira e deixar que os mesmos orientem a relação, pois caso contrário, em pouco tempo o amor vai transformar-se em amizade e, em menos tempo ainda, acaba por não sobreviver à ideia de um dos elementos do casal estar acima do outro.
 
Londa Schiebinger, professora da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, e especialista em relações amorosas em especial no mundo académico acredita que, “homens e mulheres com a mesma carreira lutam pelo encontro da cumplicidade e por uma relação duradoura. Estes casais acreditam que a união pode trazer benefícios quer para o amor, quer para o trabalho.”
 
A mesma especialista realça ainda que, “tanto é possível construir uma relação duradoura e capaz de enfrentar os desafios do mundo profissional como facilmente se entrar na competição pelas mesmas oportunidades, pelo que, este cenário acarreta tantos prejuízos como benefícios.”
 
Se o trabalho em conjunto pode ser interessante e baseado na compreensão, já que ambos sentem as mesmas dificuldades, o empenho e o esforço, também a falta de tempo para manterem a chama acesa pode surgir como um constrangimento.”
 
Neste sentido, depreende-se que ter ou não ter a mesma profissão não é a base de um relacionamento saudável e duradouro, mas sim a importância que se dá ao relacionamento e à carreira. Noutras palavras, para que o amor “dê certo”, é essencial que o casal cultive esse sentimento diariamente, que seja capaz de colocar um “ponto final” no dia de trabalho para viver o romance e que exija de si mesmo esse tempo e disponibilidade.
 
A profissão é “o mal menor”, o importante e que as pessoas se amem e que queiram estar juntas no tempo que disponibilizam para alimentar os sentimentos.
 
São muitos os especialistas que acreditam que, quando o amor é forte, a competição no mundo profissional não abala o casal, mas quando é frágil, não é preciso esperar muito tempo para que a competição seja uma realidade.
 
Perante esta constatação, o segredo para manter uma relação à margem da carreira é mesmo entender que o amor precisa de ser protegido, alimentado e vivido diariamente. “Tem de haver tempo para conversar, para trocar ideias, para acrescentar o amor. Com este empenho diário, tudo se torna mais fácil, há mais motivação para trabalhar e para ascender profissionalmente.”
 
Londa Schiebinger defende que a sociedade começou a exigir mais dos seus funcionários e que, aos poucos o amor tem ficado para segundo plano, mas que este formato não conduz o ser humano ao sucesso, muito menos à felicidade.”
 
A mesma professora sublinha que, “os tempos mudaram, mas é preciso compreender o papel da família neste novo contexto. Ás vezes é preciso imaginar as coisas no plano inverso, pois como seria a nossa vida completamente isolados do mundo e sem amor?” De que nos serve uma carreira de sucesso, bons vencimentos se não temos com quem partilhar os nossos planos, os nossos tempos livres e se não nos preenchemos enquanto humanos?
 
“Muitas pessoas respondem que têm amigos e que não lhes falta companhia no pouco tempo livre que têm, mas será esse o modelo atual de felicidade? Conseguiremos imaginar a nossa vida uns anos mais tarde quando o trabalho já não assume a mesma relevância?”
 
Para Londa Schiebinger, a solução não é complicada, mas requer uma viagem no tempo. Antigamente a família estava no centro do ser humano. Mal nascíamos já estávamos predestinados para alguém. Era fácil aceitar o destino sem esforço e continuar aquilo que a família já tinha “decretado”. Tudo se “complicou” quando passamos a ter livre escolha e a não sabermos qual é o papel do amor e da família na nossa vida.”
 
O mundo profissional é cada vez mais exigente e leva-nos grande parte do nosso tempo, a ponto de nos ser mais fácil abdicar de alguém e de ter filhos do que encontrar um equilíbrio entre o nosso bem-estar e a profissão. Talvez andemos ao contrário neste mundo evoluído, pois o ideal é termos afeto e apoio dentro de casa e objetivos fora. Como se consegue isso? Apenas e só encontrando o papel do amor e da família nas nossas vidas!
 
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87414)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37172)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19253)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(14040)

Não podemos viver sem amor

(12002)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11009)

A mentira: um mal necessário

(9166)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9061)

Idade não traduz maturidade

(8852)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8359)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8293)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8044)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6832)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5726)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5604)

É Demissexual?

(5356)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5306)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5183)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5111)

A “ciência” do aperto de mão

(4731)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4718)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4679)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4662)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4539)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4485)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4483)

O poder das ervas aromáticas

(4443)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4358)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4258)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4241)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4179)

A família é a base do sucesso escolar

(4144)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4069)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4059)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4057)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4032)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4031)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4028)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4019)

O que muda na mulher aos 40?

(3960)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3869)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3834)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3751)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3655)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3647)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3632)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3622)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3566)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3543)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3540)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Sirene dos bombeiros de Portimão alerta quando há pessoas a mais nas ruas

Sirene dos bombeiros de Portimão alerta quando há pessoas a mais nas ruas

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Rogério Bacalhau no palco do Lethes como professor

Rogério Bacalhau no palco do Lethes como professor

ver mais
 
Secretário de Estado José Apolinário presenciou à ação de descontaminação no Lar de Boliqueime

Secretário de Estado José Apolinário presenciou à ação de descontaminação no Lar de Boliqueime

ver mais
 
Ualg cria subsídio de emergência a estudantes e está a aceitar doações

Ualg cria subsídio de emergência a estudantes e está a aceitar doações

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio