Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Quanto mais gostar de si, mais gente gostará!
Imprimir Partilhar por email
Dentro de cada um de nós existe a preocupação de que mais pessoas aprovem o que somos e o que fazemos.
 
Isso é um processo inato e que está ligado ao facto de querermos parecer bem, de agradarmos a mais gente, de nos sentirmos mais confiantes e amados e, no fundo, validarmos a nossa socialização. No entanto, para muitas pessoas isso parece um verdadeiro drama, na medida em que não sabem o que fazer para colher melhores resultados e se relacionarem melhor com os outros, o que faz desencadear baixa autoestima e sentimentos negativos.
 
De acordo com a minha experiência digo que o segredo é simples: quanto mais gostarmos de nós próprios, mais pessoas nos vão apreciar, isto porque é a nossa naturalidade, a nossa forma de encarar a vida, a nossa energia própria que nos torna únicos e especiais, ao mesmo tempo em que permite que os outros se aproximem. Se conseguirmos dar ao exterior uma parte do que sentimos dentro de nós, acabamos por encontrar a sintonia que pretendemos. Basicamente quero dizer que, quando estamos bem connosco próprios, quando nos aceitamos tal como somos e assumimos as nossas características positivas e negativas, estamos a ser verdadeiros, estamos mais disponíveis para conviver com as outras pessoas e o processo ocorre com relativa facilidade e naturalidade.
 
Se o leitor fizer a experiência de chegar a uma festa com um leve sorriso, ombros direitos e cabeça erguida, vai perceber a facilidade com que entra num grupo, com que recebe um elogio, com que é aceite mesmo por pessoas que não conhece bem. Se pelo contrário, entrar num local de ombros caídos, mal-humorado e fechado em si mesmo, terá muita dificuldade em se relacionar com alguém, pois mesmo aqueles que lhe são familiares vão ter dificuldade em conviver consigo, em dizer algo com medo da sua reação.
 
Isto não quer dizer que tenhamos de mostrar aquilo que não somos e que não sentimos, mas traduz um certo grau de respeito e consideração pelas pessoas que estão num determinado local. Se temos vontade de ir e de estar com essas pessoas, será muito mais fácil soltar essa nossa vontade se, pelo contrário, estamos contrariados, de mau humor, num dia chato, mais vale que não vamos e que sejamos sinceros com os outros mostrando que, nesse dia não somos boa companhia. Isto é gostar de nós mesmos, é gostar dos outros e é manifestar respeito de parte a parte.
 
É neste sentido que afirmo que, quando estamos de bem com a vida ficamos mais luminosos, mais sociáveis, mais libertos e mais capazes de mostrar o que realmente somos. Quando estamos numa fase menos positiva devemos respeitar o nosso organismo e proteger-nos de algumas situações. É tão fácil aceitar como declinar um convite, temos é de ter autoestima suficiente para saber aquilo que queremos ou não fazer num determinado momento. Não é vergonha alguma dizer que não estamos disponíveis, que não temos tempo ou que, nesse dia não nos dá jeito ir à situação. Quando estamos bem, aceitamos e comportamo-nos em conformidade com a ocasião. Tomando esta consciência passa a ser um processo inato e natural em nós e, tal acontece quando somos capazes de dar importância ao “não”.Repare o leitor o quanto é mais fácil recusar uma festa do que fazer um tremendo sacrifício em ir. É muito mais agradável ir quando estamos bem, não é verdade? Não damos uma impressão negativa só porque estamos num daqueles dias menos positivos e respeitamo-nos também, reservando o direito de estarmos connosco próprios ou com alguém que nos possa ajudar nessa ocasião.
 
Se habituarmos os outros a aceitar o nosso “não”, estamos a mostrar que gostamos de nós mesmos, deles e que os respeitamos. Em meu entender é uma profunda falta de respeito fazer por fazer, pois todos vão perceber e ter uma má impressão a nosso respeito. Esta é uma regra para sermos mais aceites, respeitados e acima de tudo, para mostrarmos o quanto nos estimamos e tratamos com carinho. Penso que vale a pena pensar nisto e fazer um pequeno exercício antes de aceitar: pensar se isso é mesmo importante, se nos faz sentido, se é o que nós queremos. Ao mesmo tempo, pode parecer simples, mas é uma grande prova de amor-próprio e de autoestima ter essa reserva pessoal e essa capacidade de selecionar o que queremos para nós num determinado momento. Quando o fazemos, tiramos muito mais partido de quem somos, valorizamos muito mais as nossas escolhas e argumentamos melhor face as situações e claro, que teremos muitas mais pessoas a gostarem de nós, pois estamos bem com elas em consequência de estarmos bem connosco próprios.
 
Somos muito mais seguros quando temos o controle sobre a nossa vida e as nossas decisões, quando temos os nossos argumentos e opiniões, por isso, goste de si para poder gostar dos outros e… colha os resultados dessa forma inteligente de estar na vida!
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(86468)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(36243)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(15976)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(12677)

Não podemos viver sem amor

(11414)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(9740)

A mentira: um mal necessário

(8594)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(8373)

Idade não traduz maturidade

(7942)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(7653)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(7639)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(6581)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5159)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5071)

É Demissexual?

(4867)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(4856)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(4652)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4253)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4179)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4148)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(3996)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(3987)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(3969)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(3944)

O poder das ervas aromáticas

(3864)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(3769)

A “ciência” do aperto de mão

(3741)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(3657)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(3647)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(3645)

A família é a base do sucesso escolar

(3605)

Descubra “o poder curativo” da praia

(3598)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(3596)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(3582)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(3558)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(3537)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(3521)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(3504)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3452)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3431)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3367)

O que muda na mulher aos 40?

(3329)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3292)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3214)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3180)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3128)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3118)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3077)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3068)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3062)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Comissão Nacional do Território e CCDR Algarve alinhadas quanto ao licenciamento de casas móveis

Comissão Nacional do Território e CCDR Algarve alinhadas quanto ao licenciamento de casas móveis

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
São Brás de Alportel informou sobre apoios existentes a emigrantes que regressem a Portugal

São Brás de Alportel informou sobre apoios existentes a emigrantes que regressem a Portugal

ver mais
 
Festival de Órgão do Algarve nas Igrejas de Faro, Portimão, Boliqueime e Tavira

Festival de Órgão do Algarve nas Igrejas de Faro, Portimão, Boliqueime e Tavira

ver mais
 
Autores algarvios apresentam "Lendas Alentejanas"

Autores algarvios apresentam "Lendas Alentejanas"

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio