Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Relações duradouras voltam a estar na moda
Imprimir Partilhar por email
Depois de alguns anos a incentivar o divórcio e a mostrar que, se uma relação não for saudável, deve terminar, hoje aposta-se mais nessa qualidade afetiva e no tempo como base para um relacionamento estável e duradouro.
 
As pessoas precisam de se conhecer, de confiar e de saber com quem podem contar. As pessoas precisam de encontrar as suas cumplicidades e interesses. As pessoas precisam de se mostrarem uma à outra nas mais variadas situações, é a posição de muitos especialistas que explicam que, “após longos anos de trabalho a mostrar que o casamento pode não ser para a vida quando as pessoas não se respeitam e há algum tipo de violência no seio privado, agora incentiva-se a que se procure essa qualidade conjugal”.
 
Com a evolução, vamos percebendo novas formas de viver e de pensar sendo que, o amor e a felicidade ultrapassam gerações e continuam sempre atualizados no que toca ao seu interesse e necessidade humana. A dificuldade tem sido lidar com um passado de predestinação matrimonial em que era “pecado” o divórcio e passar para as relações modernas e saudáveis.
 
Passou-se então por um longo período temporal em que se mostrava que a separação é tão natural quanto o casamento e, percebido que quando duas pessoas não se entendem, devem seguir os seus caminhos separadamente, faz sentido entender como é que se mantém um casamento estável, duradouro e feliz.
 
O primeiro requisito é dar tempo para que as pessoas se conheçam. O namoro presencial é fundamental para criar empatia e cumplicidade entre os parceiros. A palavra, o toque, o encontro, o contacto com outras pessoas e, ir libertando o passado para que se possa construir um presente sadio com outra pessoa.
 
Hoje o casamento é uma opção e, de forma alguma é entendido como uma “carta fechada”, isto porque as pessoas têm liberdade para se conhecerem, para se entenderem e para perceber se vale ou não a pena prosseguir a relação.
 
As pessoas casam-se com consciência da pessoa que têm ao seu lado. Sabem que não há violência entre o casal, que há respeito e que ambos estão dispostos a desenvolver um projeto de vida em conjunto, pois caso contrário, nem arriscam passar do namoro.
 
Existe uma maior noção de compatibilidade e uma consciência de que nos damos a uma pessoa que nos devolva esses afetos. Sabemos que, mesmo que tenhamos passado por relações erráticas, temos de nos dar oportunidade de vivenciar algo novo, sob pena de estarmos sempre a reproduzir o mesmo padrão e o mesmo erro.
 
Perante esta realidade, o casamento vai-se processando sem que se pense muito bem no tempo, mas sim na qualidade afetiva que se vai consolidando.
 
São cada vez mais os exemplos de sucesso no casamento que vão surgindo nos media e, todos com uma mensagem semelhante: “o tempo permite que nos conheçamos melhor, que sejamos mais verdadeiros com a outra pessoa e, o que faz o amor é mesmo essa consciência de que temos a responsabilidade de conduzir os nossos destinos com uma pessoa que sinta algo semelhante a mim”.
 
Na realidade, o casamento permite-nos ter a noção clara de que temos a possibilidade de construir a nossa própria família, que podemos ou não seguir o modelo dos nossos pais, mas que provavelmente o mesmo já não se aplica nos nossos dias e, em conjunto, temos de criar algo novo, criativo e interessante, esse é que é o desafio e, no fundo, aquilo que designamos por amor.
 
Amor é a oportunidade de construir algo em comum com outra pessoa. A partir dessa base, vamos acrescentando novos ingredientes a esse suporte inicial. Quanto maior for a construção no tempo, mais solidez terá a nossa relação.
 
É importante que essa construção contenha liberdade afetiva, respeito, empatia, cumplicidade e desejo!
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(88013)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37624)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(21287)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(15188)

Não podemos viver sem amor

(12347)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(11531)

A mentira: um mal necessário

(9677)

Idade não traduz maturidade

(9498)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9461)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8947)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8685)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8654)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(7343)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(6352)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(6035)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5797)

É Demissexual?

(5610)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5527)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5414)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(5392)

A “ciência” do aperto de mão

(5266)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(5040)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4951)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4916)

O poder das ervas aromáticas

(4880)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4826)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4825)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4716)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4632)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4572)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4553)

A família é a base do sucesso escolar

(4504)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4397)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4370)

O que muda na mulher aos 40?

(4368)

Oito “segredos” para ser bom pai

(4339)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4297)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4290)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4266)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4232)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(4153)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(4105)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(4068)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3990)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3957)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3901)

Falta de empatia: a maior doença da humanidade

(3893)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3857)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3841)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3821)
PUB
 
MAIS LIDA AGORA
Covid.19:Novos casos são de Lagos e Portimão (contagem por concelho)

Covid.19:Novos casos são de Lagos e Portimão (contagem por concelho)

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Teatro da Figuras de Faro já faz 15 anos

Teatro da Figuras de Faro já faz 15 anos

ver mais
 
Portimão aprova estratégia "robusta e ambiciosa" a 10 anos na defesa da floresta contra incêndios

Portimão aprova estratégia "robusta e ambiciosa" a 10 anos na defesa da floresta contra incêndios

ver mais
 
Portimão:Praticante de paraquedismo ficou preso em cabos elétricos

Portimão:Praticante de paraquedismo ficou preso em cabos elétricos

ver mais
 
 
 
 
Alô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio