Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Sabe o que é a “auto honestidade”? Descubra as vantagens
Imprimir Partilhar por email
De um modo geral, a auto honestidade é a capacidade de um indivíduo ser honesto para consigo mesmo.
 
Este processo é muito mais do que aplicar aquilo que se aprendeu na infância de ser honesto com as outras pessoas, é uma capacidade de nos vermos a nós próprios e de assumirmos que somos verdadeiros para com a nossa forma de estar e de pensar.
 
De acordo com o IBC, um dos pontos chave da auto honestidade é que a mesma contribui para a autotransformação, sendo que tal ocorre quando se consegue aplicar este que é um dos principais requisitos pessoais para manter uma relação de amor ou de amizade com alguém. Uma pessoa que é honesta para consigo mesma, mais facilmente o será com quem ama porque expressa os seus sentimentos com verdade e aceitação pessoal.
 
Para que sejamos honestos connosco próprios temos de pensar antes de abrir mão de algo importante para nós em prol de outra pessoa, perceber até que ponto isso se justifica para o nosso bem-estar e de que forma nos poderemos sentir honestos com a nossa escolha. Quer isto dizer que, para que ocorra a auto honestidade, temos de ter plena consciência dos nossos atos e definir se estamos a ser realmente verdadeiros connosco próprios, mais do que com os outros, pois só assim se garante esse bem-estar e felicidade interior.
 
A auto honestidade permite à pessoa identificar as suas questões mais intrínsecas, encontrando melhores respostas para encaminhar a sua vida para uma direção mais assertiva e que vá de encontro da sua felicidade.  Segundo o IBC, pode ser complexo mudar de carreira, por um ponto final num relacionamento, entre outras mudanças extremas, mas muitas vezes é absolutamente necessário que tomemos consciência dessa necessidade e que sigamos o nosso “eu” interior, as orientações que realmente sentimos e que nos constituem. É por essa razão que, a auto honestidade funciona de “mãos dadas” com o autoconhecimento. Quando melhor uma pessoa se conhecer a si mesma, mais honesta e verdadeira será consigo mesma e com os outros.
 
A auto honestidade contribui para a autotransformação na medida em que, permite uma identificação do sujeito com o seu percurso de vida, enquanto que vai aumentando a sua capacidade de resposta aos desafios. Uma pessoa habituada a ouvir-se interiormente terá cada vez mais facilidade em se conhecer, em se transformar e ajustar à realidade com plena consciência pessoal.
 
Para que nos sintamos confortáveis com a nossa vida, temos de encontrar o sentido das decisões que tomamos, ou seja, assumir que vamos numa direção e não noutra porque esse é o caminho que nos motiva mais, que nos permite ter mais autoconfiança e prazer. Ao não fazermos este exercício mesmo nas decisões mais simples, podemos chegar à conclusão de que estamos no sentido errado e que não estamos realizados com as nossas escolhas. Repare que muitas pequenas decisões fazem uma grande diferença, logo temos de as orientar e coordenar num mesmo plano de vida para que encontremos o produto final pretendido.
 
Para manter um determinado estatuto social, a pessoa precisa de se sentir confortável consigo mesma e na sua vida privada, pois caso contrário estará sempre instável e com medo. A pessoa que se organiza e orienta para um mesmo sentido, tem um foco de atenção e sabe para onde quer ir. As suas ações estão canalizadas para esse sentido, as pessoas com quem convive vão a esse encontro e daí por diante. Esta tomada de consciência pessoal funciona como um todo e tem uma relação com tudo o que somos, procuramos e construímos para engrandecer esse plano de vida. Ao fazermos este exercício diário de auto honestidade, procuramos avaliar se estamos a responder de acordo com aquilo que realmente sentimos e, este ponto é muito importante porque estamos sempre expostos a diversos estímulos que nos podem afastar da linha que pretendemos. Devemos analisar, avaliar e encontrar as nossas razões para tomar as decisões, esta é a base para tudo.
 
Segundo o IBC, «a melhor maneira de começar a ter um diálogo interno mais franco consiste em repensar as suas últimas grandes decisões, considerando o quanto as mesmas foram tomadas com base nos seus desejos e o quanto foram impulsionadas por outras pessoas».
 
Em seguida, faça uma lista dos seus pontos fortes e daqueles que precisa de melhorar, seja o mais sincero possível. Se tiver dúvidas quanto a isso, repasse mentalmente quais são os principais elogios e críticas que as outras pessoas lhe fazem. «Com essas duas listas prontas, comece a pensar em maneiras para potencializar os seus pontos positivos e neutralizar a ação dos seus pontos negativos».
 
A auto honestidade também tem muito a ver com o saber reconhecer os seus sentimentos, ou seja, aceitar que em determinadas situações a pessoa não se sente confortável em seguir a tendência da maioria, pelo que irá acabar com esse paradigma e procurar seguir aquilo que realmente pensa e sente. A mesma ideia pode e deve ser aplicada de diferentes formas, qual a razão para ter de seguir a da maioria quando a sua opção vai para outro sentido? No fundo, a auto honestidade traduz uma maior consciência pessoal e uma maior capacidade de afirmação dos seus sentimentos e desejos. Com esta postura será mais fácil inovar em algo e encontrar uma resposta mais atualizada para um problema, por exemplo.
 
Se a maioria se limita a imitar algo que já foi realizado, qual a razão pela qual temos todos de fazer o mesmo se não o desejarmos? A auto honestidade permite-nos essa liberdade de ouvirmos o nosso “eu” interior e de transformarmos uma tendência em algo muito positivo. Não nos podemos esquecer que, os comportamentos da maioria das pessoas nem têm de ser os nossos, nem estão sempre corretos, pelo que vale a pena pensar, avaliar e depois decidir em conformidade com os nossos valores e a nossa verdade interior.
 
Neste sentido, é fundamental respeitar as nossas emoções para que se possa aferir aquilo de que realmente se gosta e que dá sentido à nossa vida. Não tomar decisões sem ouvir o nosso mundo emocional é a melhor opção.
 
O IBC apresenta ainda 10 vantagens de viver com base na auto honestidade:
 
1 – Autoconhecimento
 
A partir do momento em que uma pessoa decide ser mais honesta com ela mesma, passa a estar mais atenta às suas qualidades e pontos de melhoria. O autoconhecimento é uma consequência de prestar mais atenção a esses pontos. Sabendo mais sobre si mesmo, é uma vantagem para se posicionar melhor nas mais variadas situações.
 
2 – Equilíbrio
 
A grande vantagem de seguir pelo caminho da auto honestidade é o equilíbrio obtido por meio do autoconhecimento. O indivíduo que se mantém honesto consigo mesmo consegue evitar o pessimismo extremo (que é paralisante em muitos casos) e o otimismo desmedido (que pode mascarar ameaças). O reconhecimento do que há de bom e de mau, permite que a pessoa se torne mais confiante e satisfeita com a sua vida.
 
3 – Responsabilização pelas suas atitudes
 
Ao iniciar o processo de auto honestidade, perceberá com muito mais clareza, «que precisa de assumir a responsabilidade pelas suas próprias ações». Este ponto é fundamental já que nos exige uma tomada de posição em relação aos nossos comportamentos. Saber a razão pela qual se aceita ou recusa um convite, uma chamada e daí por diante, tem de fazer parte da consciência de cada pessoa para que seja honesta consigo mesma.
 
4 – Mais valorização dos seus sentimentos
 
No dia a dia não é incomum que as pessoas passem por cima dos seus próprios sentimentos, tentando adequar-se ao que o mundo espera delas. A auto honestidade permite não só identificar os seus sentimentos, como dar mais valor e significado ao que se sente. Conforme o indivíduo faz esse exercício de olhar para dentro de si com mais frequência, começa a entender a razão pela qual se sente bem ou mal em determinadas situações, passando a selecionar melhor as pessoas e os locais que frequenta.
 
5 – Reconhecimento dos seus limites
 
Grande parte das situações em que acontecem desgastes resulta do não-reconhecimento da existência de limites. Cada pessoa tem os seus próprios limites, ou seja, «aquele ponto que não se pode ultrapassar, sob pena de provocar danos pessoais». Deixar de ser honesto consigo pode fazer com que esse limite não esteja clarificado no seu quotidiano, por essa razão, faz sentido reconhecer esses limites para colocar “travões” nas suas ações e nas dos outros. Se não permitirmos que uma pessoa ultrapasse a barreira que lhe colocamos, estamos a proteger-nos e a facilitar a nossa relação respeitando aquilo que sentimos. Cabe ao outro colocar também os seus próprios limites.
 
6 – Capacidade de se perdoar a si mesmo
 
Uma parte importante da autotransformação consiste em se aceitar e perdoar a si mesmo por erros e deslizes cometidos ao longo da caminhada. Considere que quando alguém erra e pede perdão, geralmente é perdoado, então, por que não fazer o mesmo por si?
 
7 – Reconhecimento das suas verdadeiras vontades
 
Uma relação mais honesta para consigo mesmo permite que saiba distinguir aquilo que são os seus verdadeiros desejos, daquilo que corresponde somente à vontade das outras pessoas. Quanto mais se conhecer a si mesmo, mais saberá detetar as diferenças e fazer escolhas mais honestas.
 
8 – Incentivo para ser realmente como deseja
 
Entender quais são as suas vontades e quais são as ações tomadas simplesmente para se adequar a um grupo, faz com que a pessoa se sinta ainda mais motivada para ser quem deseja ser. É uma atitude que permite «que se conecte com o seu interior para encontrar as respostas para questões simples que possa colocar a si mesmo». Muitas vezes fazemos algo só porque os outros fazem ou desejam, pelo que é imperioso identificar aquilo que realmente nós desejamos e seguir essa linha de orientação.
 
9 – Autoavaliações mais sinceras
 
Quando uma pessoa aprende a ser mais honesta consigo mesma, começa a fazer autoavaliações mais sinceras e realistas. Ao se aperceber dos próprios erros, começa também a ter mais consciência das suas virtudes e potencialidades. Este é um desafio para viver a vida de outra forma, para ser uma pessoa mais confiante e equilibrada.
 
10 – Conexão com o seu interior
 
Essa é uma forma de olhar para dentro de si, encontrando desde os tópicos mais incríveis até aqueles que, em algum momento, lhe deram medo ou criaram inseguranças. Esta é uma forma de se conhecer melhor e de saber muito bem aquilo com que pode contar em si mesmo.
 
A auto honestidade implica uma autotrasnformação porque, à medida em que nos conhecemos melhor, percebemos que, uma boa parte das nossas ações não correspondiam ao nosso real desejo e vontade. Por essa razão, é um desafio para descobrir novas potencialidades, novas sensações, uma maior liberdade interior e que se expressa no exterior e encontrar novas respostas para os problemas, novas emoções e novas pessoas com quem partilhar esses desejos honestos.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87381)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37134)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19176)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13980)

Não podemos viver sem amor

(11986)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10983)

A mentira: um mal necessário

(9146)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9041)

Idade não traduz maturidade

(8825)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8328)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8277)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(8005)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6795)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5713)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5595)

É Demissexual?

(5342)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5292)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5141)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5096)

A “ciência” do aperto de mão

(4711)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4705)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4664)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4647)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4522)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4471)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4456)

O poder das ervas aromáticas

(4426)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4336)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4236)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4222)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4166)

A família é a base do sucesso escolar

(4122)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4050)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4044)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4042)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4017)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4016)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4006)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3989)

O que muda na mulher aos 40?

(3942)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3841)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3815)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3735)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3635)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3631)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3617)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3608)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3549)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3526)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3524)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Covid.19: 4º óbito no Algarve registado no Hospital de Portimão

Covid.19: 4º óbito no Algarve registado no Hospital de Portimão

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Há 16 profissionais de saúde infetados no Algarve

Há 16 profissionais de saúde infetados no Algarve

ver mais
 
Município de Silves prorroga encerramento dos serviços e suspensão de prazos processuais

Município de Silves prorroga encerramento dos serviços e suspensão de prazos processuais

ver mais
 
Comércio de Albufeira não vai pagar taxas de publicidade nos próximos três meses

Comércio de Albufeira não vai pagar taxas de publicidade nos próximos três meses

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio