Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Sabia que a frustração ajuda-nos a crescer?
Imprimir Partilhar por email
Cada vez se sabe mais acerca do ser humano e daquilo que necessita para se desenvolver de forma mais sadia, alegre e feliz.
 
Por muito que possa parecer contraditório, a frustração assume um papel de enorme relevância na conquista da autoconfiança e da autoestima, na medida em que, as experiências menos positivas, obrigam a que o sujeito procure soluções para os seus problemas.
 
Ao contrário do que se poderia pensar, a frustração é tão importante para o desenvolvimento como o incentivo. Deixar que o sujeito encontre as suas próprias respostas para os seus problemas em função daquilo que já sabe e que pode desenvolver para lá chegar é também uma missão dos pais.
 
No passado, castigava-se e agredia-se, impedindo a criança de pensar e de sentir acerca do que corria menos bem. Resolvia-se o problema na base da agressividade e da humilhação, o que não facilitava o livre pensamento e o encontro de alternativas.
 
Se optarmos por satisfazer as vontades das crianças evitando que passem por experiências menos positivas, estamos a impedir que elas enfrentem a verdade e a realidade dos factos, o que também não é muito benéfico para o seu desenvolvimento.
 
Idealmente temos de ajustar os factos à idade do sujeito e permitir que ele faça as suas descobertas e crie as suas próprias respostas para os seus desafios.
 
A criança que se pica com a ponta do lápis, vai perceber que terá de ter mais cuidado com esse instrumento, o mesmo se passa com os buracos nas calças, que se não gostar deles, deverá evitar arrastar-se no chão e estragar o vestuário. É muito mais eficaz colocar a criança a pensar sobre estas questões do que castigá-la só porque não sabia da consequência dos seus atos.
 
É um erro esconder de uma criança que o seu animal de estimação morreu. Podemos explicar-lhe que estava doente e que não resistiu, o mesmo se passa com as pessoas, simplesmente temos de adequar o discurso à sua idade e prepararmo-nos para responder às perguntas que daí possam surgir, sabendo que temos de ter calma e de nos ajustar o mais possível a uma realidade que os mais novos compreendam.
 
É importante dizer à criança que não se pode comprar tudo porque o dinheiro não chega, tal como é fundamental apreciar um desenho que ela faz e que não se entende. Mandá-la apagar uma letra menos correta para que a melhore, é uma atitude de valorização e não de humilhação, pois dessa forma, aprende a fazer melhor.
 
A forma como se faz sentir essa frustração é que pode marcar a diferença. Temos de ter em conta que estamos a lidar com uma criança com menos capacidade de apreender o mundo que um adulto, daí a importância de adequar o assunto à idade dos mais novos, mas não deixar de o fazer.
 
Uma criança que não esteja habituada a ser contrariada, terá muitas mais dificuldades em crescer de forma equilibrada e sadia, pois ao se sentir super protegida, vai achar que não é capaz de suportar os mínimos embates e vai sentir-se ainda mais frágil e diminuída.
 
Ao mesmo tempo, também não devemos exagerar na forma como transmitimos a realidade aos mais novos. Não podemos partir do pressuposto de que terá de aprender tudo e ao mesmo nível que os mais crescidos, pelo que ser pai ou mãe é uma arte essencial de preparação para a vida.
 
Resumindo, a frustração é uma condição essencial para que o pensamento se desenvolva. Enquanto estamos seguros, confortáveis e ancorados nas experiências de prazer não ousamos novas soluções. Sabemos que “é a necessidade que empurra o homem para as descobertas”, pelo que a frustração começa a ser vivida na infância, mas é uma aprendizagem ao longo da vida que todos têm de experimentar.
 
É importante ter em conta que, só aprendemos com base na frustração, já que é esse sentimento negativo que nos desperta para o encontro de novas soluções e responsabilidades.
 
À medida em que vamos evoluindo, vamos percebendo que, o tombo faz parte da experiência e que, é ele que nos ensina a levantar. Sabemos também que o adulto está sempre a vivenciar frustrações, pelo que, o encontro de soluções é o que o torna mais livre e feliz. Devemos encarar a frustração como um desafio para aprender a fazer melhor e perceber que, se algo nos é vedado, é porque precisamos de tentar de outra forma, não desistir de um objetivo.
 
Fátima Fernandes
 
50 dicas mais lidas

Educação: o que não se deve (de forma alguma) fazer a uma criança

(87370)

Pais são responsáveis pelo mau comportamento dos filhos

(37125)

Há pessoas que (só) falam mal dos outros. Saiba porquê.

(19144)

Sabe o que é Síndrome de Húbris? É a doença do poder!

(13965)

Não podemos viver sem amor

(11980)

O que se esconde atrás da traição feminina?

(10977)

A mentira: um mal necessário

(9141)

As pessoas tristes são as mais egoístas!

(9033)

Idade não traduz maturidade

(8816)

“Bom português”:sabe como/quando utilizar ás, às e hás?

(8322)

Afinal, há sexo no local de trabalho! – estudo mostra realidade desconhecida

(8274)

Educação: orientar as crianças para a maturidade emocional

(7995)

Os principais erros que os pais cometem com os filhos adolescentes

(6783)

Afinal, os amigos não são para sempre!

(5708)

Vamos ler os rótulos dos alimentos?

(5593)

É Demissexual?

(5336)

Mulheres só descobriram prazer sexual na década de 80

(5287)

Ignorância: a maior doença da Humanidade

(5127)

“Os pais não são ‘os amigos’ dos filhos”

(5093)

A “ciência” do aperto de mão

(4703)

Abraços melhoram a memória e o bem-estar físico

(4702)

Casais juntos 24 horas por dia – mais risco de desgaste?

(4659)

Violência doméstica: a família tem de re(agir)

(4643)

Amor:Como ultrapassar a “crise dos 7 anos”?

(4517)

Os filhos precisam de mais tempo dos pais!

(4466)

“Bom português”: sabe utilizar a vírgula?

(4448)

O poder das ervas aromáticas

(4423)

Vamos fazer a leitura dos pés?

(4329)

“Ou mudamos a educação ou o mundo vai afundar” – Claudio Naranjo

(4228)

Há cada vez mais pais com medo dos filhos. Porquê?

(4215)

Escola: o que não se deve dizer/fazer aos filhos

(4162)

A família é a base do sucesso escolar

(4117)

Rejeição dos pais deixa marcas para a vida

(4046)

Beleza não é sinónimo de felicidade - estudo

(4039)

Ansiedade: o problema psiquiátrico da atualidade

(4037)

Descubra “o poder curativo” da praia

(4014)

Portugal: o país onde as crianças são “únicas e especiais”

(4013)

Descubra os “segredos” das pessoas mais felizes do mundo

(4003)

Oito “segredos” para ser bom pai

(3984)

O que muda na mulher aos 40?

(3938)

“Ser fixe” na adolescência é sinal de alerta para o futuro

(3835)

“Crianças que não brincam, ficam doentes” – Mário Cordeiro

(3811)

Pais inseguros “desenvolvem” filhos instáveis

(3730)

Desenho: uma forma de expressão essencial ao desenvolvimento

(3632)

“Discussões fazem mal à saúde”

(3625)

Está a preparar o seu filho para o mundo?

(3614)

Como estimular a inteligência nos bebés

(3604)

A mudança interior aumenta a esperança de vida

(3545)

A inveja: um ponto contra a auto-estima

(3522)

O que uma criança deve saber aos 4 anos de idade?

(3518)
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Município de Lagoa aprova medidas especiais de apoio às famílias, às empresas e ao terceiro setor

Município de Lagoa aprova medidas especiais de apoio às famílias, às empresas e ao terceiro setor

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
21 trabalhadores agrícolas em Tavira poderão estar infetados com o novo cornavírus

21 trabalhadores agrícolas em Tavira poderão estar infetados com o novo cornavírus

ver mais
 
Castro Marim cria linha de apoio psicológico Covid-19

Castro Marim cria linha de apoio psicológico Covid-19

ver mais
 
XI Jogos de Quelfes cancelados devido à Covid-19

XI Jogos de Quelfes cancelados devido à Covid-19

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Click Saúde» Desporto» Economia
» Política» Figuras da nossa Terra» Fichas de Leitura» CX de Correio