Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 

Sarampo

Sarampo
Imprimir Partilhar por email
16-03-2018 - 11:52
Nesta altura do ano, repete-se o tema Sarampo por ser uma das infeções virais mais contagiosas, que se transmite entre pessoas através de gotículas ou aerossóis.
 
Habitualmente a doença é benigna mas em alguns casos, pode ser grave ou mesmo fatal.
 
A Direção-Geral da Saúde recomenda a vacinação como forma de prevenir e minimizar os efeitos da doença.
 
Por norma, as crianças são as mais afetadas, no entanto, os adultos também podem vir a contrair a infeção, caos não estejam imunizados. Refira-se que, ninguém fica protegido a 100%, no entanto, a vacina ou o facto de já ter tido a doença, ajudam a aliviar os sintomas e a tornar a infeção menos grave. O simples ato de tossir por parte de uma pessoa infetada, pode transmitir o vírus.
 
Após exposição ao vírus o período de incubação é de 10 a 12 dias, nos adultos este período pode ser mais longo do que nas crianças, podendo chegar aos 21 dias.
 
O Sarampo é caracterizado por um conjunto de manifestações clínicas que se diferenciam entre fases. Na fase inicial, a infeção apresenta-se inespecífica com febre, conjuntivite, coriza e tosse (fase prodrómica ou período catarral); após o qual, surgem pequenos pontos brancos na mucosa oral (manchas de Koplik) que duram de 12 a 18 horas. Estas manchas são muito sugestivas da infecção pelo vírus do sarampo.
 
A fase prodrómica é seguida pelo aparecimento do exantema maculo-papular (manchas da pele), inicialmente no rosto, seguindo-se, o tronco e por último, os membros inferiores. A tosse persistente caracteriza a fase de recuperação ou convalescente, que pode persistir até uma ou duas semanas após o desaparecimento do exantema.
 
Por norma, a doença é benigna e acaba por passar apenas com o alívio da febre e de um ou outro sintoma associado, no entanto, podem ocorrer complicações que afectam aproximadamente 30% dos indivíduos infectados, sendo mais frequente nas crianças pequenas (idades <5 anos) e nos adultos (≥20 anos).
 
As complicações mais comuns são diarreia (8%), otite média (7%), e pneumonia (6%). A principal causa de morte em adultos é a encefalite aguda, uma complicação muito rara do sarampo (0,1%) e que pode ocorrer anos depois da doença aguda. Os adultos têm, geralmente, uma doença mais grave do que as crianças.
 
Segundo a DGS, o Sarampo é uma doença em erradicação, cuja vacina está contemplada no Plano Nacional de Vacinação.
 
A identificação de bolsas importantes da população que não vacinam os seus filhos, por exemplo, por uma postura mais conservadora em relação à vacinação, faz surgir ciclicamente por todo o mundo surtos epidémicos, ainda que breves, desta doença.
 
A vacina contra o sarampo está incluída numa vacina combinada contendo vírus atenuados do sarampo, da parotidite epidémica(papeira) e da rubéola, vacina tríplice ou VASPR. A primeira dose é administrada geralmente aos 12 meses, e recebe-se um reforço aos 5 anos, com o início da idade escolar. A vacina é gratuita.
 
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Unidade de AVC do CHUA recebe prémio internacional

Unidade de AVC do CHUA recebe prémio internacional

ver mais
 
 
  
PUB
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Inaugurado em Faro primeiro posto de carregamento rápido para veículos elétricos da rede EDP/BP

Inaugurado em Faro primeiro posto de carregamento rápido para veículos elétricos da rede EDP/BP

ver mais
 
Portimão associa-se às comemorações dos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde

Portimão associa-se às comemorações dos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde

ver mais
 
Quarteira inaugura exposição que sensibiliza para a paz mundial

Quarteira inaugura exposição que sensibiliza para a paz mundial

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio