Periodicidade: Diária | siga-nos | seja fã
PUB
 
Somos melhores pessoas quando gostamos mais de nós do que do dinheiro
Imprimir Partilhar por email
À medida em que nos vamos conhecendo melhor percebemos que, somos produto de um sistema, mas que temos uma posição individual perante a grandiosidade.
 
É dentro de nós mesmos, do nosso seio familiar que encontramos a razão da nossa existência. Desse processo de autoconhecimento que dura ao longo de toda a nossa vida, vamos selecionando aquilo que realmente é mais importante para essa qualidade de vida que pretendemos.
 
Há pessoas que não olham umas para as outras porque só estão focadas no dinheiro e nos bens que podem conquistar, enquanto que há outras que têm uma ambição mais contida e capaz de valorizar mais o ser humano que o materialismo. Não me cabe decidir por ninguém, apenas posso dizer que é uma luta perdida pois os bens materiais não são acessíveis a todos da mesma forma e, atendendo à realidade, o planeta não consegue suportar tais níveis de consumo, pelo que seria interessante começarmos a olhar mais uns para os outros e a encontrarmos momentos de felicidade com pequenas coisas!
 
Percebemos o nosso valor, o dos outros e o caminho que queremos prosseguir, sabendo que precisamos de nos agrupar com pessoas com valores comuns para que a nossa individualidade ganhe mais expressão.
 
É dessa perspetiva cooperativa que resulta o nosso conforto pessoal, pois podemos saber que, um grupo só vive para o dinheiro e para a manutenção do seu “Status”, mas que nós podemos valorizar outras coisas, como sendo a qualidade das nossas atitudes e aquilo que nos faz felizes.
 
Não é novidade para ninguém que a felicidade não é algo que nos surge do exterior, mas sim o encontro connosco próprios e com as pessoas que nos devolvem essas emoções positivas, o que quer dizer que, temos de ser nós mesmos a construir a nossa liberdade e os momentos de alegria num sistema que parece “preso e fechado” em si mesmo.
 
Temos de ser capazes de pensar criticamente acerca dos outros para que vamos filtrando a nossa individualidade através daquilo que não queremos imitar. A qualidade do argumento que encontramos para fazer as coisas de uma determinada forma, vai permitir-nos uma orientação mais estável e segura.
 
“Eu sei a razão pela qual gosto mais de pessoas do que de dinheiro”, por isso, oriento as minhas ações nesse sentido e procuro pessoas com valores comuns, mesmo que sejam em pouca quantidade, mas basta que, dentro do meu núcleo familiar tenha essa reciprocidade, já ganho força para afirmar a minha posição na sociedade. Depois, há sempre alguém com valores comuns que se vai encontrando e com quem se pode alimentar esse plano afetivo, basta que estejamos libertos e que saibamos o que queremos.
 
Naturalmente que todos precisamos de qualidade e de ter o mínimo de conforto para nos sentirmos bem, mas talvez não precisemos de só nos focar nesse plano de vida quando a felicidade se encontra nas emoções. Podemos ter tudo, mas em doses moderadas que nos permitam desfrutar da vida com mais qualidade, prazer e alegria.
 
Reparo que os povos mais felizes do mundo se preocupam muito menos com os bens materiais que os outros e, na verdade, possuem mais oferta ao seu dispor, mas assumem o valor das pessoas e o prazer de estar com elas. Este é um desafio para quem se assume “menos materialista” que não está sozinho no mundo, está com todos os que pensam de forma semelhante, pelo que só por isso, vale a pena seguir esse percurso com mais confiança e, já agora, generosidade!
 
Sabemos muito bem a diferença entre o ser humano e a máquina… então porque queremos trabalhar de forma tão repetitiva, desenfriada e sem nexo? Por que não abrandar o ritmo e aproveitar o tempo livre em família? Penso que é tempo de começarmos a pensar mais antes de fazer só por fazer… espero ter ajudado na reflexão, amigo leitor.
 
Fátima Fernandes
 
COMENTÁRIOS
 
PUB
 
MAIS LIDA ONTEM
Descubra o que vai mudar na 38ª Concentração de Faro

Descubra o que vai mudar na 38ª Concentração de Faro

ver mais
 
 
  
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Portugal vence em Albufeira 3ª Etapa do Europeu de Futevólei

Portugal vence em Albufeira 3ª Etapa do Europeu de Futevólei

ver mais
 
Vem aí novo Dia Aberto na Jazida Arqueológica Paleolítica de Vale Boi

Vem aí novo Dia Aberto na Jazida Arqueológica Paleolítica de Vale Boi

ver mais
 
Apanhado a conduzir embriagado e com arma de fogo

Apanhado a conduzir embriagado e com arma de fogo

ver mais
 
 
 
 
Allô Pizza Escola de Condução C.C.S Loja das Taças Restaurante Os Arcos
» Sociedade» Fichas de Leitura» Desporto» Click Saúde
» Economia» Figuras da nossa Terra» Política» CX de Correio